Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

A desregulação é o argumento irracional da macro-criminalidade financeira


Hannes Hólmsteinn Gissurarson, neoinstitucionalista professor de ciência política da Universidade da Islândia, um dos homens fortes do Banco Central do país de 320 mil habitantes. A ilha era tida como o paraíso da Escolha Racional na Terra, até o calote e a quebradeira promovida pelos neoliberais.



Bruno Lima Rocha

O presidente da União Européia e mandatário francês Nicolas Sarkozy se dirigiu à Camp David, no fim de semana de 18 e 19 de outubro. Acompanhava o aristocrata da terra de Jean-Marie Le Pen o presidente da Comissão Européia, José Manuel Durão Barroso. A Europa outra vez mais se encaminha de pires na mão pedindo razoabilidade à demência Neo Com encabeçada pelo filho do ex-presidente, sucessor de Reagan e que nos anos 1970 fora diretor-geral da CIA.

A meta dos dirigentes europeus é abrir a cancha e fazer uma multilateralidade “responsável”, incluindo aos países do G-5: Brasil, México, China, Índia e África do Sul. Os Estados dos BRICs, somados com a nação tolteca do presidente Felipe Calderón – o amigo de Bush Jr que tal como o texano ganhou fraudando - se somariam, segundo a proposta da Comunidade Européia, ao G-8, composto por: EUA, Canadá, Alemanha, Itália, França, Reino Unido, Japão e Rússia. A meta seria buscar uma forma de prevenção da jogatina financeira. Um marco de concertação tipo Bretton Woods, acórdão rasgado pelo inspirador da atual administração rumo a perder a vaga e a eleição. E, 1971, o presidente derrotado por Kennedy e pela operação mal feita de seus auxiliares, Richard Nixon mandara Bretton Woods para o esgoto cloacal e o mundo se ajoelhara diante do dólar.

Até o final de novembro, o planeta verá uma cúpula pública na tentativa de acomodar o temor de recessão e possível depressão européia, aos tubarões e corsários de Wall Street que já condicionaram as posições do democrata Barack Obama e do republicano John Keating 5 MacCain. No momento em que o inimigo de classe dos líderes mundiais, o outro lado, o condicionamento social pela força dos sindicatos, inexiste ou está sub-representado, o capitalismo como ele é se vê diante do abismo permanente.

Percebam o paradoxo. Quando havia bi-polaridade ou três posições, na China rompida com a União Soviética, a força do movimento popular-sindical e dos partidos de esquerda do Ocidente forçaram a Concertação de Classe Dominante a regular a ganância dos animais econômicos inspirados pelo absurdo.

Entendam. O mercado auto regulado é um mito construído. A cada liberação de fluxo de bens simbólicos, capital financeiro e bens de consumo, aumenta a presença do co-governo das transnacionais e o Estado fica mais a serviço destes macro-operadores. A fixação de juros variáveis é outra demência. A irracionalidade não é uma frase de efeito criada pelo ex-presidente do Federal Reserve (Fed, Banco Central dos EUA) Alan Greenspan. A “exuberância irracional” é o pressuposto da coisa toda:

“...hipóteses realmente importantes e significativas possuem ‘pressupostos’ que são representações descritivas tremendamente imprecisas da realidade e, de modo geral, quanto mais significativa for a teoria, mais irrealistas serão os pressupostos(nesse sentido). Para ser importante [...] uma hipótese deve ser descritivamente falsa em seus pressupostos”. O autor desta pérola do pensamento neoliberal é ninguém menos que o economista pai da Escola de Chicago, o sr. Milton Friedman, padrinho intelectual dos Chicago Boys que devastaram as estruturas sociais-produtivas conquistadas a duras penas pelos trabalhadores latino-americanos. O que Friedman fala é balizador para a justificativa e inspiração ideológica dos economistas e operadores em defesa da barbárie tecno-financeira.

O delírio em forma de mentira sistemática é a posição da elite política dos EUA e dos corsários do sistema bancário e financeiro do mundo. Não regular o capital que flutua tem como conseqüência a medida de 1999, implementada por Bill Clinton referendando a posição de seus assessores econômicos. Quem liberou os juros para a autoregulação dos Bancos de Investimento foi a dupla Clinton-Greenspan. A farra dos malandros das hipotecas podres durou 8 anos. O companheiro João Pedro Casarotto, contador e fiscal de tributos aposentado e dirigente reeleito do Sindicato de Fiscais de Tributos do Rio Grande do Sul (sintaf-rs) apresentou numa aula em curso que dou na Unisinos, sua pesquisa do trambique do sub-prime. A mola mestra da bolha foi a “alavancagem” dos títulos derivativos. O tamanho da coisa é absurdo.

