Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

A LIC sob suspeita de fraude e todo o mecanismo de evasão fiscal sob suspeita de falta de legitimidade.


Yeda Rorato é amiga de longa data de Mônica Leal; este afeto remonta da década de 1970, nutrindo admiração mútua pelo trabalho repressivo do coronel Américo Leal. O brinde desta amizade foi a cultura do Rio Grande. Érico Veríssimo e cia. não mereciam isso.

O Rio Grande dá a impressão para os demais estados do país de consumir mais produtos culturais. Os dados que utilizamos são do senso comum e bastante difundidos na Feira do Livro, nos confirmam esse perfil. Mas, as mazelas dos produtores de cultura são os mesmos do Brasil adentro. O Estado em seus três níveis de governo, se ausentando da responsabilidade de fomentar a produção de bens simbólicos e aumentar a capacidade cognitiva de nosso povo. O resultado todos nós sabemos qual é.

enviar •
imprimir •

Seguindo o padrão da pindaíba moral, a indústria cultural gaúcha encontrou um formato de se aproximar dos valores e padrões de comportamento da democracia de mercado. O Estado mínimo se torna máximo para dar suporte ao enriquecimento direto das empreiteiras, como o defendido no Duplica RS. Já para produzir linguagem em forma de película evasão fiscal ganha a forma de LIC.

A LIC (Lei de Incentivo à Cultura) foi criada em 1996 com a função de estimular o patrocínio as produções artísticas, porque o governo do Rio Grande se recusa a investir na cultura de sua população e opta pela evasão fiscal. Empresas podem descontar o ICMS devido ao estado em até 75% do valor investido no projeto cultural. Para ser beneficiado, o produtor cultural, pessoa física ou jurídica, deve enviar o projeto para a Secretaria Estadual da Cultura, que avalia a proposta. Se estiver tudo correto este projeto é repassado ao Conselho Estadual de Cultura que emite um parecer. Após o projeto ser aprovado pelo conselho, o produtor cultural capta recursos de empresas, comprovando todo o dinheiro que é arrecadado. Seria tudo dentro da lei, se o problema não fosse a lei em si, que tira dinheiro do contribuinte, onerando quem paga imposto embutido no salário e no consumo. Assim, para fazer cultura, se reforça a mentalidade da evasão fiscal.

Como já está ficando habitual no governo de Yeda Rorato, também aí a coisa está feia. Para começar o absurdo, a nomeação de Mônica Leal como secretária de Cultura é uma afronte a Mário Quintana, Lupicínio Rodrigues e Érico Veríssimo. A colega jornalista fez sua imagem associada à de seu pai, um homem duro da ditadura, o coronel Américo Leal. O agravante é o fato de Mônica Leal, apesar de ser do PP/RS, teria entrado pela cota pessoal da governadora, em função de uma longa e duradoura amizade que remonta aos anos 1970. A bomba das acusações de fraude na LIC, incluindo o envolvimento da hierarquia do Conselho Estadual de Cultura, estourara em julho deste ano de 2008. Mônica recebeu informações de fraudes e irregularidades com sua assinatura sua e também a de assessores diretos. Em setembro o Ministério Público cumpriu13 mandados de apreensão para a obtenção de provas de suspeita desta fraude. A produtora Mariângela Grando, presidente do Conselho Estadual de Cultura também foi acusada de haver pago algumas despesas pessoais como, perfume, salmão e até o pagamento do IPVA de seu carro na prestação de contas do longa- metragem Concerto Campestre (2003). Não concordando por ser acusadas de desvio do dinheiro público, ameaçou o coordenador da LIC, Fábio Rosenfeld, dizendo apresentar denúncias contra Mônica Leal, em telefonema gravado informalmente devido ao seu tom ameaçador.

Quanto mais se mexe o quadro só piora. A suposta armação passaria por alguns patrocinadores que teriam colaborado com autorizações falsas ou adulteradas para a captação de recursos. Este golpe afetou aos cofres públicos do Estado com valores em torno de R$ 4 milhões. A soma vem daquilo que não entra, com os abatimentos do ICMS. A projeção do rombo é do próprio Ministério Público. Outra parte do suposto esquema é a adulteração da documentação de projetos aprovados pelo Conselho, para obter patrocínio maior que o autorizado. Em audiência realizada pelas comissões de Serviços Públicos e de Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia, na última semana do mês de outubro de 2008, foram debatidas as denúncias de irregularidades. A secretária Mônica Leal, frisou em seu pronunciamento que "não há crise na Cultura, o que há é fraude na Lei de Incentivo à Cultura (LIC)”.

A acusação de fraude na Cultura se transformou em fato político. Para ser justo no conceito, e mais uma evidência de nexo político-criminal, agora vindo de gente que, em tese, seria sofisticada. Uma auditoria já foi aprovada na Assembléia Legislativa contando com o apoio de mais 19 parlamentares. Haja visto o comportamento desta casa durante a CPI do Detran-RS, qualquer cidadão bem informado deve esperar pouco ou nada de mais esse barulho. A conclusão lógica é um avanço ideológico da mentalidade de apropriação privada dos bens públicos somada com a noção de impunidade, como se a evasão fiscal fosse menos maléfica do que o roubo em espécime. Não é em nenhuma hipótese.

Se há algo de bom nesse imbróglio é poder pautar a farra da isenção através da LIC. A maioria dos envolvidos com a produção de bens simbólicos trabalha com a corda no pescoço e se vê obrigada a fortalecer a evasão do fisco. Talvez com a suspeita sobre o mecanismo, cheguemos a um consenso social de que o dinheiro posto na Cultura não é gasto e sim investimento em longo prazo.

Este artigo foi originalmente publicado no portal do jornalista de Santa Maria da Boca do Monte, Claudemir Pereira.






« voltar