Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

A Comissão da Verdade e o silêncio dos culpados

Pragmatismo Político

Apesar de ter sido vítima de tortura na juventude, Dilma evita o embate direto com os militares pela abertura dos arquivos da ditadura.

09 de março de 2012, da Vila Setembrina, Bruno Lima Rocha

A chiadeira de militares da reserva, incluindo oficiais generais, diante de alguns possíveis avanços da Comissão da Verdade, não espanta. Pode até indignar aqueles que imaginavam tratar-se de questão superada– uma falsa impressão – mas não surpreende quem acompanha o posicionamento de veteranos das três forças e seus discursos após a Abertura e a redemocratização.

É consenso entre a tigrada, o pessoal dos porões e os comandantes do Estado de Guerra Interna afirmar de que no Brasil tanto não houve tortura, como os denunciantes o fazem em causa própria.

enviar •
imprimir •

Tamanho absurdo materializa-se como um pacto castrense, dirimindo de responsabilidade os operadores e mandantes de crimes de lesa humanidade, portanto, não prescritíveis.

O Brasil tem uma trajetória conservadora e pactuante nos temas da política. Assim fomos desde nossa fundação como Reino Unido com a metrópole lusa e depois como Império rodeado de repúblicas.

O silêncio em relação ao criminoso “processo civilizatório” até hoje existente nas fronteiras agrícolas é o mesmo que tolera a tortura e a violação de direitos humanos em dependências policiais.

É esta a gangorra a ser interrompida, a mesma que recrutara os “brucutus” da Invernada de Olaria e dos Esquadrões da Morte de Rio e São Paulo para as equipes de repressão política.

Se de um lado a inteligência militar mandara oficiais para West Point e reproduzira um ambiente de produção intelectual conservadora na Escola Superior de Guerra, de outro a montagem do Sistema cujo mentor (Golbery do Couto e Silva) reconhecera haver: “criado um monstro!” contou com os piores elementos das delegacias de ordem política e social das polícias estaduais.

Negar que o Estado brasileiro deliberadamente torturou, matou, cometeu desaparição forçada, violentou, liberou seus chacais para saque e botim de bens de opositores é negar a história do país.

Seria o mesmo que ex-nazistas negarem o horror dos campos de concentração ou esperar transformar ex-agentes da KGB (como Vladimir Putin e Cia.) em notórios democratas.

Infelizmente esta mesma negação do óbvio faz com que tenhamos aprovado a Anistia para criminosos oficiais e, ao contrário das demais democracias do ConeSul, sermos o país que menos puniu a seus antigos algozes.

No Chile, Argentina e Uruguai a punição chega a colaboradores civis das ditaduras, ultrapassando a teoria dos dois demônios e tentando passar a história a limpo.

O Estado brasileiro deveria banhar-se em humildade e repetir os bons exemplos de nossos vizinhos.

Este artigo foi originalmente publicado no blog do jornalista Ricardo Noblat.






« voltar