Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

O “ataque a democracia” no Rio Grande


Se a abertura de capital do Banrisul ocorresse em um país como a Bolívia e não no Rio Grande pacífico e ordeiro, a ira popular não caberia dentro do plenário da Alergs

4ª, 22 de agosto de 2007, Vila Setembrina dos Farrapos, Continente de São Sepé

No momento em que fechava o artigo da semana passada a Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul (Alergs) teve sua sessão da tarde de 14 de agosto interrompida. Cerca de cem manifestantes, a maioria composta por sindicalistas afiliados ao Centro de Professores do Rio Grande (Cpers-sindicato) desceu das galerias e ocupou o plenário. A ira dos professores e de outras categorias tinha como pavio a votação dos dois fundos previdenciários, cujos recursos vêm do capital obtido com a abertura de capital do Banrisul.

enviar •
imprimir •

O presidente da Alergs Frederico Antunes (PP) manteve a fleuma e convocou os deputados para uma sessão fechada. Neste outro recinto, sem a presença dos manifestantes e com o boicote de PT e PDT, os dois fundos foram aprovados. Interessante observar que o protesto gritava contra “a privatização do Banrisul”. O secretário da Fazenda Aod Cunha contestara, dizendo que o projeto amarrava os fundos para sua função. Mas, como é da necessidade do déficit do estado, o capital iria girar pelo caixa único e entrar no regime de caixa.

Podemos afirmar que a reação dos formadores de opinião foi mais virulenta do que a dos parlamentares. De quarta a sexta, debates e críticas abundaram na mídia local. O chavão gritado era um: “A invasão do plenário da Assembléia é um ataque contra a democracia!” A Alergs de sua parte, abriu sindicância, requisitou filmagens e prometera apurar tudo. Como a invasão tem distintos enquadramentos e se trata de patrimônio público, prometeram acionar o Ministério Público estadual e federal, além da Polícia Federal e da Polícia Civil. O bochincho está feito.

Do ponto de vista da análise e da teoria política me interessa o debate a respeito do conceito de democracia e da autonomia do representante em relação aos representados. Compreendo que a agenda midiática na maioria das vezes deixa vazar a posição política do status quo. O confronto de idéias que narro abaixo seria um exemplo clássico de discurso e defesa de práticas políticas antagônicas.

Este foi o mote da mesa de debatedores do programa Conversas Cruzadas de 15 de agosto, do Canal 36 do UHF, empresa do Grupo RBS. Tendo a Lasier Martins como âncora, os defensores da ação na Alergs eram Celso Woyciechowski, presidente da CUT-RS e Neiva Lazzarotto, segunda vice-presidente do CPERS. À direita do debate estavam o secretário de Justiça e Desenvolvimento Social Fernando Schüller (PSDB) e o deputado estadual Alceu Moreira (PMDB).

O programa tinha como pano de fundo discutir se a ação era ou não legítima, e qual o limite do protesto social? Como contraponto, os sindicalistas colocavam o interesse público acima das regras formais, e a defesa de classe como mais importante do que a intermediação parlamentar. A desconfiança para a política econômica era óbvia. Alceu Moreira rebatia que os dirigentes sindicais deram um mau exemplo, e com essa postura deseducavam os alunos. A acusação deslegitima o protesto, afirmando que eles, os parlamentares, receberam os votos, sendo portadores de mandato popular para decidir.

Com a linguagem elegante de sempre, o cientista político e secretário de estado Fernando Schüller teve toda a calma para associar o interesse de classe em contra do interesse coletivo. Sutilmente, deu a entender a sua opção pelo estado mínimo como saída. Portanto, o caixa único do Rio Grande deve ser desonerado de gastos para atender sua atividade-fim. Eis o fundo da discórdia. Qual deve ser a atividade-fim do caixa estatal? Atender às necessidades da maioria ou ser indutor do crescimento? E, este crescimento deve ser financiado pelo caixa do estado? E qual a contrapartida destas empresas?

O único momento que Schüller ficou sem reação foi quando Neiva Lazzarotto expôs dois recortes de jornal. Estampavam o faturamento líquido de duas gigantes gaúchas, Copesul (petroquímica) e Gerdau (siderurgia). O secretário e o deputado afirmaram que se trata de dois orgulhos do Rio Grande, empresas sérias e que tem de ser louvadas. Neiva contrapôs com a afirmação: - “E porque estas empresas precisam de isenção fiscal e de dinheiro público a fundo perdido se são tão grandes?”

Este é o limite conceitual de qualquer debate político. O papel do Estado, os fundos públicos, a autonomia do representante, independência do governo eleito e o tipo de protesto social legítimo. Tivéssemos uma tradição plebiscitária como no vizinho Uruguai, e certamente esses fundos sequer seriam votados. O controle do Banrisul segue sendo estatal, mas o regime de interesse público com certeza não.

A Alergs, orgulhosa de ser o “Parlamento do Rio Grande” vê a sua reputação em maus lençóis. Tão rápida na votação dos fundos, incapaz de punir os deputados albergueiros. Recentemente votou o aumento dos próprios salários em meio a uma crise financeira generalizada. Isso sem falar na fraude dos selos com novas revelações a cada semana. Recentemente o escândalo alcançou os corredores do Piratini.

Pelo visto, o debate sobre a legitimidade do protesto social ou o “ataque a democracia” está apenas começando.

Artigo originalmente publicado no blog de Ricardo Noblat






« voltar