Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

O Pacto de Governabilidade


Acostumada a falar para investidores de alto nível, a governadora eleita Yeda Crusius, operadora de confiança da oligarquia gaúcha, terá de regular o apetite de “aliados” e “amigos”.

A coligação Rio Grande Afirmativo foi um tripé montado pelo PSDB, PFL e MD (ex-PPS). Esta seria segundo um ponto de vista, uma clássica renovação de elites e recâmbio dentro do mesmo campo. Partidos e aliados secundários substituem legendas de maior peso e tradição no cenário político. Segundo a governadora, a gestão empresarial subordinaria aos interesses políticos e corporativos. Resta saber qual o espaço e o significado de tudo isso?

enviar •
imprimir •

Na montagem da administração, Yeda Crusius repete a composição do chamado co-governo. Embora válido pelas normas, o debate para ser levantado é se esta junção de forças é legítima. O emblema de campanha foi um “choque de gestão”, subordinando os acordos políticos pela “eficiência administrativa”. Alterar o padrão da política tradicional no Rio Grande pós-1985, é o oposto do que a futura administração está fazendo.

A falta de conseqüência entre discurso de campanha e prática política, começa na composição de secretarias, gabinetes, estatais e autarquias. Governar entre quase todos significa lotear cargos e funções com partidos aliados no 1º e 2º turnos. Prevalecem os cálculos políticos, garantindo a maioria na Assembléia e dividindo o ônus de governar com rombo no caixa. Nada que não foi feito em mandatos anteriores. E, por mais que se diga o contrário, muito parecido com forma de compor do governo Lula.

Como novidade até o momento, a “nova forma” de fazer política tem a postura dinâmica da governadora eleita. Isto porque, tanto os choques com seu vice, Paulo Afonso Feijó, como a falta de espaço para os aliados de 1º turno, são um padrão na política brasileira. O debate a ser feito é de outra ordem. Não devemos nos ater a “governabilidade”, mas sim a identificação entre mandato e propostas originais.

O eleitorado votou em três partidos coligados, identificou estas propostas e delegou a governadora eleita o mandato. Não cabe aqui fazermos conjecturas sofisticadas cujo fim é gerar ainda mais confusão. Democracia implica um regime de concorrência entre partidos, políticos e idéias. Marketing eleitoral é uma coisa e mandato programático é outra. Dificilmente os eleitores de Yeda saberiam dizer os porquês das alianças. A não ser que se assuma o pressuposto de que o próximo governo será uma continuidade do “governo entre todos” de Germano Rigotto. Se assim for, outra promessa de campanha foi quebrada antes mesmo de iniciar o governo.

Governabilidade de fato são soluções estruturais para o Rio Grande. Isto, incorporar aos mais de 10% de desempregados e retomar a capacidade de investimento do Estado. Fora disso, tudo não passa de paliativo. Aglomerar legendas tradicionais e “nanicas”, não é governar e sim acomodar forças. Na prática, interesses político-partidários, corporativos e empresariais disputam o controle de uma máquina pública à beira da falência. Da maneira que se encaminha a composição de governo, a “novidade” vai esgotar antes do que se imagine.

Artigo originalmente publicado no jornal Zero Hora, caderno de Opinião, Tema para Debate, edição de domingo, dia 10 de dezembro de 2006, página 21






« voltar