Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

A governadora e as elites


Com a ausência de uma elite local e orgânica em quem se apoiar, Yeda Crusius, abandonada pela Executiva nacional tucana, viu seu governo cambalear e quase ser carneado em campo aberto.

4ª, 28 de novembro de 2007, Vila Setembrina dos Farrapos, Continente de São Sepé

No último domingo (25/11), o jornal Zero Hora (p.27) publicou uma longa entrevista com a governadora do Rio Grande do Sul Yeda Crusius. No meio da crise econômica transformada em crise política, a professora de economia da UFRGS deu a entender que seu governo, embora cambaleante, não está morto. Isto depois de ver derrotado o Plano de Recuperação do Estado por 34 a 0 na Assembléia, na quarta dia 14 de novembro. Amargando a segunda derrota legislativa em menos de um ano, a mandatária do Rio Grande aponta sua mira contra “as elites” empresariais e políticas.

enviar •
imprimir •

Vale citar dois trechos da entrevista concedida ao repórter Moisés Mendes. Perguntada sobre quem não haveria compreendido o pacote, aponta o dedo na ferida interna:

“As elites, que se apropriaram do sistema como ele é. Para elas, está bom assim. As elites não entendem que a crise só se aprofunda. As elites fizeram pressão sobre os deputados, e pressão bruta.”

Mais à frente Yeda expõe o problema de fundo. Segundo a economista, o desencontro entre a evolução da receita com impostos e o crescimento ímpio da economia, o garrote promovido pelo endividamento e a possibilidade de não obter empréstimos com organismos internacionais:

“Quem não enfrentou todos esses problemas? As donas elites. Não é por causa das elites que estamos nessa?”

A revolta da governadora é compreensível. Imaginava o núcleo duro do governo eleito em 2006 que teriam a carta branca para promover as reformas neoliberais, aplicando choques de gestão e com um imperativo à moda Thatcher. Ledo engano. As elites a quem a paulistana radicada em Porto Alegre se refere não concederam toda a liberdade desejada. Muito pelo contrário, marcaram a agenda a todo o tempo, dando a entender que o governo estava para lhe servir e não para elas (elites) servir ao Executivo.

As referidas elites tiveram no Plano de Recuperação a força centrípeta necessária para unificar as posições motivadas por distintos interesses. As entidades empresariais ficaram em alerta contra a possibilidade de aumento de impostos. Das quatro federações patronais estaduais, duas, Federasul e Fiergs, fizeram campanha contra o projeto com grande ímpeto. O vice-governador em franca rebeldia, chegou a comemorar no Plenário junto a deputados de oposição. A derrota representou o fim do pacto de classe assinalado durante a campanha.

Parte da direita política local, encabeçada pelo PP, fechou posição juntando seus votos com os da Frente Popular (PT-PSB-PC do B). Além destes deputados, a rejeição ao projeto contou com a força do PDT e incluiu também alguns votos do PMDB. Mesmo reconhecendo a existência de um subsistema político gaúcho, é certo que as alianças nacionais têm seu peso. Nunca é demais recordar que todos estes partidos ocupam postos no governo Lula. No momento da definição, emparedado pelas denúncias da Operação Rodin e as relações com a União, o PP-RS ruiu a corda.

Alguns analistas entendem que as relações institucionais do Piratini são mal feitas e por isso Yeda perde quase sempre. O argumento é parcialmente correto. Alguns elementos ajudam nas derrotas. Os agentes econômicos e as lideranças corporativas demonstram temer o ar impositivo e o risco de hipertrofia do Executivo. Sempre presente está o exemplo de hegemonia absoluta vindo do governo mineiro de Aécio Neves. Entre um projeto de reforma neoliberal do estado e a garantia dos interesses imediatos, a conservadora elite econômica local não teve dúvidas.

Caso o Núcleo Duro tucano não fosse com tanta sede ao pote teria mais chances de resultado. O desmonte do estado polariza os sindicatos de servidores e os movimentos populares. A carga tributária agita as patronais. As caravanas para o interior deram um ar de intromissão do Executivo nos currais eleitorais e regiões atendidas por deputados estaduais. A confluência de interesses contrários gerou as condições necessárias para a derrota.

Se o governo estadual levasse o Plano para votação em partes, com certeza arrancaria muitos pontos. Isto porque a vontade privatista é presente nas federações patronais. Ou seja, nenhum empresário iria pressionar seus deputados para impedir a venda de estatais ou a mudança do regime jurídico das fundações. Para a sorte dos sindicalistas e servidores, o compromisso ideológico da equipe de Yeda fala mais alto do que os imediatismos políticos.

Como não existe governo sem identidade de classe, o Executivo gaúcho tem de moldar seu projeto político, equilibrando-se entre os compromissos com o capital financeiro, as transnacionais que investem no Rio Grande e uma elite a quem servir. Caso contrário se verá isolado, levando pau das esquerdas locais, emparedado pela União e sem uma direita orgânica para se apoiar.

Artigo originalmente publicado no blog de Ricardo Noblat






« voltar