Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

A direita financeira midiática e os limites da democracia

archive.glenbeck

Um rosto visível da besta. Stephen Moore, membro do conselho editorial do The Wall Street Journal, veículo de Rupert Murdoch – um entre vários – ao menos é sincero revelando no filme de Michael Moore (Capitalism: A Love Story), ser contra a democracia por entender que o exercício das vontades do povo impede a livre circulação do capital e dificultam a liberdade de empreender.

03 de junho de 2011, da Vila Setembrina, Bruno Lima Rocha

É comum assistirmos a comentaristas econômicos de veículos com grande audiência e penetração tomar como critério de verdade a editorias e matérias publicadas em fontes especializadas em escala global. Estes jornais, portais e revistas, produzidos em suporte eletrônico e impresso, escritos em inglês (como língua franca da globalização capitalista até o momento) teriam o poder de influenciar formadores de opinião em países emergentes como o Brasil, ou em decadência como Espanha e Portugal. O que é pouco ou nada difundido, por ser premissa oculta, é o fator fundamental do posicionamento político-ideológico destes veículos, pois não existe comunicação social sem posição e opinião e as bases de pensamento por eles defendidas. É óbvio que me refiro a publicações como The Wall Street Journal, Financial Times e The Economist, sendo o último o de maior influência do presente. Tais veículos professam abertamente as bases da chamada direita financeira. O problema é que no Brasil, quase ninguém fala disso. E por que será?

enviar •
imprimir •

Dentro do panorama político, circulando no universo das idéias de representação da sociedade em termos de distribuição, controle, alocação, circulação e usufruto de recursos e poder, um setor ideológico está na berlinda e por isso mesmo parte para o ataque. Após a mega estafa em escala global, cuja bolha imobiliária, o esquema de venda de títulos podres e ativos tóxicos sem lastro ou valor real (chamados de derivativos) e a noção geral de que a auto-regulação dos mercados não passa de um mito neoliberal, aqueles que os adeptos da teoria crítica chamam de direita financeira passam a buscar uma base argumentativa de defesa.

Esta direita financeira encontra-se sob diversas formas e manifestações, mas em geral pode ser localizada em um exemplo de teoria das portas giratórias, onde atores-chave circulam pelos agentes econômicos do sistema financeiro (bancos de investimento, de crédito, corretoras, agências de “análise de risco”), postos fundamentais no Estado (na autoridade monetária e em ministérios como Fazenda e Planejamento) e também nos meios de produção de bens simbólicos, a exemplo de universidades e veículos formadores de opinião. Essa gente, quando fala, influencia. Alguns meios com influência em escala global costumam ser citados como se portadores de alguma verdade de tipo científico, ou razão a ponto de serem tomados como fontes fidedignas num momento de, por exemplo, sacar alguma resolução de política econômica nacional.

Em termos de posicionamento, a chamada credibilidade e o suposto rigor metodológico destes veículos formam um discurso ficcional. Crer nos editoriais do Wall Street Journal ou nas matérias de fôlego do The Economist é um posicionamento político. Sua suposta precisão ao expressar “as regras da economia” é tão “factível” como a fictícia idéia de “isenção” das agências de análise de risco, a exemplo da Standard & Poors ou a Moody’s. Em termos de política, seria algo tão recomendado para a prestação de assessoria econômica para um Estado assim como ocorreu na Grécia e sua visceral e trágica relação com a Goldman Sachs, cuja resultante é uma rebelião popular e greves gerais em seqüência.

Dois fatores a serem ocultados: a democracia e a conta

Reza o receituário do capitalismo de que não existe almoço grátis. Também é igualmente verdade o triste fato de que quase sempre, os que pagam a conta mal entendem porque estão pagando. Quando as versões da suposta crise econômica e do rombo financeiro dentro das incontroláveis finanças dos principais bancos europeus são traduzidas como simples aumento do déficit público e incapacidade do cumprimento dos acordos impostos pela Comissão Econômica Européia, o que os principais veículos de difusão da direita financeira estão fazendo é simplesmente ocultar a relação principal de causa e efeito. Nesse bojo, dedicam laudas sem fim a respeito do problema dos gastos públicos e ao Estado de Bem-Estar Social.

Quando estas mensagens chegam aos países latinos, os intérpretes daqui fazem mimetismo com suas matrizes de pensamento e atribuem o volume do déficit ao tamanho do Estado e sua “incapacidade de autogerenciamento”. Tal absurdo é repetido centenas de vezes ao analisar-se o ocaso do Estado português – a cumprir planos de metas do FMI tal como o Brasil o fazia na década de ’80 – ou o desemprego altíssimo na Espanha atual. O que estes supostos especialistas e suas fontes de origem nunca dizem é simplesmente o óbvio. O Estado opera como pagador de última instância das grandes corporações, sobretaxando a população em carga tributária e retirada de direitos, financiando com recursos coletivos os agentes econômicos privados.

Foi isto o que causou a quebra da capacidade de investimento e mesmo de financiar a máquina pública em países como Irlanda, Islândia, Grécia, Portugal e Espanha e este é o risco real que corre a sobrevivência da Zona Euro. Ao impor os acordos de salvação, a Comissão Econômica Européia e o FMI estão é retirando direitos e comprometendo a soberania de eleitores e cidadãos destes países, uma vez que suas vontades, já muito pouco respeitadas após as eleições passam a ser totalmente ignoradas.

O mando do povo e o exercício de sua soberana decisão, ou seja, a democracia em qualquer escala, sempre vai ser um entrave a livre circulação do capital em geral e do financeiro em particular. É por isso que os veículos que defendem a direita financeira têm de ocultar as relações de causa e efeito e plantar cortinas de fumaça sobre os fatos reais. Conclusão. Se tudo o que é sólido evapora no ar, é porque alguns fazem esta riqueza desaparecer e outros tantos fazem isso parecer algo “natural”.

Este artigo foi originalmente publicado na revista do Instituto Humanitas Unisinos (IHU On-line), em sua versão impressa, edição da semana de 30 de maio de 2011, na seção Coluna do Cepos, páginas 30 e 31.






« voltar