Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

Reflexos da função do Estado no neoliberalismo e a cancela maldita da acumulação absurda


A imagem acima é da série “o capital operando no Brasil sem mais delongas ou floreios. Sinceridade na imagem e na acumulação”. Depois algum gênio vem teorizar sobre o embate entre Estado e capital. A Via Fácil prova o contrário.



Lendo o Jornal do Comércio (RS) de hoje (2ª, 29 de outubro de 2007), me deparo com uma nota curta e despretensiosa, página 40, última deste jornal portoalegrense. Seção Fechamento, no pé da página, um título chama para “Rodovias”. Saltaram aos olhos os números do “setor”.

A movimentação por estradas cresceu 18% entre 2002 e 2006. Ou seja, a rodagem dos 657 milhões de veículos no Brasil foi de menos de 1/5 do montante. Simultaneamente, o “setor” crescera em lucro 80% em relação a 2002. A concessão de rodovias (pedagiadas por tanto) movimentou R$ 5,6 bilhões. Ufa!

De forma sutil e sem a devida análise, o porta-voz dos capitais que operam no Continente de São Pedro, louva discretamente o lucro no setor. Conforme escrevi no artigo para o Noblat referente ao lucro dos bancos e a continuidade política, esta é a estabilidade possível e “desenvolvimentista”.

Quando o rendimento sobe 80% e a movimentação cresce apenas 18%, tem mais de 52% de gordura para queimar ainda. A superexploração do setor abriu fôlego para a operadora española (vamos abordar o tema no próximo boletim) aportar uma oferta de lucro mais baixo.

Aqui no pago, o secretário de Infra-estrutura e Logística Daniel Andrade infla o peito para defender o Duplica RS. Isso em um governo subnacional à beira da falência múltipla de seus órgãos vitais para a saúde financeira coletiva. Se a obra bruta é bancada pelo endividamento crônico, enquanto o lucro líquido escorre do duplo imposto (veicular + pedágio + seguro obrigatório) por tanto se trata de um negócio sem risco.

A outra marca de continuidade se vê no correr dos anos. 2002 foi o último ano do reinado do sociólogo uspiano. Os anos seguintes tiveram como mandatário seu ex-cabo eleitoral nas eleições de 1978, o ex-metalúrgico Luiz Inácio. Muda o estilo de governo mas as margens de acumulação crescem violentamente. Sem romper com o modelo, do pacto social-liberal (UDN + PSD na pós-modernidade dos anos ’90) deu-se no acordo da Banca com os ex-militantes (de dar inveja a Rucci e cia. das 62 organizações da direita peronista).

Nunca dantes a história repetiu-se de forma tão melodramática como no período atual. A cancela do crescimento pedagiado encontra sua alma-gêmea nos embalos de Mary Jeane Córner.

enviar •
imprimir •






« voltar