Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

O vôo da memória


MIguel Arcangel Roscigna, expropriador argentino detido no Uruguai e que foi um dos primeiros desaparecidos no Rio da Prata.

Artigo Revista Voto

A Operação Condor foi uma coordenação continental entre as ditaduras do Brasil, Argentina, Chile, Uruguai, Paraguai e Bolívia na década de ‘70. Foi criada como organismo de inteligência e enlace para operar a guerra suja contra as organizações de esquerda armada e toda e qualquer oposição conseqüente. Não foi a primeira experiência desse tipo, embora tenha sido a mais contundente. Nos anos ’20 e ’30, já existia uma coordenação das polícias políticas no Cone Sul. Em 1931 capturaram o expropriador anarquista, o ítalo-argentino Miguel Arcángel Roscigna e desapareceram com seu corpo no Rio da Prata. Miguel foi o primeiro de muitos desaparecidos políticos no Sul da América.

enviar •
imprimir •

No Continente a demanda por verdade, memória e justiça é bandeira permanente de partidos, movimentos e organizações latino-americanas. No Uruguai e na Argentina, os governos de Tabaré e de Kirchner se viram emparedados por seus eleitores, obrigando-os a meter o dedo na ferida. Bem ao contrário do Brasil. Aqui, um presidente ex-sindicalista ainda não recebeu os familiares dos desaparecidos e faz de tudo para não abrir os arquivos das Forças Armadas.

Nunca é demais lembrar que os serviços de inteligência das ditaduras operavam de forma cooperada, seqüestrando, torturando, roubando patrimônio e provocando desaparições forçadas em toda a América Latina, chegando a cometer assassinatos nos Estados Unidos e na Europa. O fato de que muitos militantes desaparecidos de nacionalidade argentina, uruguaia e chilena ter também passaporte de países europeus levou a alguns juízes e procuradores a entrarem na batalha jurídica contra os repressores.

A última medida foi tomada pelo promotor italiano Giancarlo Campaldo. Ele pediu à justiça de seu país a prisão de 146 latino-americanos, ex-integrantes da Operação Condor e diretamente envolvidos com o assassinato de pessoas de ascendência italiana. Dentre os acusados figuram 13 brasileiros, a maioria formada por gaúchos. Após muito tempo, o tema volta à tona em neste país de pouca memória e com “esquerda” de discurso lavado.

A lista completa dos militares e policiais processados pela promotoria italiana está recheada de gaúchos. Os nomes já falecidos são:

- General João Baptista Figueiredo (ex-presidente da República, atuou no RS)

- General Euclydes de Oliveira Figueiredo Filho (irmão do ex-presidente e ex-comandante do 1º Exército, chamado hoje de Comando Militar do Leste)

- General Walter Pires de Carvalho e Albuquerque (ex-ministro do Exército de Figueiredo)

- General Otávio Medeiros (ex-chefe do Serviço Nacional de Informações - SNI)

- General Antônio Bandeira (ex-comandante do 3º Exército, atualmente chamado de Comando Militar do Sul - CMS), atuou no RS

- Coronel Luís Macksen de Castro Rodrigues (ex-superintendente da PF no RS), gaúcho.

Ainda em vida constam:

- Coronel Carlos Alberto Ponzi (ex-chefe da 2a seçao do Estado-Maior, gaúcho)

- Agnello de Araújo Brito (ex-superintendente da PF no RJ)

- Edmundo Adolfo Murgel (ex-secretário de Segurança Pública do RJ)

- General Henrique Domingues (ex-Estado-Maior do 3º Exército, atual CMS)

- João Osvaldo Leivas Job (ex-secretário de Segurança do RS, gaúcho)

O caso levantado pelo procurador Campaldo, acusando aos operadores da seção brasileira da Operação Condor, tem um impacto incomensurável. O seguimento do caso atenta contra o pacto político iniciado ainda no governo Geisel, e culminando com a Anistia Ampla, Geral e Irrestrita e a reorganização partidária. Também se choca com a legitimação da base aliada. Nunca é demais lembrar que o governo de Luiz Inácio conta com ex-arenistas do calibre de Antônio Delfim Netto, Reinhold Stephanes e Geddel Vieira Lima.

Não há como imaginar um futuro distinto se não acertamos as contas com a história. Quando há ausência de memória política coletiva, o futuro pode ser o passado recente.

Coluna Mensal escrita na Revista Voto, No. 40, fevereiro 2008, pág 52, Ano 3






« voltar