Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

Significados de um 1º de maio


Até voltar a agregar multidões, o 1o de maio percorrerá um largo trecho

Porto Alegre amanheceu dividido no Dia do Trabalhador. Refletindo as disputas e reacomodação de forças dentro do movimento sindical gaúcho e brasileiro, a Central única dos Trabalhadores (CUT), a Força Sindical (FS) e uma aliança entre Coordenação Nacional de Lutas (Conlutas) e Intersindical, realizaram respectivamente, diferentes atos.

enviar •
imprimir •

Com maior envergadura, embora muito despolitizado, foi o ato-show da Força Sindical. Mais de 20 mil pessoas se aglomeraram no Anfiteatro Pôr do Sol, embalados por conjuntos musicais e a pregação carismática do Padre Marcelo Rossi. Essa curiosa mescla teve como pano de fundo os discursos de Cláudio Janta (presidente estadual da FS) e a presença de políticos gaúchos, dentre eles o prefeito da capital José Fogaça. Ligada ao PTB e PDT, a Força hoje tem como representante no governo o ministro do Trabalho Carlos Lupi (PDT-RJ).

A CUT, cujo ex-presidente Luís Marinho é o atual ministro da Previdência, juntou algumas centenas de pessoas no Parque Farroupilha. Em seu ato, além de falas e músicas, trouxeram de volta a descendente da antiga CGT do Joaquinzão. Hoje representada na Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB), é a linha de transmissão da ala mais governista do PMDB, controlada pelo que restou do antigo MR-8 quercista.

Rivalizando com a CUT, a oposição sindical à esquerda juntou um pouco mais de gente no Largo Zumbi dos Palmares. Convocado por Intersindical e Conlutas, sua meta era marcar um tom diferente dos atos-shows que hoje caracterizam o 1º de Maio das duas centrais ligadas ao governo. Embora aguerrido, cerca de quinhentas pessoas terminaram por escutar uma lista enorme de falas e discursos.

No interior de Cruz Alta, contrastando com os atos na capital, as pastorais sociais convocaram a 11ª Romaria do Trabalhador. Mesmo diluídos, uma parcela significativa de trabalhadores organizados na Via Campesina se somaram à celebração. Assim, evita-se o alinhamento da maior parcela de militantes gaúchos, organizados no campo, dentro da disputa da CUT e suas oposições de esquerda.

O fato é que o 1º de Maio como data de luta popular vem sendo, há quase duas décadas, esvaziado de seu caráter simbólico. Por um lado, abundam apelos popularescos, como espetáculos musicais e rezas carismáticas. De outro, ainda falta criatividade para marcar um tom combativo, convocando pessoas que estão fora da esfera de influência da militância política e social. O vazio no ato da CUT, somado a pouca criatividade de Intersindical e Conlutas são sinais concretos de uma falta de reflexo político para os tempos atuais.

Nas lutas convocadas contra a Emenda 3, a mesma crise se repetiu. A contundência necessária não foi vista, sendo que a maior parte dos dirigentes sindicais sequer foi para as ruas. A verdade é que o grosso dos contingentes mobilizáveis para lutas sociais hoje não é composto por sindicalistas. Mudar uma cultura de acomodação é tarefa árdua e necessita de muita paciência e tenacidade.

Coluna para a Revista Voto, Porto Alegre, maio de 2007, Ano 3, No. 32, página 53






« voltar