Comparemos. Nas regras do Banco Central do Brasil, comandado pelo presidente do BankBoston Henrique Meirelles, o máximo de alavancagem que um banco comercial pode ter é de 4.7 vezes o seu patrimônio líquido. Nas regras dos EUA, os mesmos bancos comerciais podem ter na praça e em títulos e créditos, até 11.8 vezes o seu próprio patrimônio líquido. Na liberação dos juros e dos critérios “auto regulados pelo mercado financeiro”, liberação esta feita em 1999, as financiadoras de hipotecas que faliram, as gigantes Fannie Mãe e Freddie Mac tinham 64.3 vezes o seu patrimônio líquido em carteiras de títulos podres!

Em toda profissão e ofício é impossível admitir mais que 10% de erro médio. Imaginemos um condutor de trem que faz 40 viagens metropolitanas por mês. Se ele errar 10%, teremos no mínimo 4 acidentes ferroviários mensais. Vamos supor que o erro ocorra na aviação comercial. Que 10% dos vôos originários de um aeroporto com grande fluxo resultassem em acidente. Simplesmente todas as companhias aéreas daquele país iriam à falência. Retomo o argumento central:

- Como podem os maiores operadores financeiros do mundo, incluindo bancos de investimento, financiadoras de hipotecas, gigantes do mundo dos seguros, uma boa parte dos bancos comerciais e as maiores corretoras de valores do planeta “errarem” mais que 10% de seus investimentos ao longo de oito anos consecutivos? Simplesmente não pode ser levado em conta o argumento. Esta bolha foi fabricada pela ação de especuladores e na certeza de que o Estado teria de intervir porque não existe capitalismo sem liquidez do sistema bancário.

Casarotto nos apresenta a denominação dos títulos da “sub-prime”: bônus hipotecário lixo; títulos hipotecários sub-prime; resíduos tóxicos (toxic waste); empréstimos Ninja – sem renda, emprego ou posses (No Income, No Job or Asset). O “estouro” da bolha foi simplesmente devido ao aumento da taxa básica de juros – não a de “livre fluxo” – mas a determinada pelo Fed. Ou seja, não tem livre flutuação nenhuma, tudo não passava de uma aposta. O Banco Central yankee aumentou de 1% para 5,25% - pouco comparada com a taxa real de 13,66% ao ano fixada pelo governo do Copom no Brasil dos banqueiros – e com isso surge a inadimplência do Prime (dos hipotecados que podiam pagar). A inflação da potência militar comandada por Dick Cheney, porta-voz de empresas como a Halliburton e a Blackwater tem como origem o gasto público descomunal para financiar o esforço de guerra e honrar os contratos do Estado com as corporações privadas. Quando a inadimplência começa a atingir os devedores do sub-prime – tomadores estes que estavam desde o começo na base de uma pirâmide insana – os elos da corrente financeira começam a quebrar.

O volume do dano pode ser apurado pelo capital injetado através dos Estados – fruto da riqueza gerada pelos contribuintes – para sanear e dar liquidez (pôr dinheiro que possam honrar as transações feitas ou pré-acordadas) no caixa da jogatina. O sinal de alerta foi dado não pela ESTATIZAÇÃO da Fannie Mãe ou da Freddie Mac, mas sim quando as seguradoras declararam que não poderiam cobrir os danos. A maior seguradora dos EUA, a AIG, foi simplesmente ESTATIZADA à moda do “keynesianismo financeiro”. A lista de “auxílio” é igualmente absurda e nela está toda a Banca implicada na jogatina.

