Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

Entre partidos nanicos e pequenos partidos

estudiorafelipe

Exemplo de celebridade eleita por partido nanico, o estilista Clodovil Hernandes secundado pelo cardiologista acreano Enéas Carneiro. O segundo evitou fundar um partido de massas de extrema-direita, preferindo ater-se ao circo eleitoral, sendo puxador de votos para anônimos e desconhecidos.

29 de julho de 2010, da Vila Setembrina de Farrapos traídos em Ponche Verde e Lanceiros Negros apunhalados pelas costas em Porongos, Bruno Lima Rocha

Sempre que entramos em período de campanha, nos deparamos com o fenômeno dos chamados partidos nanicos. Quase sempre o neologismo político brasileiro é depreciativo. Assim o foi na era dos políticos biônicos, depois dos pianistas e contemporaneamente, com mensaleiros e albergueiros. É uma das pautas obrigatórias em ano de Copa do Mundo, uma vez que os iniciados em política percebem este fenômeno como no mínimo indesejável.

enviar •
imprimir •

Semana passada um periódico eletrônico rio-grandense entrevistou-me a respeito, junto a outros colegas, e não por acaso entramos em acordo conceitual. O primeiro esforço de definição está em não confundir quando se trata de representação e postos de governo, as legendas nanicas, tristemente reconhecidas como siglas de aluguel, com os pequenos partidos políticos. Vejamos as diferenças.

Os chamados partidos nanicos seriam aqueles desprovidos de representatividade institucional e tampouco teriam a devida base social ou coesão ideológica. Dentre os três problemas, o primeiro é transitório. Partidos que hoje ocupam postos de governo em toda a América Latina, o Brasil incluído, já tiveram uma ínfima expressão em parlamentos e níveis de governo. Já os dois outros problemas, além de não serem passageiros, também se revelam em grandes legendas. E talvez aí esteja o nó da questão. Se a democracia eleitoral e representativa (portanto indireta) está com dificuldades de legitimação dado o afastamento entre representante e representado, entre eleito e eleitores, imaginemos a noção de legitimidade de uma legenda desconhecida e quase igual às demais? Quando a semelhança se parece com a não virtude, o que resta?

Quanto menos significado tiver uma sigla, mais parecido com um “ensopado de letrinhas” ficará a política que elege como arena única a disputa eleitoral. Ajudando a gerar um sentido de ainda maior confusão, os partidos nanicos contribuem para aumentar o fosso entre as carreiras de candidatos profissionais (ou aventureiros) e a cidadania ativa. Os valores da cultura política brasileira já estão por demais atravessados pelo comportamento fisiológico, patrimonialista e com relações de clientela. Portanto, a associação de que o naniquismo partidário implicaria em oportunismo de baixa intensidade, ajuda a rebaixar a apreciação da concorrência através do voto.

Já os partidos pequenos, embora não sejam exclusivamente de esquerda, tem a maior incidência desta tradição. É o caso atual de PSTU, PCO e PCB. A diferença destas legendas para as nanicas, além da coerência ideológica, é a inserção social. Todas têm frentes de trabalho para além do calendário eleitoral, tais como em sindicatos, meios estudantis, de moradia e lutas específicas. Nestes ambientes, estas agremiações são obrigadas a conviver e disputar com outras correntes e organizações, eleitorais ou não. Desse modo, sua presença em determinados setores de classe torna-se característica, dando conteúdo substantivo para os respectivos programas.

A atuação dos pequenos partidos de esquerda é mais coesa e permanente, tendo vida interna e incidência todo o ano. Desse modo, acabam por isolar as chamadas nanicas, resumidas em apenas mais do mesmo. A diferença é apenas em escala, sendo Ou seja, repetidoras de tamanho diminuto das contumazes das mazelas da política brasileira.


Este artigo foi originalmente publicado no blog de Ricardo Noblat






« voltar