Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

Esquerda e direita na terra da incoerência

R7

José Serra, Dilma Roussef, Ciro Gomes, Marina Silva; nenhum deles se apresenta, em tese, como de direita; como tampouco são de ESQUERDA, personificariam o pragmatismo possível na polititica brasileira. É apenas isso a disputa de poder no Brasil?

28 de abril de 2010 , da Vila Setembrina dos caídos em Porongos, Bruno Lima Rocha

Venho argumentando, em seguidos debates no rádio ou na TV, a idéia básica de que as alianças pautadas por interesses de curtíssimo prazo aumentam a confusão eleitoral, e operam anestesiando ainda mais a cabeça do eleitor mediano. Já fazem mais de quatro anos que defendo a verticalização de alianças, entendendo ser necessária repetir a composição para o governo central nos estados. Minha preocupação é prevalecer a noção de política como um jogo de posições a partir de idéias basilares, sendo que, quando se trata dos valores para a promoção do bem comum, estas posturas podem ser inconciliáveis. Mesmo sabendo que as regras do pleito de 2010 já não mudam mais, explico o porquê de fundamentar a validade desta tese.

enviar •
imprimir •

Não por acaso, quando aplico cursos de comunicação e política para graduandos e formados, muitos deles já na lida da política profissional, começo com um singelo exercício. Peço que os estudantes me apontem o posicionamento das legendas com presença nas duas casas do Congresso. Por descrer no relativismo, no “fim da história” e noutras mazelas do pensamento, aplico um parâmetro. Desenho uma linha reta utilizando todo o quadro sendo que em cada ponta está um pólo. A partir daí, sugiro que cada aluno vá indicando qual partido está mais à esquerda ou à direita do outro. Quando há controvérsia na posição, faço uma rápida votação e a sigla contestada ganha duas ou mais designações. Após esta polêmica, apresento o factual irrefutável. Usando de cores diferentes, circundo os partidos que compõem o governo de Luiz Inácio e os que compuseram os oito anos de Fernando Henrique. Como é sabido, há uma enorme coincidência, tanto de partidos como de operadores políticos na ocupação de postos-chave.

Após um breve e estarrecedor silêncio constitutivo do momento posterior a profusão da verdade já sabida, dá-se um debate alucinado. Uma maioria, já iniciada na lida da “fábrica de salsichas”, busca justificar o vale-tudo na política repetindo o chavão de que “sem maioria não se governa”, ou de que “o governo começa a ser loteado já no segundo turno”. Sigo o argumento desta maioria e pergunto como seriam os palanques se as alianças fossem proibidas já neste momento da disputa? Como formar governo sem necessariamente dividir parcelas de poder e orçamentos? Pior é constatar que a identificação partidária, no sentido de uma definição de programa, bases ideológico-doutrinárias e o conseqüente comportamento político, perde-se no meio da ânsia desenfreada por aumento do quociente eleitoral. Desse modo é impossível compor uma base de governo sem negociar a própria plataforma para a qual supostamente o candidato fora eleito. Eis o porquê das campanhas serem estéticas e não políticas.

Se não há distinção alguma para além das imagens e do marketing político, aí sim que todos serão considerados vulgarmente iguais. Para os ainda crentes no processo eleitoral como a forma de excelência do exercício da democracia – o que discordo – a regra de não ter regras nas alianças estaduais é maléfica. Quem avisa amigo é.

Este artigo foi originalmente publicado no blog de Ricardo Noblat






« voltar