Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

Será o fim do governo Yeda?


Delson Martini era a bola da vez, aquele que teria de cair, isso antes da jogada de Paulo Afonso Feijó, último baluarte da moralidade político-empresarial no pago do eucalipto. Ainda assim, Martini balança na gangorra de seu governo.



(obs: esta Nota foi escrita na noite de 5ª, 5 de junho, antes de Paulo Afonso Feijó – DEM, vice-governador e representante da base empresarial local - difundir sua conversa com Cézar Busatto – PPS, Chefe da Casa Civil do governo de Yeda Crusius, PSDB – e que fora realizada em 26 de maio. A conversa foi gravada pelo próprio Feijó e demonstra um projeto de poder próprio insuflado por uma série de vivandeiras que sabem que o notório cidadão não é nada louco embora por vezes o caracterizem como tal.)

Recentemente um amigo me perguntou se é possível afirmar que o escândalo do Detran-RS e o envolvimento de Delson Martini significa o fim do governo de Yeda Crusius? Delson não é um ser místico e nem tampouco enigmático. Ele representa o centro nervoso da gestão à frente do Piratini. Em uma das conversas gravadas pela PF sob autorização judicial e que todo o Rio Grande escutou, o secretário-geral de governo cita que irá consultá-la a respeito do entrevero do Detran-RS e o papel das fundações. Ou seja, ela sabia do imbróglio, atuando no limite da lei. Trilha para abrir o caminho do impeachment há. Resta saber de o mesmo será encarado como uma alternativa válida?

Repito, a pergunta é mais que pertinente e estou me questionando isso a todo o momento. Existem condições para iniciar um processo de impeachment. Mas, ao mesmo tempo, não vejo o ambiente político devidamente aguerrido. Na “esquerda social” o desencanto é tamanho com Brasília, que não dá para pôr em pé de guerra a metade do estado. Não dá para fazer política sem comparação, e os maus exemplos advindos à tona na crise política de 2005 demonstram essa pasmaceira ampla, geral e irrestrita.

Para reforçar a posição de Yeda, a governadora é assumidamente neoliberal, pessoa capacitada nas artimanhas de fazer política entreguista em nome de uma suposta modernização. Ela é uma operadora de confiança dos investidores. Na 5ª de tarde, enquanto a professora de economia da UFRGS corria da mídia do pago – coleguinhas esses por sinal pra lá de dóceis - a Brasken fechou investimento gigante no RS. Fico na dúvida. Tenho a certeza de que se ela cair, Feijó pode assumir, mas não governa. Se o governo central não fosse o de Lula e sua política econômica de Henrique Tucano Boston Meirelles, afirmo que ela cairia. Como em Brasília a situação é dura na aparência e coincidem os interesses nos bastidores, Dilma se torna o fiel da balança. Explico. Se o BNDES e o governo federal garantir os investimentos dos conglomerados que para o pago vieram com a promessa de "agilização" de licenças ambientais e fundo garantidor para evitar surpresas, se e caso isto vier a ocorrer, aí Yeda Crusius corre perigo real e imediato.

A professora de economia evita a mídia e aposta no pára raios de Paulo Fona, esperando a poeira baixar. O risco mora ao lado. Todo o tempo que a CPI prorrogada tiver irá reverberar a causa federal cuja titular é de Santa Maria. Simone Barbisan Fortes, da 3ª vara federal da Boca do Monte é nova, mora longe da capital e com ganas de fazer valer a vez de uma juíza atuando no interior. Como ganhou a exclusividade no caso, terá a chance passar para a história se meter alguém em cana. E, se este alguém que for para tranca dura bater com a língua nos dentes, eis a oportunidade que os procuradores e a PF queriam. A forma como o MP fez a denúncia e o judiciário federal a aceitou foi inteligente. Como na causa federal não constam pessoas com foro privilegiado, o processo deve andar um pouco mais rápido.

Se houver outra defecção entre os acusados, eis a “janela de oportunidade” que a oposição local tanto quer. O julgamento político está sendo feito numa tina de azeite fervendo. Os deputados da base do governo começam a roer a corda, mas há um limite neste abandono. O problema dos correligionários de Olívio e Rossetto está na aliança tática e cambaleante com os PDTistas do pago e a controvertida figura do filho de João Luiz Vargas (Eduardo Wegner Vargas) na nominata da fraude. Será que vão cortar na carne dos amigos de Collares? Não creio.

A lógica do gerencialismo perdeu para o esquemão das legendas tradicionais, PP e PMDB, além dos neo-arrivistas, como Lair Ferst. Curiosidade mórbida, Ferst, do grupo de Marchezan pai trocou o antigo PDS pelo racha paulista do PMDB (tucanos) justo porque parte dos gaúchos não queriam levantar uma bandeira de legenda marcada pelo malufismo. A versão de bombacha é mais sofisticada, mas rouba tanto como. Voltando ao case de Yeda com o Detran-RS, vale uma máxima:

Governo nenhum cai de podre. Governo se derruba!

Como apenas a CPI estadual não vai conseguir tirar ninguém, quem irá derrubar este governo?.

Esta Nota foi originalmente publicada no portal do jornalista santamariense Claudemir Pereira.

enviar •
imprimir •






« voltar