Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

Que sindicalismo é esse?

Contratuh

Centrais sindicais entregam reivindicações da 2ª Conferência Nacional da Classe Trabalhadora à presidente Dilma. Movimento sindical vive dilema de ter recursos e estar subordinado ao governo.

18 de julho, Bruno Lima Rocha

Ainda estou boquiaberto com a declaração do presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), o bancário Vagner Freitas, de que a central poderia mobilizar-se pela garantia de um julgamento “técnico” dos réus do Mensalão.

Pouco tempo atrás publiquei um texto comparando a famigerada foto de Lula abraçado a Maluf como um atentado a memória dos contemporâneos de Luiz Inácio nas lutas históricas do ABC. Cheguei a afirmar ser o registro do pragmatismo político um segundo assassinato de Santo Dias, por sinal morto pela polícia militar então comandada pelo arenista hoje mui apreciado parlamentar federal.

enviar •
imprimir •

Como tudo o que está ruim ainda pode piorar, agora cai por terra – talvez definitivamente - o último suspiro de independência de classe de uma central sindical que nascera durante a Conferência Nacional da Classe Trabalhadora (Conclat) de1981, vindo a se constituir como o elo de força dos então autênticos em 1983.

Ao contrário dos analistas midiaticamente consagrados, não reclamo jamais quando os sindicatos detêm poder de barganha, organizam milhões e operam como panela de pressão na garantia dos direitos econômicos e sociais da maioria.

Justo ao inverso, enervo-me (e muito) ao ver o pouco de cultura de antagonismo que restara ser jogado fora por um jogo de pressões mal resolvido, entre as correntes político-sindicais que operam entre CUT e PT e a falta de correspondência no exercício do Poder Executivo em função do bloco governista.

Ou seja, qualquer pessoa com um mínimo de identidade militante considerará intolerável atirar no lixo o poder simbólico e os recursos da classe justamente para defender os líderes políticos que pactuaram com antigos inimigos para garantir a tal da governabilidade a todo preço (literalmente).

Não foi esta a primeira aproximação das bases cutistas para defender o governo de centro-esquerda “em disputa”.

Em 2005 saíram com timidez para as ruas, simultaneamente ao inesquecível depoimento de Duda Mendonça.

Se na época já não pegou bem, sete anos depois a imagem é ainda pior. Se o país mudou parcialmente para melhor – pagando o preço de compor forças com banqueiros, oligarcas, latifundiários e grandes empreiteiras - as seis centrais sindicais existentes pouco ou nada arrancaram de conquistas neste período.

Infelizmente o movimento sindical brasileiro tem de ser reinventado, renascendo bem longe de subordinações político-partidárias. Por mais “criativos” que sejam alguns dirigentes, discursos vazios se esgotam diante destas evidências.

Texto publicado originalmente no Blog do Noblat.






« voltar