Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

A Copa do Mundo é um problema de soberania

História do Esporte

Em 1968, no México, há dez dias do início das Olimpíadas, mais de 300 pessoas foram assassinadas, alguns falam em mais de mil mortos, e centenas foram espancadas por protestarem em meio aos Jogos Olímpicos. Foi a forma do Estado mexicano mostrar seu controle social para a comunidade internacional.

15 de outubro de 2011, da Vila Setembrina, Bruno Lima Rocha

Fico à vontade para tecer críticas sobre a realização de grandes eventos esportivos no Brasil porque, nesta publicação, desde o fatídico Pan de 2007 no Rio, venho analisando as estruturas de poder que faturam – e muito – nestas ocasiões.

Ao mesmo tempo, seria leviano afirmar que organizar competições dessa magnitude seja pouco relevante tanto para o esporte brasileiro como para a projeção do país e o desenvolvimento de nossa auto-estima. O problema é outro e diz respeito aos modelos de negócios implantados pelas entidades internacionais e o abrir mão de soberania dos Estados anfitriões.

enviar •
imprimir •

Não vale à pena entrar aqui em detalhes contratuais e tampouco retomar uma periodização histórica para provar que a complexa realização de um grande evento internacional opera como rolo compressor na interna de um país. Basta recordar um caso. Se organizar algo desta envergadura fosse redenção nacional, o México já teria completado seu ciclo de “modernização”.

A capital mexicana recebeu os Jogos Olímpicos de 1968, e dezenas de cidades foram sedes das Copas do Mundo de 1970 e de 1986. Nenhuma destas ocasiões modificou as formas de domínio interno. Justo ao contrário.

O conceito se materializa no mórbido Massacre da Praça de Tlatelolco – exemplo latino-americano de terrorismo de Estado - que ocorrera em 2 de outubro de 1968, faltando apenas dez dias para as Olimpíadas.

No Brasil atual, vivemos o pacto de governabilidade e um elevado grau de contenção social. Portanto, os poderes de fato não devem temer a rebeldia de seus cidadãos e sim, ao contrário, é a cidadania que deveria chocar-se com os desmandos dos governantes e os oligopólios econômicos a estes associados.

No caso da Copa do Mundo, o problema ultrapassa os contratos super faturados e os orçamentos infindáveis.Trata-se da aplicação de mecanismos de chantagens caso os poderes legítimos da república não acatem as determinações da “mui nobre e ilibada” FIFA, vide o último processo sucessório e o affaire Joseph Blatter e Andrew Jennings.

O modelo de negócios imposto por esta entidade é um contrato de porteira fechada, onde os patrocinadores oficiais do evento subordinam a vontade popular antes e durante sua realização. Não espanta tamanha polêmica para a aprovação da Lei Geral da Copa e as terríveis conseqüências para países sede em termos de déficit e incapacidade de manutenção dos equipamentos esportivos. Realizar a Copa sob comando da FIFA e da CBF é como reabrir os portos para as “nações amigas” e os aliados internos.

Este artigo foi originalmente publicado no blog do jornalista Ricardo Noblat.






« voltar