Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

A receita de Zero Hora para compreender às avessas a segurança pública de São Paulo


Negar a esta força social é negar o óbvio, tentando passar a idéia de que a realidade deixa de ser real. Triste papel mil vezes repetido.



O jornal Zero Hora em sua última edição dominical (20 de janeiro de 2008) apresenta em sua seção de polícia, páginas 33 a 36, uma matéria de fôlego a respeito das mudanças na segurança pública no estado de São Paulo. A reportagem “A receita paulista contra a violência” é assinada pelos repórteres Carlos Etchigury (texto) e Ronaldo Bernardi (foto). A opinião qualificada é do politólogo e sociólogo Túlio Kahn, coordenador de Análise e Planejamento da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo. O tema é delicado e as críticas devem estar à altura do desafio da abordagem proposta.

Logo no início da reportagem, após os numerais (1, 2 e 3), na página 33, o texto aponta índices controversos. Na transcrição textual:

“Os nove primeiros meses do ano passado comparados com o mesmo período de 2006 tiveram redução e 13 dos 15 itens de segurança. Apenas o trafico de drogas e os roubos cresceram”.

Qualquer redator sabe que a forma de abordagem é a orientação de fundo. Toda a mudança estrutural apontada por Etchigury pode ser lida às avessas. E, justo por isso, poderia ser escrita ao contrário. O ano de 1995 marca a chegada do PSDB ao Palácio dos Bandeirantes. É também o ano de nascimento do Partido do Crime, também conhecido como Primeiro Comando da Capital (PCC). Começou a ser gerido nos porões medievais do Cadeião de Taubaté e veio à tona dois anos depois.

Os índices apontados pelo repórter de ZH podem ser lidos como fator PCC. Explico. Em geral, quando mais o crime de baixa incidência se organiza, a cooptação e a coerção operam como reguladores. A segurança individual, o respeito ao patrimônio em uma favela carioca é mil vezes maior do que o respeito à propriedade em uma residência de vila na Grande Porto Alegre. A organização do crime praticado pela massa analfabeta funcional é sentida no dia a dia das comunidades mais carentes. Não que a organização e aprimoramento do aparelho policial de São Paulo não tenha sido relevante para a diminuição dos índices. Mas, negar o fator PCC é negar o óbvio.

É o que faz o especialista Túlio Kahn. Afirma que o PCC está sob controle. Ao mesmo tempo, se elogia a política prisional dos seguidos governos tucanos em São Paulo. E é justo ao contrário. O poder do PCC rebrota a cada fim de semana, quando os mais de 143 mil presos recebem visitas familiares e afins. De um para cinco na proporção, estamos falando de uma média de 500 mil pessoas deslocando-se a cada sábado e domingo, o que implica um processo organizativo de enorme proporção. Essa indústria da prisão também se expressa como uma fábrica de rebeliões.

Impressiona a capacidade de oferecer versões narrativas a partir de um conjunto de cifras e depoimentos. Esta é a natureza do jornalismo, a proposta da matéria, a intencionalidade da reportagem e a linha editorial do veículo. È por isso que o conceito é a maior ferramenta de análise, desde que não obstrua ou negue os fatos. No caso da matéria de Etchigury e Bernardi, além de não ter o contraditório, o tema central passa ao largo.

Como negar as duas rebeliões do PCC em 2006? Como aceitar a versão de Túlio Kahn, quando categoricamente o especialista afirma que o PCC está “controlado”? Como, após as constatações, ter alguma confiança tanto na matéria como na linha editorial do jornal?

Simplesmente impossível.

enviar •
imprimir •






« voltar