Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

O sindicalismo oficial brasileiro é especialista em incinerar seu capital político


O ilibado deputado federal Paulinho da Força (PDT-SP), junto com outros colegas com assento nas direções nacionais, comemoram junto a Chinaglia e Garibaldi Alves a manutenção do repasse do imposto sindical de trabalhadores e patrões. Os empresários bancaram o baile, mas não foram dançar em público. Assessoria é tudo.

Para a Revista Voto, Maio de 2008

A coluna deste mês se fixa em um dos debates de fundo que atravessa o movimento sindical brasileiro. Um reflexo do governo Lula foi a fragmentação das entidades dos trabalhadores. Criaram-se uma série de novas centrais e outras estariam por vir. Rachando por esquerda ou por pragmatismo, acirra a crise interna na Central Única dos Trabalhadores (CUT). É curiosa a equação da política. Quanto mais forte se tornou a CUT, com menos militantes esta central pode contar. O cálculo político também se inverte.

enviar •
imprimir •

Atendendo as lealdades com a “base aliada” do presidente que foi metalúrgico, a CUT, na figura de outro metalúrgico, seu ex-presidente Luiz Marinho, aceita a troca do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) pelo da Previdência Social. Resultado: pagará o custo político da manutenção do chamado “fator previdenciário”, entregando a máquina do MTE para os outrora rivais da Força Sindical, hoje sob a hegemonia de Paulo Pereira da Silva, deputado federal pelo PDT (SP).

O que se pode depreender desta manobra? Porque uma entidade sindical abre mão de sua representatividade, arrisca perder mais capital político e deixa sua direção como alvo? Porque a lógica operando é a de subordinação do protagonismo, ficando a luta e a manutenção de direitos em um segundo plano. Prioritário passa a ser a governabilidade e a submissão da central sindical perante os lances do xadrez político. E os tempos do tabuleiro eleitoral são muito mais apurados do que o relógio das classes.

Diante da fragmentação entre as centrais governistas – as mais importantes – ainda houve a superexposição. O país fica estarrecido com a festa oferecida por “sindicatos” para os parlamentares que aprovaram a manutenção do imposto sindical. Outra vez a sobrevivência da máquina político-administrativa, assegurando a sustentação financeira de milhares de dirigentes liberados e afastados do mundo do trabalho, falou mais alto do que o capital político. Para manter a taxação sobre um dia de trabalho por mês, as centrais sindicais fizeram um pacto com as entidades patronais. A vitória foi conjunta, mas os sindicatos apanharam sozinhos da mídia que cobre o Congresso.

Subordinando a pauta do trabalhador às necessidades de um governo de coalizão, a política sindical passa a ser um poço de contradições. Um exemplo é a “luta” do Ministério da Previdência Social contra o PLC 42/07, já aprovado no Senado, de autoria de Paulo Paim (PT-RS), ex-presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Canoas e correligionário de Luiz Marinho. Se aprovado na Câmara, o projeto garante o reajuste de aposentados e pensionistas igual ao reajuste do salário mínimo. Além disso, acaba com o chamado “fator previdenciário”, que reduz em torno de 40% do valor das já magras aposentadorias. A loucura é tão grande que Intersindical e Conlutas, oposições sindicais por esquerda, fazem a luta em defesa das medidas deste projeto. A trampa é perfeita. Se barrado, a CUT pagará a conta. Se aprovado, a maior das centrais governistas será vista como aquela que tentou barrar a conquista. Assim, enquanto não se afirmam novas referências no sindicalismo, é impossível não aumentar a desconfiança dos trabalhadores para seus “dirigentes”.

Este artigo foi originalmente publicado na Revista Voto, edição de Maio de 2008, Ano 3, No.43, página 68, ISSN 1982-730-X






« voltar