Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

Controle e Democracia na Comunicação - 2


O país vive hoje um momento crucial para nossa indústria de comunicação, ainda mais importante do que no momento vivido com o lançamento do logo acima.

Vila Setembrina dos Farrapos de Viamão, Rio Grande do Sul, 2 de maio de 2006

A democracia no Brasil se encontra em plena encruzilhada. De um lado, apenas mais do mesmo, ancorado o controle de nosso espaço público no oligopólio financiado pelo Estado de Direito. No outro, um longo e largo caminho de soberania popular e democrática a ser construída. Sim, estamos falando na tal da digitalização, no padrão a ser implantado no país e na aventura de tentarmos ser livres e auto-suficientes como povo e nação.

enviar •
imprimir •

Para chegar a compreender o que está em jogo, cabe um breve recuo histórico. Corria o ano de 1893 e na cidade de São Paulo, um padre gaúcho ganhava fama de bruxo. O Brasil mal engatinhava em sua república de fazendeiros, partidos estaduais e oligarcas. Sua majestade, o café, controlava os rumos de nossa economia. E, eis que mais um brasileiro dá passos precisos para despertar o gigante. Roberto Landell de Moura, padre de gauderiadas nascido na Porto Alegre de 1861, antecipa-se ao italiano Guglielmo Marconi na descoberta e experiência da radiodifusão.

História muito parecida com a de outro brasileiro, homem genial que encantara o mundo com seus inventos. No dia 13 de setembro de 1906, Alberto Santos Dumont realizara seu primeiro vôo bem sucedido do 14 Bis. A população de Paris, maravilhada, assistiu o feito. O Estado brasileiro, doa uma casa para o inventor, mas não criou nenhuma indústria aeronáutica nos seguintes 50 anos.

O mesmo se sucedeu em 1893, quando Landell de Moura transmitiu sinais e sons musicais por 8 quilômetros. Transmitiu da Avenida Paulista e o sinal alcançou o Alto de Santana. Os estudos comprovam, ele inventou o tríodo, ou seja, a válvula de três pólos. Com o invento, tornava-se possível modular uma corrente elétrica e transmiti-la, sem fios, a longas distâncias. Como prêmio, nem uma casa o Padre Roberto recebeu, somente a incompreensão de seus conterrâneos, a fama de bruxo e de amigo do demônio.

Os interesses nacionais, bem, estes foram mal, como sempre. A primeira transmissão radiofônica oficial foi em 1922 e a pioneira emissora somente em 1923. Entre o invento de Roberto Landell de Moura e a inovação de Edgar Roquette Pinto e sua Rádio Sociedade o país levou 30 anos. Antes porém, a invenção do gaúcho Roberto assim como a do mineiro Alberto, já havia sido usada por outros países. Potências da época, dentre elas a Inglaterra, por sinal credora do Brasil. Mas, o atraso do Estado em identificar objetivos estratégicos antes do benefício para as oligarquias é algo sistêmico. Com a digitalização, a tragédia ocorrida com Santos Dumont e Landell de Moura se repetem.

No Brasil da primeira década do século XXI, o pioneirismo e a capacidade de criação do 4º setor nacional continua firme e com pouco ou nenhum suporte. O caminho brasileiro rumo à irreversível digitalização vem sendo marcado de lutas de gabinete, pressões de lobbies patronais de um lado e entidades nacionais representativas dos vários setores do movimento pela democracia na comunicação de outro. O braço científico desta luta, de inovação e auto-suficiência tecnológica, custou quase nada aos cofres públicos.

Ao longo de 10 meses do ano de 2005, 22 consórcios nacionais, envolvendo universidades, institutos, fundações e órgãos públicos de pesquisa tecnológica, desenvolveram as bases do Sistema Brasileiro de Televisão Digital (SBTVD). Nele trabalharam 1.000 pesquisadores e contaram com o investimento de R$ 50 milhões de reais. Ou seja, aos custos de R$ 5 milhões por mês, R$ 50.000 reais por pesquisador e pouco menos de 2 milhões e meio por consórcio o Brasil atinge a capacidade de gerar seu próprio Sistema de TV digital.

