Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

Ainda a inexorável caminhada da concentração a passos de marreco chinês


Este homem carrega nos ombros um dos orgulhos da capacidade do Brasil desenvolver sua indústria a partir de seus usos e costumes. Orgulho este a ser vendido em breve.



Não bastasse a operação mais que suspeita da venda de informações privilegiadas na aquisição da Ipiranga, mais uma bomba de tempo cai no Brasil governado pela “esquerda”. A premissa não é a da surpresa, mas a da constatação que estas informações são parte do negócio. E, o deságio é um pedaço do botim a ser entregue pela presa abatida. Impressiona a naturalidade como se conjuga a espionagem industrial, as regras por dentro e por fora da concentração, onde a moeda é o dinheiro digital e o deságio das ações. Sem regramento e intervenção, os capitais das multis fazem uma festa por país.

Agora um dos símbolos da indústria nacional de bebidas caminha a passos largos rumo ao morticínio. A mesma Coca-Cola Company, cuja fórmula é um dos segredos industriais mais bem guardados da humanidade, adquire a Leão Júnior, empresa detentora da legendária marca de Matte Leão. Quando dos primeiros anos do pós-guerra, a Coca implanta no país uma prática de desinformação, hoje típica nas células de inteligência lotadas no canto dos organogramas de grandes corporações, oscilando entre a segurança orgânica e o marketing de guerra. Pois bem, ao espalhar que o Matte é brochante, a Coca se espraia no país Brasil. 60 anos depois, abate a presa tupiniquim. Esta parte histórica da indústria nacional, a partir dos anos ’80, reage e chega a ser febre, com cadeia de franquias em cima de folhas de Mate. Ao abater a líder de mercado, a Coca dá um recado ao país.

O negócio ainda não concretizado no Cade, que forçado a trabalhar talvez até tome uma posição, tem o selo do sufoco e do truste. Com pequenas fábricas de refrigerante já ocorrera o mesmo. Uma duvida teórica me aflige. “Será que ninguém dos altos mandos da Fazenda e do BNDES consegue sequer pensar em português?!”

enviar •
imprimir •






« voltar