Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

O choque de lealdades


A greve dos servidores do Ibama é o centro nervoso por onde passam tanto as lutas dos trabalhadores públicos e o modelo de crescimento

Foram quatro anos de paralisia na luta popular. Desde a posse de Lula até o início de 2007, seria quase impossível imaginar a aproximação entre os setores da esquerda social. A fratura era marcada em função do apoio crítico ou oposição ao governo do ex-metalúrgico. Mas, finalmente, a conjuntura vai mudando.

enviar •
imprimir •

Na quarta-feira 23 de Maio, boa parte do país acordou com mobilizações. Fruto do Encontro Nacional de Lutas Contra as Reformas, realizado em São Paulo de 23 a 25 de março deste ano, a hoje possível unidade de categorias, setores, movimentos e centrais sindicais foi e é duramente construída. Certo é que na província os atos foram mais tímidos. Não cortaram estradas com troncos incendiados, como em São Paulo, Minas Gerais e Pernambuco. Também ninguém entrou em usina de energia, como na tomada de Tucuruí pela Via Campesina encabeçada pelo MST.

A agenda local foi marcada pelas lutas dos municipários de Porto Alegre e de Cachoeirinha. Somaram às campanhas, estudantes e sindicalistas (da Intersindical e Conlutas), além das duas colunas que saíram no meio do Congresso do Cpers. Marcando a diferença, a CUT puxou um ato e as duas coordenações mais à esquerda unificaram no Paço Municipal e no INSS. Ao contrário da atuação no Norte e em São Paulo, o MST não se mobilizou com força.

Entender o alcance da possível unidade passa pelo debate que grassa o maior movimento popular da América Latina. Não existe um dirigente que rivalize com João Pedro Stédile em nível nacional. Ainda assim, sua postura não é unanimidade. Bem mais à esquerda, o paranaense radicado em São Paulo, Gilmar Mauro, participou do Encontro sindical e social em março e manteve a posição nas medidas de luta em maio.

A divergência de posições políticas na direção reflete uma idéia de realinhamento político. O debate é de fundo e vai além do apoio crítico ou oposição ao governo Lula. Boa parte dos militantes dos movimentos do campo, da cidade e de das pastorais sociais debatem internamente uma outra possibilidade de organização política. Algo que tem o conceito de instrumento político e passa bem longe da disputa eleitoral.

Enquanto o MST não se define, o epicentro do choque de interesses e projeto estratégico para o país e o Rio Grande passa pela regulação do meio ambiente. Em nível nacional, a greve dos servidores do Ibama combate a Medida Provisória 336/07, que divide o Instituto entre fiscalização (com o nome de Ibama) e conservação, como Instituto Chico Mendes. No estado, o destravamento das licenças ambientais, antes do zoneamento, atinge diretamente a Fepam e o sindicato que defende seus funcionários, o Semapi.

Ambas as lutas aproximam os servidores públicos federais e estaduais, com alto nível técnico, e os movimentos Sem-Terra e dos Atingidos por Barragens (MAB). Ou seja, as espinhas dorsais tanto do sindicalismo como dos movimentos populares podem ter um ponto de convergência. Para evitar a aproximação dos setores em luta, operam a lógica eleitoral, a ambivalência da direção da CUT e a lealdade com o governo Lula. É um caso clássico da política aplicado na base mobilizada de nossa sociedade.... Chama-se choque de lealdades, e caso prevaleça o sentido de pertencimento popular, o segundo mandato terá vários problemas para enfrentar.

Artigo originalmente publicado na Revista Voto, Ano 3, No. 33, Junho de 2007, pág. 49






« voltar