Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

Dois alertas e uma observação para o uso da internet na campanha

blog du cuelho

No jogo eleitoral, a linguagem publicitária aplicada no horário gratuito se adéqua e sofre reprodução de linguagem para o meio das redes sociais. Isto não implica em aprofundar conteúdo e decifrar os códigos-chave da política brasileira, muito pelo contrário

11 de setembro de 2010, da Vila Setembrina dos Farrapos traídos e enganados pelo desaparecimento da memória da epopéia Missioneira, Bruno Lima Rocha

Antes do início da corrida eleitoral deste ano, muito se especulou a respeito de usos e benefícios advindos do ambiente da internet aplicado na política. A perspectiva era – como de costume – sempre superior das reais possibilidades de ampliação do debate e da intervenção do eleitorado através desse meio. Embora não esteja dentre os céticos, longe disso, entendo que o diferencial cognitivo ainda é superior ao aumento de tráfego de dados e velocidade de banda. Diante dessa consideração, faço dois alertas nos seguintes quesitos: a rede como forma de aumentar a absorção e circulação de informações e a possível interatividade entre candidato e eleitor.

enviar •
imprimir •

O primeiro relativiza o espaço da internet como meio de informação e de campanha eleitoral no pleito de 2010. Isto porque a rede já tem espaço grande e a tendência é que cresça de forma exponencial. Mas a minoria que faz uso político dela também é a mesma que já vem da leitura de mídia impressa em geral. Assim, a web tem, no momento, dois espaços concomitantes no que diz respeito à política. Um, massivo, que circula por redes sócio-digitais e plataformas como o Youtube, fazendo uma aproximação da imagem dos candidatos parecida com a da TV. Já os pormenores, detalhes e disputas de fatos e versões circulam por blogs especializados, oficiais e oficiosos das equipes de campanha. Reconheço que o veículo é fantástico, mas por si só não aumenta a capacidade de assimilar informação e produzir compreensão dos mecanismos de governo. Isto ocorre porque o efeito da internet já se dá a partir e sobre os formadores de opinião.

O segundo alerta diverge com os grandes otimistas da rede e aborda o tema da interatividade entre candidato e eleitor e a capacidade de se criar um fórum permanente de debates. No momento, a interatividade na comunicação política ainda é secundária, isto se comparada com a difusão de imagens. O eleitor genérico, desorganizado e com apego a personagens e não a programas, está sempre em situação desfavorável e distante do cerne da política. A imagem do candidato interessa a quem concorre e não para quem vota. Para os votantes, a necessidade seria o acompanhamento das promessas de campanhas anteriores e o conhecimento do perfil detalhado do voto do candidato, caso este já tenha ocupado função legislativa. A mesma relevância tem a informação precisa de sua trajetória pregressa, com destaque para a postura nos momentos críticos do país, incluindo as alianças já realizadas. Isto pouco ou nada ocorre. Já o espaço de interatividade, este ainda tem de ser criado, para além da equipe de campanha. Até porque é humanamente impossível dar conta de relação direta com alta porcentagem do eleitorado. Imagino que algo factível seja um chat aberto, regular e obrigatório, inclusive promovido pelo TSE. Se isto vier a ocorrer (em eleições futuras, porque agora já não dá mais), teríamos uma aproximação da interatividade entre candidato e eleitor. Do contrário, as ferramentas de interação serão sempre apenas mais uma peça de difusão do político profissional.

Já a observação trata da expectativa em excesso do uso das redes sociais e a decorrente participação – supostamente elevada - dos jovens nas campanhas para cargos executivos e legislativos. Levantou-se no primeiro semestre a tese de que a internet deveria ter como foco os jovens entre 16 e 24 anos, pessoas que se relacionam essencialmente através deste meio e estabelecem alguns vínculos de afetividade, socialização e sentido de grupo com a rede mundial de computadores. Como venho dizendo, infelizmente, a forma que esses jovens se comunicam entre si não aumenta necessariamente tanto o volume de informação como a capacidade analítica. Os candidatos, por economia de esforço, tendem a investir neste nicho apenas o essencial e o necessário para retro-alimentar as próprias redes e em sua linguagem mais consagrada. O problema é que a maior parte das informações expostas em período eleitoral associa o candidato com um produto e não existem propostas de longo prazo sendo apresentadas. Considero que os três anos e meio anteriores e posteriores as campanhas são mais importantes para aumentar o interesse dos jovens pela política do que a chamada corrida eleitoral.

Enfim, se a euforia com a internet aplicada na campanha é o aumento de circulação de símbolos e associações diretas e indiretas entre a imagem dos candidatos e a identificação de voto, é válido o discurso de entusiastas apologéticos. Já se o problema de fundo é aumentar a capacidade cognitiva e equilibrar o poder entre políticos profissionais e eleitores, a balança ainda pende – e muito – para os primeiros. Vejo a rede mundial de computadores como fundamental para mudar esta correlação, embora ainda estejamos anos luz dessa meta.


Este artigo teve sua versão original publicada antes no blog de Ricardo Noblat






« voltar