Isto significaria um trunfo nacional, a ser comemorado como vitória na campanha assim como a auto-suficiência em petróleo. Mas, a diferença com o ouro negro, é que desta vez estes consórcios feriram os interesses dos produtores de imagens, bens simbólicos e identidades no Brasil. Por isso, o ministro das comunicações e representante destes interesses no Estado nacional parte para assinar o pré-acordo com os japoneses. Tecnologia nacional, desenvolvimento técnico-científico em área sensível, domínio da cadeia dos semicondutores e até a capacidade de geração de ativos e produtos de exportação estão em segundo lugar.

O estratégico para Hélio Costa e seus pares, é garantir o oligopólio das comunicações financiado, através do botim impositivo, com os recursos que sobram da jogatina dos juros. Resta saber: “estratégico para quem cara pálida?!”

Se entrarmos no tema do sistema de rádio digital então, aí sim está feia a coisa. Além de não contar com nenhuma pesquisa financiada, o ambiente é de abertura de fronteiras. O ministério das Comunicações liberou em setembro último uma licença provisória para algumas emissoras de rádio AM operarem de forma “experimental” um sistema americano que comporta o digital e o analógico. O problema não é esse, mas de custos, de ausência de regulamentação e falta de espaço nos dials do país. Não por coincidência, a licença já acabou e as cadeias de rádio, filiais do oligopólio, ampliaram os testes também para FM. Aplicam o sistema dos EUA, conhecido como Iboc. Apenas para termos uma idéia de custos e exclusão, neste padrão, os investimentos com estúdio e transmissão são da ordem de US$ 75 mil dólares. Para piorar, ainda teremos de pagar royalties para os estadunidenses.

O problema está além do não-aproveitamento do SBTVD desenvolvido pelos consórcios técnico-científicos e também adaptável para o rádio digital. Como a nova tecnologia não está regulamentada, ao lado do oligopólio está outro tubarão das comunicações, as operadoras de telefonia. Particularmente tive a chance de estudar o processo do leilão do Sistema Telebrás quando escrevi o livro “O grampo do BNDES”. Estudando de perto, observei qual é o modus operandi das empresas do setor. Para os mais bem informados, basta acompanhar as operações de Daniel Dantas, Carla Cicco e a Kroll para se inteirarem do problema que o país está metido. Sem a regulamentação prévia, estas transnacionais entrarão na mídia brasileira digital, vão gerar conteúdo, abocanhar fatias enormes de mercado e talvez até nos façam sentir um pouco de falta do Jornal Nacional.

Pouco a pouco, de forma lateral e sempre com matérias positivas e entusiasmadas, vamos nos acostumando a entender a TV digital e comemorar a alta definição. O problema não está aí, mas sim na exclusão de outras potencialidades. Dentre os padrões mundiais de digitalização, com certeza teríamos mais uma forma de competir gerando o nosso próprio. Recursos para isso existem, e podem ser verificados nas propagandas oficiais do governo da União ao longo da grade de programação das grandes redes. Apenas para dar um exemplo de sua genialidade, o padrão brasileiro prevê dois conversores diferentes. Um de baixo custo e outro de alta definição. Com este pequeno aparelho, que hoje com os investimentos necessários custaria em torno de R$ 200 reais, cada televisor se converteria em um computador. O padrão nacional também prevê um maior espectro, o que significa multicanalização. Ou seja, mais canais e possibilidades múltiplas de interação, transmissão, geração de identidades, regionalidades resgatadas, história re-escritas.

A pressão do setor de mídia, especificamente daqueles que lutam pela democracia na comunicação, resultou na Frente Nacional por um Sistema Democrático de Rádio e TV Digital. Somando-se neste embate, mais de 2.500 rádios comunitárias já outorgadas e outras 2.000 ainda em luta pela licença de funcionamento. De outro, bem, aí estão os mais de 130 parlamentares na Frente da Radiodifusão, o poderoso lobby das duas associações patronais (Abert e Abra), o próprio ministro Hélio Costa. Correndo por fora, os grandes corsários da telefonia transnacional.

Não está em jogo o fato de vermos os gols da seleção com ou sem fantasma na tela. Está em jogo sabermos, se o país, mais uma vez manterá seus oligopólios deitados em berço esplêndido. Ou então, teremos finalmente o espaço público necessário para criarmos uma das novas bases da participação popular direta, a comunicação democrática.

Artigo originalmente publicado no blog de Ricardo Noblat






« voltar