Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

Voto secreto e aberração democrática

Flick

O voto secreto é um direito do cidadão, já o voto aberto, um dever do parlamentar.

08 de junho, Bruno Lima Rocha

Dizem que a história se repete como farsa ou tragicomédia. No Brasil, não seria diferente. No momento em que teríamos a possibilidade da CPI da Privataria Tucana, estando já adiantada a coleta de assinaturas, as investigações da Polícia Federal colocam no colo da opinião pública evidências que atingem a três governadores de estado (no mínimo, sem contar os pouco ou nada citados) e mais o senador herdeiro do espírito udenista contemporâneo.

E, como até as placas de grama da Esplanada sabem, quando uma CPI tem um alvo ampliado, ou a rede em torno do objeto de investigação abala alicerces de poder da república, a tendência é a “pizza”.

enviar •
imprimir •

O forno desta aberração política costuma ficar no colégio de líderes, através de acórdão entre as legendas. Quando este não opera, entra em campo a ferramenta do voto secreto.

Novamente se apresenta um conflito de posições. Lembramos de criticar o voto secreto quando a seqüência clássica de investigação policial somada à opinião publicada (fatos midiáticos) gera um mal estar político obrigando os pares a se investigarem.

Aí se recorda deste ignóbil instrumento que acoberta as posições corporativas, clientelísticas, patrimoniais e fisiológicas justamente daqueles que tem como função a de ser tribuno dos eleitores.

A cada momento em que temos no país uma comoção, recheando o noticiário de revelações espúrias, observamos o problema clássico da sobre-representação e a auto-representação. Já existe uma desconfiança estrutural no eleitorado brasileiro, pressupondo que a carreira do político profissional primeiro age em causa própria e em segundo plano o estatuto de ser representante de quem o elegeu.

Neste sentido, o voto secreto age contra a democracia, aumentando o fosso entre o ser (a política como ela é) e o dever ser (as carreiras políticas como estas deveriam ser).

Não há valor democrático em ocultar a opinião daqueles que eleitos foram justamente para opinar a respeito dos temas fundamentais ou setoriais do país. O estatuto do voto nominal, aberto e em alto e bom som, não deveria ser recurso nem bandeira de reformadores, mas apenas a norma formal para todo e qualquer processo decisório e mesmo seletivo, como no caso das bancas de concursos para docentes superiores.

Já participei desta experiência e, apesar da dureza, é transparente e reforça o padrão da instituição. Pois no Congresso Nacional ocorre exatamente o oposto. Sem o voto aberto e com transmissão direta, fica muito difícil cassar os mandatos e punir entre os pares.

Este artigo foi originalmente publicado no blog do jornalista Ricardo Noblat.






« voltar