Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

A respeito da vitória de Obama e a América Latina


O cientista político Barack Obama sabe que é mais fácil manter um Império falimentar do que confrontar com o Camelot do Estado Corporativo.



Bruno Lima Rocha

Refletindo de modo apressado a respeito da vitória do cientista político por Columbia e advogado por Harvard, sou obrigado a expor as obviedades que ninguém diz. Barack Obama cumpriu os rituais de entrada na elite dos EUA. O termo em inglês, ruling class, a classe que legisla, que manda, dentro e fora dos limites institucionais, me parece o mais apropriado. Para ser parte deste círculo fechado, o ritual de passagem inclui a formação acadêmica de excelência e algum contato com a Ivy League (Liga de Universidades do Nordeste dos EUA). Tanto o presidente eleito do Império como sua primeira dama, Michelle Robinson, tem o selo de qualidade de três das oito universidades (Columbia, Princeton e Harvard) que compõem o círculo mais antigo da formação de membros das elites dirigentes da pátria de Oliver North e Dick Cheney.

Barack é o exemplo vivo do multiculturalismo, mas o melting pot tem de dar frutos para dentro das linhas de fronteira marcadas pelo Destino Manifesto. Porque para os demais países, após o arco-íris não tem pote de mel algum e sim um porta aviões. Se ele entrou como azarão na representação político-partidária, Obama não vai brincar de apertar o Camelot como fez o filho do irlandês que traficava bebida durante a Lei Seca. No campo simbólico, sua vitória é um marco da política mundial. Em uma sociedade racialmente dividida, um afro-descendente ganhar é a prova cabal de que a ação afirmativa abre caminho para uma nova classe de ex-discriminados. Dito e feito, mas deve ser só isso.

Para os povos que se defrontam com a outra ponta do Big Stick, alguns “gestos” são essenciais. No que nos diz respeito como latino-americanos, ficam agonias como:

- O bloqueio econômico a Cuba, será ou não suspenso?

- A base militar imperial que também serve de prisão, em Guantánamo, o que irá fazer com a masmorra?

- A 4ª frota, terá o mesmo papel de avanço sobre os recursos naturais da América Latina?

- O papel do Departamento de Estado, CIA e DEA, será o de continuar conspirando para derrotar todo e qualquer governo com traços de soberania nacional e respeito da vontade popular no Continente?

- Seguirão fazendo aportes de montantes absurdos para a Colômbia, dando sustentação ao governo do narcotraficante e paramilitar Álvaro Uribe Vélez?

- A biopirataria na Amazônia seguirá sendo feita por “missionários” estadunidenses?

- Na economia financeira e o re endividamento de nossos países, Washington vai dar suporte para a retomada do avanço do Banco Mundial sobre os caixas públicos da América Latina?

A lista poderia seguir por mais vinte páginas, mas o tema de fundo passa por uma reflexão que deve ser feita pelos próprios latino-americanos. O mundo vive sob a ação do Império, mas nosso Continente sente esta presença direta, peleamos cotidianamente para deixar de ser o alvo do Big Stick. Por mais colonizada que sejam as elites dirigentes da América Latina e Caribe, o sentimento popular é anti imperialista e anti yankee. Para mudar esta situação, o novo chefe do Executivo deve tomar posturas de multilateralismo imediato. Duvido que o faça. Emparedado entre algumas aspirações reformadoras e as razões do Estado Corporativo de lá, provavelmente será o mais midiático dos presidentes estadunidenses. Mas, para os povos ao Sul do Rio Grande, deve ser apenas isso.

Como afirmou o general de homens livres José Gervasio Artigas, gaucho oriental, após quinze anos na lida de vento, chumbo, lança e coxilha:

- Somente podemos confiar em nós mesmos.

Para acessar este artigo em inglês, favor ir para o Blog do Estratégia & Análise na Guerrilla News Network

enviar •
imprimir •






« voltar