Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

A disputa pela orla do Rio Guaíba

página oficial da joint venture

A Goldsztein Cyrela, cujo comando é de Fernando Goldsztein e sob a batuta geral de Elie Horn, pode estar condicionando, através de sua mega joint venture imobiliário-especulativa, o avanço ou retrocesso do usufruto de espaços públicos na capital do Rio Grande.

Bruno Lima Rocha, 08 de abril de 2009

No dia 16 de março o prefeito reeleito de Porto Alegre, José Fogaça, enviou para a Câmara Municipal sua contrapartida do projeto do Pontal do Estaleiro. Dada a celeuma ocorrida no final da legislatura passada, o Executivo vetara o primeiro projeto apresentando outro bastante parecido. O tema em pauta é a construção de um complexo imobiliário e de lazer em uma área que, segundo uma série de normativas legais, seria de uso público e de proteção ambiental. Além do projeto específico da nova área a ser construída onde está à carcaça do Estaleiro Só, está em jogo também a ocupação da Orla do Rio Guaíba.

enviar •
imprimir •

Junto com o projeto, foram aprovadas duas emendas. Uma, aponta a convocatória em 120 dias após a aprovação, da consulta popular mediante votação opcional. Nessa emenda há um dispositivo “curioso”, afirmando que caso não venha a ser convocada a consulta pela prefeitura, ao término dos quatro meses, a lei será aprovada. Caso convocada, esta vai ser uma eleição aos moldes dos pleitos para o Conselho Tutelar, com voto facultativo. Haverá 300 urnas espalhadas em 90 locais da capital rio-grandense, numa data a ser estipulada entre o final de junho e o início de agosto.

A outra emenda, de autoria do vereador Airto Ferronato (PSB), preserva área de largura mínima de 60 metros junto à orla, onde não se poderá fazer aterro. Quando os vereadores aprovaram esta emenda, não se deram conta que estavam ferindo os interesses do projeto imobiliário e agindo em consonância com uma visão ampliada do Plano Diretor. Isto é, a defesa do uso público implica no acesso universal da orla, da visão do espelho d’água, possivelmente com a construção de um cinturão verde, com ciclovia ou passeio de pedestre.

Terça-feira, 7 de abril, o portal eletrônico da RBS ventilou uma informação importante vinda da BM Par Empreendimentos, a empresa que “pretende revitalizar” o Pontal do Estaleiro. Na matéria, constaria que um técnico da BM Par, empresa pertencente ao grupo SBV Empreendimentos, teria confidenciado ao vereador Valter Nagelstein (PMDB, líder do governo) que a emenda de Ferronato compromete 26% do índice construtivo e 40% por cento da área total do empreendimento. Assim, deixaram a bomba no colo do prefeito. Se ele vetar novamente o projeto, volta todo o processo para o Legislativo municipal. Seria a única forma de assegurar os interesses da empresa construtora no projeto original. Caso Fogaça não vete, está aberta a porteira para a defesa de toda a orla do Rio Guaíba como espaço público.

Obs: até este trecho aqui foi a íntegra do artigo que saiu publicado no blog de Ricardo Noblat


Epílogo da semana: o “empreendedor imobiliário” desistiu de construir moradias na área da carcaça do Estaleiro Só. Assim, segundo a prefeitura, perderia a razão de ser da consulta pública, mediante eleição aos moldes do conselho tutelar. Esta foi a decisão da BM Par Empreendimentos, uma empresa pertencente ao grupo SVB, que tem uma situação no mínimo curiosa. Ao fechar o artigo na 3ª dia 07 de abril, liguei para o fone que constava como da SVB em um catálogo eletrônico na internet. Fui atendido por uma moça, com voz jovem e bastante educada. Fiz apenas duas perguntas: - Quem é a controladora da BM Par Empreendimentos? Ela me disse, após consultar alguém, que era a SVB. Após perguntei: - A SVB é de capital aberto ou Ltda? E, qual é a composição acionária da empresa? A resposta foi que aquelas perguntas ela não poderia me responder. Agora, a empresa que não divulga a composição de seu capital, atuando de modo semelhante aos capitais que atuam na Lei das S/A do Uruguai (onde apenas consta o titular da pessoa jurídica, o responsável, e não os donos de fato), pode fazer o constrangimento do prefeito José Fogaça ter de vetar a consulta. Como a lei já autoriza a construção de prédios comerciais, portanto, não haveria mais o que consultar, certo? Errado. Se houver uma negação no ato da consulta, todo o projeto será deslegitimado pela população porto-alegrense. Caso venha a ser implantado, a culpa política (e seu ônus) recai de modo dividido entre a mui leal nobre e valorosa Câmara Municipal e o habitante do Passo. Se a recusa vier da população e ainda assim Fogaça deixar a obra andar, ele será o responsabilizado. Do alto de seu poder, o lobby do concreto e seus fiéis depositários da bancada do metro quadrado construído, anseiam pelo veto do prefeito a lei como um todo, ou ao menos ao pleito. Sem dúvida, Porto Alegre é demais para duas formas de democracia conviverem. Ou avança a participativa, ou ficamos reféns dos soldados das empreiteiras da especulação imobiliária financiado com o dinheiro do alheio. Quanto a composição acionária e os reais proprietários do imóvel, a investigação da jornalista Clarinha Glock encontrou a ponta do fio de novelo.






« voltar