Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

No país do 1º de abril e dos eufemismos


Luís Antônio Gama e Silva, vulgo Gaminha, ministro da Justiça de Costa e Silva e um dos autores do Ato Institucional. Foi ministro da Justiça de Castello concomitantemente com a pasta do MEC. Gama e Silva, ex-reitor da USP, fora portador das piores tradições da direita dentro do campo jurídico de São Paulo.

2 de abril de 2008, Vila Setembrina dos Farrapos, Continente de Sepé e Languiru

Neste ano completam-se os quarenta anos do Ato Institucional de número 5 (AI-5). No dia 13 de dezembro de 1968 o marechal Arthur da Costa e Silva e seu gabinete declaram um poder totalitário, e dão forma jurídica a mais pura e simples repressão política*. O artigo dessa semana relembra o golpe militar de 1º de abril de 1964 e questiona o porquê da mudança da data? Para começar o debate, é preciso uma breve reflexão. O dia 31 de março passa para a história como a data do movimento golpista. Como operação de propaganda, foi perfeita. Assim, um golpe ganha o nome de “Revolução” e a ditadura se afirma como defensora da democracia. A mesma manobra desassocia o dia da mentira com a derrubada de um presidente legal.

enviar •
imprimir •

Um pequeno recuo na história recente prova a tese da data. Quarenta e três anos atrás (2 de abril de 1964) o então presidente da Câmara dos Deputados, Pascoal Ranieri Mazzilli (PSD) já funcionava como títere, ocupando o poder Executivo mas rendendo obediência para o “Comando Supremo da Revolução” composto por oficiais generais das três forças. Eram eles: vice-almirante Augusto Rademaker (Marinha); brigadeiro Francisco de Assis Correia de Melo (Força Aérea) e o general Artur da Costa e Silva. Essa composição durara duas semanas, passando no dia 15 de abril, o cetro presidencial para o marechal Humberto de Alencar Castelo Branco. Antes de deixar o comando do país, a Junta Militar já havia decretado o primeiro de uma série de 16 Atos Institucionais e Complementares.

O deputado Ranieri Mazzilli, que oficiava de presidente da Câmara assumira o Poder Executivo no dia do Golpe deflagrado na noite de 31 de março e madrugada do dia da mentira. Este posto foi declarado vago pelo então presidente do Senado, Auro de Moura Andrade (PSD). Não era a primeira vez que isto ocorria, visto que quando Jânio Quadros renunciou, 1961, passou o mesmo.

No ano da Campanha da Legalidade, João Belchior Marques Goulart (Jango) se encontrava em viagem na República Popular da China. Ou seja, estava fora do país quando o Congresso Nacional pôs outro de forma interina. No caso de 1961, Jango retornou da China em 31 de agosto e somente assumiu no dia da independência, 7 de setembro. A ironia deste país é tanta, que a emenda constitucional que institui o parlamentarismo fora escrita pelo então deputado federal por São Paulo, Plínio Salgado (PRP). Assim, com a caneta de um reconhecido fascista, o Brasil se aventura pela troca de regime. Em janeiro de 1963 Jango retoma os plenos poderes com a vitória no plebiscito, quando o Presidencialismo recebeu 9 milhões de votos contra 2 milhões do parlamentarismo.

Em 1º de abril de 1964, o presidente da república ainda estava em solo brasileiro. Mesmo assim, foi destituído pelo parlamento. Jango voara de Brasília para o Rio de Janeiro e de lá para o Rio Grande do Sul. A história não pode ser escamoteada e apresentar ao estancieiro como vítima indefesa. Todas as tentativas de promover uma resistência democrática contra os golpistas foram negadas por João Goulart, que não quis resistir.

Se o presidente foi destituído no dia 1º, portanto é este o dia do Golpe e não outro. Curioso, outros golpes tão ou mais sangrentos não mudaram o seu dia. 11 de setembro de 1973 é a data do golpe militar chileno e foi o dia em que Salvador Allende perdera o cargo e a vida, suicidando-se em La Moneda para não se render. 24 de março de 1976 marca a entrega do cargo de Maria Estela Martínez Carta (Isabelita Perón), de forma tranqüila e gentil, para a Junta Militar encabeçada pelo general Jorge Rafael Videla. Em 27 de junho de 1973 o presidente eleito do Uruguai, o colorado Juan Maria Bordaberry, dissolve o Parlamento optando pelo autogolpe, e junto das Forças Armadas cria um Conselho de Estado com capacidade legislativa e executiva. Por falar em autogolpe, 5 de abril de 1992 foi o dia em que no Peru, o engenheiro agrônomo Alberto Fujimori, também opera o autogolpe, dissolvendo as instituições e promovendo o co-governo junto de militares do quilate do capitão de Exército e advogado Vladimiro Montesinos.

Não se trata aqui de esgrimar argumentos em função de um capricho conceitual, mas sim de uma verdade factual e histórica. O mesmo golpe que sai vitorioso no dia da mentira toma o poder em um país que crescia em média 8% ao ano (desde 1950) e cuja participação dos trabalhadores da renda nacional era em torno de 50%. Encerrado o ciclo de reconversão das importações de desenvolvimento da indústria nacional, o Brasil entra na democracia após uma larga e demorada “abertura, lenta, gradual e restrita”. A democracia teve a um arenista de presidente eleito no Colégio Eleitoral. Logo este regime encontrou-se com a hiperinflação a queda vertiginosa do poder de compra do salário e a presença permanente das mesmas elites civis que apoiaram o movimento de 1964.

Alguns afirmam que a transição se completou em janeiro de 1985, quando Tancredo é eleito no Congresso. Outros, com a eleição direta para presidente em 1989. Institucionalmente, pode até ser. Mas, em termos de representação das forças políticas e sociais, entendo que a transição se completa em 1º de janeiro de 2003, quando o ex-líder metalúrgico assume o poder Executivo. Eleito e reeleito, Luiz Inácio recheia seu governo de ex-membros da Arena, partido oficial de apoio ao regime militar. Além deste fato jamais ser lembrado, ainda se produz outra denominação: “base aliada”.

Sem dúvida, estamos no país em que ninguém é de direita e onde a política vive dos eufemismos que ela mesma produz.

Este artigo foi originalmente publicado no blog de Ricardo Noblat

*Errata: na versão publicada no Noblat, no dia 2 de abril às 6h30m, eu cometi um erro histórico. Por descuido, afirmei que o AI-5 fora declarado pela Junta, tendo o famigerado Gama e Silva como inspirador do Ato. Equívoco histórico, porque o militar gaúcho, natural de Taquari, Arthur Costa e Silva, estava presente e inspirando a redação da medida discricionária. “Gaminha” até queria mais, mas foi contido pelos militares e demais ministros ali presentes. O AI-5 foi declarado no Palácio Guanabara, então sede do governo do GB. Estas afirmações são minhas, mas a correção do episódio histórico foi enviada pelo jornalista e também articulista do Noblat, Almyr Garajadoni. Grato por teu email, abraços.






« voltar