Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

Arremataram a Província e liberaram o extermínio da Pampa


O que diriam homens como estes, maragatos de 93, diante da liquidação da Pampa e da soberania do Rio Grande do Sul? Será que acatariam estas decisões?



A Adaga, número 12, boletim eletrônico de Estratégia & Análise – duas notas sobre o Rio Grande de São Pedro

Rio Grande – 1

A Província foi vendia por R$ 2 bi

O Rio Grande do Sul preparou sua caixa de ressonância e o bumbo legüero rachou o couro e ficou mudo. O glorioso parlamento da Província de São Pedro, no dia 26 de março, marcou a mesma unanimidade do Pacto pelo Rio Grande. Antes, o acórdão já havia se manifestado no aumento de salário dos nobres deputados estaduais. Naquela tarde de fins de março, os parlamentares do pago, acompanhados pelo fiscal de tributos cedido para a FEE e agora titular da Secretaria da Fazenda, e pelo governador em exercício – o herdeiro do grupo Econômico, que por sinal foi vendido pelo próprio – votaram a favor do empréstimo com o Banco Mundial.

Para não ficar tão feio o acórdão entre o BIRD e o Tesouro Nacional, Raul Pont (DS-PT, dep. estadual) tentou tirar da reta e desonerar a si, sua corrente e partido remendando o empréstimo com duas emendas que pouco ou nada remediam o dano já feito. A lógica é simples. Se a União renegocia as dívidas estaduais, atenuando o arrocho nos juros, a Banca operando no país diminui sua margem. O governo do Copom precisa manter a “segurança” da base financeira. Como o Rio Grande está atolado na própria dívida, e Yeda Crusius e sua trupe gerencial não querem sentir nem o cheiro de moratória, restava procurar o agiota gringo que cobra menos juros do que o usurário de posse da chave do cofre do Brasil. O Grupo Banco Mundial quer “apenas” o controle gerencial das finanças e dos processos decisórios. A pechincha vai sair por R$ 2 bilhões de reais. De graça para um território que foi demarcado à pata de cavalo e ponta de lança!

Rio Grande – 2

O Conselho do Meio Ambiente operando como cavalo de tróia para os “técnicos” canadenses importados por Yeda e seu clube de gerentes. Ou, a forma jurídica de atentar contra a soberania de uma terra outrora altaneira.

O Conselho Estadual de Meio Ambiente (Consema) foi o foco de disputa e a arena decisória para o plantio de eucalipto. A agenda pautou o zoneamento de áreas para silvicultura, e uma vez que as manobras no Consema funcionaram, uma nova leva de gringos está por chegar para escrever relatórios palatáveis de acordo com as exigências legais. Estes “técnicos” virão aprimorar a capacidade produtiva incluindo os discursos e justificativas. Como a professora de economia da UFRGS não dá ponto sem nó, a Universidade de Toronto manda pessoal qualificado para ajustar o avanço de uma cultura que em sete anos irá alcançar nada menos do que 900 mil hectares de área agricultável. Considerando os mais de 4 milhões de hectares dedicados ao plantio de soja (90% ou mais de transgênicos), o Rio Grande terá cerca de 1 em cada 5 hectares agricultáveis entregues para a plataforma de exportações. A ocupação do território e recursos hídricos implica também o controle dos fluxos internos. Ao invés de servir como infra-estrutura de base para o desenvolvimento sob controle desta sociedade, as hidrovias serão recuperadas e ampliadas para servir ao eucalipto. A maioria destes terminais de carga hidroviária, já nascerão privados, incluindo os de Guaíba e São José do Norte, respectivamente na entrada do Lago Guaíba para a Laguna dos Patos e na Barra da Laguna, defronte ao Porto do Mercosul.

Só para 2008, as papeleiras pretendem aplicar seus recursos em 70 mil hectares. Se isso não é abrir mão de soberania e dos recursos naturais não-renováveis, então desconheço o que seja! A vontade de abrir mão da autodeterminação é tão forte porque opera sobre os novos gerentes da Província a Maldição do Malinche. Senão, o que justifica a troca de terra e seus nutrientes pela casca do eucalipto e sua resina esterilizante? Perde-se a água e nos resta o cloro do branqueamento. O fato político que dá nascimento para o moderno movimento ecológico do Rio Grande é justamente a luta de gente como Lutzemberger contra o cloro no Guaíba, despejado pela ex-Riocell, agora Aracruz. A maldição asteca se repete no Cone Sul, sendo vendido o território por US$ 4,5 bi. Menos de R$ 10 bi de reais, cerca de 1/3 da dívida interna gaúcha, é a ordem dos investimentos promovidos pelos capitais transnacionais e cruzados das papeleiras. Detalhe: cerca de 1 a cada 5 reais deste montante sai do cofre do BNDES, direto do bolso da Plebe através de imposto embutido, direto para os viveiros da esponja orgânica destinada a plantar árvores exóticas e concluir a obra da Conquista.

Além de liberar o plantio, a reunião pautou a desconfiança como valor agregado. Assim, um dos poucos lugares no Brasil onde havia segurança com o serviço público e alguma certa empatia com as instituições, tirou todo este patrimônio simbólico no lixo. A Procuradoria Geral do Estado entrou na cancha para ganhar pelo Piratini. O governo tinha maioria no Conselho, constrangeu os técnicos da Fepam e da Fundação Zôobotânica e para completar a terra arrasada, ainda convocou a Polícia Montada em GPSs e envergando fardas de terno e gravata de seda para acabar com o trabalho dos servidores públicos do Rio Grande.

Não se trata de denúncia, mas uma reflexão. O Bioma Pampa é constitutivo da alma e da auto-imagem do Rio Grande e da Pátria Grande. É a continuidade, em outra etapa histórica, chacinando a biodiversidade de um país que tem o nome de uma árvore extinta em seu ambiente natural. Nada disso é coincidência nem surpreende. A “surpresa” é não ter um conselheiro bombachudo sequer do MTG para convocar a gauchada e defender a própria identidade. Será que tamanha pasmaceira e passividade também é coincidência?!

enviar •
imprimir •






« voltar