Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

Yeda e Isabel, vetar a cantoria e não assumir a autoria é demais!

piratini

Quando os olhos do país deitam sobre as margens do RIO GUAÍBA, Porto Alegre fica pequena demais para dividir os holofotes entre Yeda Rorato e José Fogaça. Sobrou para a cantora bageense Isabela Coronel Amilivia, que após casar-se, adotara o nome do marido, o prefeito poeta porto-alegrense que dispara nas intenções de voto para o Piratini.

Por Bruno Lima Rocha e Lisandra Arezi, 09 de abril de 2009

Antes do jogo do time de Ricardo Teixeira contra a fraca seleção peruana, outro embate aconteceu. O resultado da partida entre o escrete patrocinado pela joint venture da Telefónica de Espanha com a Portugal Telecom (a Vivo Celular) foi 3 x 0 para os galáticos de amarelo. Já a contenda entre a professora de economia da UFRGS que ainda não tem currículo lattes e a cantora da música de propaganda da Cia. Zaffari ainda não foi definida. No primeiro assalto, a governadora do Rio Grande (sim, é verdade, é ela mesma, ainda é...) Yeda Crusius venceu ao prefeito poeta, o ex-locutor da Rádio Continental 1220 AM, o poeta e José Fogaça. A moradora da casa localizada na Rua Araruama, Três Figueiras da “muy leal e valorosa” constrangeu muitas pessoas após ter cancelado a apresentação da cantora Isabela Fogaça no início da programação do jogo de na quarta-feira, dia 01/04/2009.

enviar •
imprimir •

Como se sabe, a canção seria em homenagem a cidade de Porto Alegre que então festejava aniversário. O veto feito à primeira-dama da capital rio-grandense, impedindo-a de cantar o Hino de Porto Alegre que é de autoria, de seu marido, o ex-afeto de Antônio Britto e Paulo Odone. Isabela Fogaça, a cantante, foi avisada na tarde do evento, que sua apresentação não ocorreria, ficando muito constrangida. A versão oficial consta que o convite para cantar partiu no início do mês passado pelo presidente da Federação Gaúcha de Futebol (FGV), o dono da Rede Multisom, Francisco Noveletto.

O pepino sobrou para o empresário Noveletto, que dando desculpas pelo transtorno, negou que a idéia da apresentação tenha tido relação com os rumores de candidatura de Fogaça ao governo em 2010. Dizendo-se “um zero à esquerda” em política (Obs: sua classe costuma pôr alguns zeros à direita em época de campanha?!), o dirigente disse que não ofereceu cachê a Isabela para não ofendê-la:
– Quis convidar minha amiga e não gastar dinheiro. Sou gringo, pão-duro, e ela não cobraria – contou.

Ainda na base do fontismo, as calçadas entre a Matriz e o Passo Municipal dizem que o veto feito em última hora incomodou mais a Fogaça do que sua esposa. Não foi esta a única versão rara. Rumores sobre a polêmica houve outros. Alguns versavam sobre os patrocinadores do evento, dando a entender que a bela canção faria alusão a uma empresa, líder no setor no que resta de economia “gaúcha”, mas que não compunha o pool de empresas patrocinando o acontecimento político-cultural-futebolísitico. Como sempre, tudo foi mais ou menos negado. O representante do Piratini no comitê formado para viabilizar a realização dos jogos da Copa de 2014 em Porto Alegre, Mateus Bandeira, secretário Estadual de Planejamento, afirmou que o Banrisul (o banco “público” que o Aod vendera 47% das ações ordinárias) e CEEE (o que sobrara da liquidação de Britto e Busatto, este o novo guru do PT em Canoas) patrocinam o evento mesmo sem exibir marcas (patrocínio sem marca?!). Então, por isso a música não poderia ser tocada já que está sendo veiculada em comerciais. Motivo alegado, não convenceu a ninguém. Já o eterno alvo móvel, falante e financeiro de Paulo Afonso Feijó, o presidente do Banrisul, Fernando Lemos, não quis nem falar sobre o assunto.

Ainda nas desculpas, o chefe da Casa Civil, José Alberto Wenzel, afirmou em uma entrevista ao programa Gaúcha Atualidade no dia seguinte, que a governadora Yeda não teve envolvimento com a retirada do convite feito a primeira-dama. Wenzel ponderou também a mesma alegação, que o fato da canção ser tema de uma rede de supermercados poderia ter influenciado na decisão do veto. Quem vetou? Cadê o lide. O tema foi tão absurdo que até o Lasier Martins se incomodou sentando a boca como quase nunca faz quando conversa com um “parceiro” do Piratini.

O tema de fundo é outro e é sabido e notório qual o nó do rabo do porco. Yeda se auto-candidatou a reeleição. Fogaça é um dos possíveis candidatos do PMDB ao mesmíssimo pleito. A senhora Rorato lembrou o proceder de outro paulistano da Mooca, assumiu-se como a dona do pedaço, vetou a apresentação, e não assumiu ser a autora da grosseria. Se há algo de interessante nesta papagaiada, é perceber a materialização do conceito de “conflito intra-elite local”. Para qualquer analista, quando isso ocorre, é motivo de grande alegria intelectual, porque é a forma mais didática de demonstrar aspectos de uma teoria analítica. Mas, para vergonha do Rio Grande, este tipo de presepada é um sintoma a mais de como estamos todos entregues ao lugar comum de trocar a POLÍTICA pela polititica.

Porto Alegre é realmente demais, o STJ que o diga....mais barulho jurídico vem por aí.






« voltar