Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

Espionagem, a vantagem não negociável

beyondhollywood

Valerie Plame era analista e operadora de campo da CIA no Iraque encarregada de averiguar e evacuar enlaces no território inimigo, seu marido, o ex-diplomata Joe Wilson, teve como missão medir as reais ameaças de armas químicas do regime de Saddam. O resultado foi a perseguição contra Wilson e a exposição pública da agente de inteligência dos EUA. O affaire Plame-Wilson inauguram a nova era de ex-espiões em contra o Pentágono e o Departamento de Estado.

Bruno Lima Rocha, para o Jornalismo B, primeira quinzena de novembro de 2013 

 

Pela primeira vez após o 11 de setembro de 2001, os Estados Unidos da América (EUA) se encontram emparedados diante do ocidente, para operar como guardião desta forma de vida contra os“sarracena”. O Império é detentor de uma superioridade militar infinita diante de aliados e possíveis concorrentes. Tamanho é o complexo industrial-militar-eletrônico que bastam poucas deserções para expor tal gigantismo e suas debilidades.

enviar •
imprimir •

A partir da deserção de Edward Snowden, um analista de informática e decodificador terceirizado da National Security Agency (NSA), ficou descortinado para a opinião pública o senso comum entre os especialistas. Para quem entende minimamente de espionagem e realismo das Relações Internacionais (RIs), sabe que a superioridade da superpotência vitoriosa na Guerra Fria é quase absoluta em termos de vigilância eletrônica. O que houve, agora com Snowden, antes com Bradley Manning (analista de inteligência do Exército dos EUA que operara no Iraque e Afeganistão), Valerie Plame (agente da CIA, especializada em armas de destruição em massa e que fora exposta ao público no governo Bush Jr.), é parte do jogo. Como diria Graham Greene, o chamado fator humano, por vezes o limite das convicções ou os conflitos internos de cada operador, podem gerar a motivação discordante, gerando a dissidência.  

 

A diferença da situação do atual desertor Snowden para os anteriores, Plame e Manning, é abissal. Bradley está preso por haver vazado mais de 700.000 documentos secretos para o portal Wikileaks, coordenado pelo australiano Julian Assange, outro inimigo do Império em tempos de internet. Plame circula com desenvoltura nos EUA, virou enredo e argumento de um bom filme feito por Hollywwod e hoje é fonte permanente de meios de comunicação como CNN ou programas de humor político como o do democrata Bill Maher (HBO). Edward está numa condição especial, exilado na Rússia com renovadas pretensões imperiais, empregado de um portal de relacionamentos dentro do território soberano do czar Vladimir Putin e vazando sistematicamente relatórios de inteligência para o jornal britânico The Guardian.

 

Nos últimos meses, o mundo foi informado e os especialistas constataram o grampo no celular da primeira ministra alemã Ângela Merkel; escutas na reunião secreta do Conclave do Vaticano; aberturas dos emails privados da presidente brasileira Dilma Rousseff, dentre outras violações. A alegação é a insegurança global diante das redes integristas sunitas – as mesmas retroalimentadas pela Arábia Saudita, aliada dos EUA desde 1945 – mas as razões são outras. A primeira é que o gigante tem fome, acumulando dados e conversas e os classifica segundo a prioridade da política externa do Império, seja esta comercial ou bélica. A segunda razão é o fator antecipação. Os Estados Unidos têm como vantagem estratégica em qualquer âmbito das RIs o poder de antecipar-se aos demais agentes, não importando sua grandeza ou área de interesses. Para a Casa Branca, tal vantagem é inegociável.

 

Este texto foi originalmente publicado no quinzenal impresso e editado por Alexandre Heubrich






« voltar