Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

No DF, a corrupção inova e mobiliza

cmi

Dito e feito. A preservação da imagem da PMDF durou 24 hs. Na seqüência da desocupação da Câmara Distrital, saem de cena os capangas de Arruda e entra no picadeiro da política como circo de horrores o próprio aparelho repressivo do Estado Candango. Cenas como essa acima se repetirão até o governo ser derrubado ou o povo cansar pelas datas de final de ano. A corrida é contra o tempo e apesar da máquina distrital. José Aparecido sorri das lonjuras, embevecido com a obra que ajudara a construir.

10 de dezembro de 2009, da Vila Setembrina dos farrapos caídos na barra da Laguna, Bruno Lima Rocha

Pode-se acusar o esquema do DEM de tudo, menos de não ser inovador. Como se sabe, no Brasil, maioria legislativa sempre custou caro, e muito. Antes, com emendas mais que suspeitas e destinação de verbas orçamentárias para redutos e currais. Se a votação fosse importante, a moeda de troca aumentava o valor, incluindo possíveis concessões de rádio e TV, e a sempre suspeita compra de votos. Após a técnica do Mensalão, passaram a cobrar em dia, regiamente. A composição de governo estaria garantida com o fornecimento de verba direta para o bolso dos parlamentares. Já na Era Arruda se inova, pagando também pelo secretariado. Assim, além de manipular uma parte do orçamento do nível de governo (o caso, o distrital), os partidos que compõem o governo, cobram, através dos secretários, também pelo apoio político na partilha do poder.

enviar •
imprimir •

Outras novidades apareceram. A partir da tarde de 3ª (08/12) o governo de José Roberto Arruda e Paulo Octávio Alves Pereira, também inovara no quesito mobilização social. O episódio da Câmara Legislativa Distrital, apesar de moralmente indefensável, foi uma manobra tática de envergadura.

O governo se esvaía com pedidos de impeachment já protocolados, via-se diante de uma pequena minoria ativa protestando no parlamento onde o Executivo manda. Este grupo de manifestantes, ocupando o recinto há quase uma semana, forçara a Justiça Distrital a se pronunciar, exigindo sua retirada. Já o aparelho policial do DF, creio eu que no intuito de preservar a sua imagem institucional e buscando algum efeito teflon para com o ex-senador, evitou cumprir a ordem judicial no prazo determinado.

Abriu-se uma oportunidade de Arruda demonstrar que também tinha bases sociais. Óbvio, é difícil uma relação de clientela mobilizar-se por consciência ou algo por estilo. Puseram ônibus e possivelmente algum grau de coerção gratificada nos locais de origem. Afinal trata-se de um chefe político, legítimo representante de uma cultura e modo de se relacionar com a coisa pública. Demonstrou a sabedoria e o ardil que não tivera ao dar a cara e pegar dinheiro vivo com as mãos na presença de testemunhas. A Polícia Militar entra em cena e garante a sensação de ordem na “mui nobre” casa parlamentar, isolando e retirando ambos os grupos.

Isto me faz recordar de outra situação, a do amigo de Paulo Octávio, o ex-presidente Fernando Collor de Mello, que em 1992, diante das câmaras, convocou seu eleitorado para defendê-lo. Mas, esqueceu de dar o lanche, pagar condução e um cachê para os “manifestantes”. Arruda foi sábio e não convoca através da mídia, mas das relações pessoais. A mobilização de governistas de hoje pode se repetir, gerando impasse político e risco de confronto entre favoráveis e contrários ao governo que já foi abandonado pelo PSDB, PMDB, PPS, PSB, PDT e PV. Para salvar o Executivo acusado de corrupção, a manobra é útil. Como se sabe, diminuindo a pressão das ruas, corrupto ou não, é difícil derrubar um governo.


Este artigo foi originalmente publicado no blog de Ricardo Noblat






« voltar