Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

Verticalização e coerência política


Quando tudo é tática, casuísmo e interesse imediato, é deste jeito que o eleitor vê seus candidatos.



Viamão, 24 de janeiro de 2006

Por mais incrível que pareça, mesmo em pleno ano eleitoral, ainda não estão definidas as regras do jogo para o pleito de outubro. A regra, que a nosso ver nascera casuística no início de 2002, atravessou firme e forte os três anos de mandato de Luiz Inácio. No agitado verão de 2006, em meio à campanha oficiosa do presidente e a disputa na interna tucana, forças nada ocultas se movem para tentar derrubá-la.

enviar •
imprimir •

A norma obriga a repetição das alianças estaduais aos moldes da chapa majoritária para presidente e vice. Para melhor exemplificar, basta fazer um exercício. Imaginemos que o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, concorra para presidente pelo PSDB e tenha o senador pelo Rio Grande do Norte, José Agripino Maia, como seu vice pelo PFL. Tal fato obriga a que todas as chapas disputando os governos estaduais repitam a coligação. É possível, pela regra, que PSDB e PFL concorram separados nos estados, mas nunca coligados com outras legendas.

O mesmo vale para uma provável aliança PT e PSB. Nacionalmente, a aliança serve para o partido de Lula embora seja ainda mais importante para a legenda histórica de Arraes. A coligação com o PT para disputar o Planalto impediria a presença de outro neófito como Garotinho. Ou seja, serve para barrar vôos autônomos de Ciro Gomes. Já para o Partido dos Trabalhadores, fraco no nordeste e na região norte, seria interessante pegar carona com seus aliados. A aliança forçada não serve muito para o PSB, com chances reais em vários estados onde o PT tem forte rejeição.

Neste plano, vemos o papel central do PMDB no xadrez político nacional hoje. Esta legenda, onde co-habitam dezenas de consórcios político-econômicos distintos, tem interesse direto em derrubar a regra da verticalização. Todos sabemos que o PMDB nacional nunca se entende e não conta com uma característica chamada disciplina partidária. Mas, por tudo que é sinalizado, ao menos nesta matéria os peemedebistas aparentam unidade.

Outra sigla que está se movendo para ver a regra ser derrubada é o PFL. Não lhes interessa em nada se ver obrigados a ir junto com o PSDB em disputas para os governos estaduais. Embora o PFL não tenha chances de ganhar sozinho a presidência, nas eleições para os governos estaduais a história é diferente. Em muitos lugares são concorrentes de seus amigos tucanos, em boa parte dos casos por choques intra-oligárquicos. Por estes e outros motivos, para os correligionários de ACM e Bornhausen todos os esforços vem sendo empregados para derrubar a regra.

Do outro lado, dois fortes partidos nacionais são favoráveis à manutenção da verticalização. Um deles é o partido do presidente, o PT, por sinal cada vez mais afastado do ex-metalúrgico. Note-se que Lula defende uma posição e sua executiva deseja outra coisa. O presidente sonha e trabalha por uma chapa com o PMDB como vice. Mas, sabe que é impossível contarem tanto com os peemedebistas como com o PSB se a aliança verticalizada permanecer. Já o PT, no intuito de aumentar o capital político no quesito coerência, assim como aplacar as disputas internas, opta pela vigência da medida.

Outro agente do campo político-partidário que é a favor da medida é o PSDB. Uma possibilidade para esta defesa é não ter de levar a pecha de casuístas. Os tucanos já têm de pagar a conta da emenda da reeleição, aprovada por eles para manter a FHC no Planalto e agora atacada por seus próprios autores. É certo que esta conta é leve, até porque o tempo de mandato presidencial não é um debate tão presente. Mas, a definição de alianças eleitorais é e sempre pauta e objeto de discussão tanto de quem faz como de quem acompanha política no Brasil.

Vale lembrar que em 2002, por sinal também ano eleitoral, a regra surgiu através do peso do então ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e na época aliado dos tucanos, Nélson Jobim. Hoje, ela tanto pode ser mantida ou cair em debates e votações em distintas instâncias da república. Tanto o Congresso como o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) tentarão defini-la. E, mesmo que a definição da regra ocorra antes do carnaval, ainda é possível que algum agente político insatisfeito recorra ao sempre presente Supremo. Assim como o casuísmo, a disputa entre poderes é algo comum na política brasileira. Nos acostumamos a vê-la ao longo de 2005 e o que vemos hoje é apenas a continuação do problema.

Para irmos além do ocasional, é preciso compreender se há ou não significado nas políticas de alianças nas eleições. Em tese, e apenas em tese, a verticalização é coerente. Como podem dois aliados no plano federal serem inimigos entre si e aliados de seus próprios inimigos nos estados? Embora a regra tenha surgido em situações de oportunismo pré-eleitoral, conceitualmente é dotada de lógica. Resta saber se a classe política brasileira pode absorver comportamentos lógicos e coerentemente articulados? Sinceramente, pensamos que não.

Muitos argumentos que atacam a verticalização das alianças confirmam o óbvio. Por ser o Brasil um país continental, verdadeira América Brasileira, é impossível contarmos com partidos tão orgânicos como os de outros países, como os partidos chilenos por exemplo. Reconhecendo o óbvio como “natural”, se naturaliza o casuísmo. Conforme expusemos em outros artigos, quando tudo é tática e não há estratégia, não há campo definido de aliados e de inimigos. Por esta premissa, todos os agentes políticos tenderiam a uma cooperação por interesses materiais imediatos. Dentre estes agentes, alguns atores individuais destacam-se como produtos políticos vendáveis e eis a política brasileira.

A descrição acima, embora real, de “natural” não tem nada. Aliás, se o fazer político fosse naturalizado na sociedade, já teríamos gerado no país um sistema político, econômico e social muito mais justo e democrático de se viver. Basta observar as experiências organizativas populares para nos darmos conta disso.

Voltando ao tema, embora a regra tenha sido baixada por uma canetada em 2002, a vemos como interessante. Sabemos todos que regra nenhuma por si só é fator de mudança estrutural. Mas, que regras e instituições apropriadas ajudam, isto é inegável. Sempre ajudam não importando o objetivo. Se a meta for aumentar o padrão político-programático nacional, então a verticalização deve ser mantida e por isso a defendemos.






« voltar