Só dos EUA, além das fraudadoras de hipoteca já citadas, estavam por quebrar Goldman Sachs; Lehman Brothers; Wells Fargo; Citigroup; Bank of America/Merrill Lynch/Bank Boston; Morgan Stanley; Bank of New York Mellon e o State Street. A American International Group (AIG) é a ponta do problema do ramo das seguradoras. Para termos idéia do tamanho da estafa e do absurdo da premissa universal de “racionalidade dos indivíduos que visam maximizar ganhos e minimizar perdas” vejamos os valores postos para cobrir os rombos. É por isso que o Congresso liberou US$ 700 bilhões de dólares, somados aos US$ 150 bilhões já gastos antes

A Comunidade Européia já torrou mais de 1,08 trilhão de euros, o que equivale a US$ 1,47 trilhão: Alemanha (500 bilhões de euros); França (360 bilhões); Espanha (100 bilhões de euros); Áustria (100 bilhões de euros) e Portugal (20 bilhões). A Inglaterra seguiu o procedimento da Irlanda e entrou com 50 bilhões de libras, destinados a cobrir o buraco do Royal Bank of Scotland (RBS), Halifaz Bank of Soctland (HBOS) e Lloyds TSB. O esquema de “liquidez imediata e ligeira” promovido pelo Banco da Inglaterra inclui outros 200 bilhões de libras. A herança maldita do pensamento de Thatcher deixou as hienas da City londrina mais famintas do que nunca. Agora que a falsa terceira posição que pague a conta. Até a Suíça entrou com dinheiro, auxiliando os dois maiores bancos de lá, o UBS e o Credit Suisse. No UBS injetarão US$ 5,23 bilhões de dólares.

Na Ásia, atingida pela quebra de Soros e do Baring’s em 1998-1999 e 2000, o crime com o dinheiro do alheio também foi grande. O absurdo continua na Coréia do Sul (com US$ 30 bilhões nos bancos locais), na ajuda do governo russo e na quebradeira de mais de 15 mil fábricas de têxteis e brinquedos na China. Este fechamento se deu no Delta do Rio Pérola, território econômico onde concentra um terço das exportações do país de Deng Xiao Ping. O Estado confucionista, visto como a redenção do capitalismo selvagem, responde por 5% do PIB mundial e definitivamente não tem como escorar o crédito produtivo do mundo nas suas costas. Talvez não escore nem a sua própria produção visando à exportação depredatória baseada no trabalho escravo e na desorganização da classe trabalhadora. Do total das fábricas de brinquedos, durante o ano das Olimpíadas de Beijing (este mesmo ano da graça de 2008), fecharam 3.631, 52% do total. Considerando que na China não tem seguro desemprego nem previdência social, a tendência é aumentar a pobreza nos subúrbios e fortalecer o nexo-político-criminal das máfias locais.

A tentativa dos líderes europeus de contra balançar um pouco do peso da insanidade e de frear a roubalheira faz sentido. Dentro de sua “comunidade” eles já têm problemas demais, a exemplo dos gerados por operadores macro-criminais como Silvio Berlusconi - o Crocodilo da Itália, o homem que concorreu para 1º ministro para não ser julgado por crimes fiscais – e o professor de ciência política neoinstitucional, o islandês Hannes Gissurarson, um dos autores da proeza de quebrar um país ao ponto de levá-lo à insolvência. O intento dos líderes europeus é uma tentativa de se precaver perante a retomada da organização social não aderente à sociedade de consumo de bens culturais em abundância. Querem manter a idéia hegemônica de pós-modernidade e a preocupação pós-material. Faz 30 anos o sul do Velho Continente se deparou com desafios reais e processos de câmbio que batiam à sua porta. As elites políticas e os CEOs das transnacionais européias – herdeiras das Conquistas e da Invasão da América como a Telefónica de España e a Suez Company – não vão querer ver o tecido social coalhado de lutas populares regulares ao invés de protestos espontaneístas como se vê na luta anti-globalização.

Nenhum líder político capitalista conseqüente com a estabilidade societária vai querer passar por um sufoco desses novamente. O problema não é a ESQUERDA enfraquecida. A crise se encontra no modelo de acumulação predatória. Já estouraram a bolha das ponto.com em 2000. Após, a farra da bolha imobiliária yankee contaminou o sistema bancário e financeiro de quase todo o planeta. Agora querem trazer as economias emergentes para o baile. As mesmas que quase foram quebradas nos ataques especulativos da virada do século XX. Esta é a dança da morte. Quem for para o baile, cedo ou tarde, terá de arcar com os custos do botim organizado pelos corsários de Wall Street e outras famigeradas companhias.

enviar •
imprimir •






« voltar