Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

A Comissão da Verdade e a punição parcial

Latuff

Comissão da verdade restringe investigação a agentes públicos

20 de setembro, Bruno Lima Rocha

Finalmente a pauta de direitos humanos recebe notícia minimamente razoável. Como se já não fosse absurda a situação de lançamento da Comissão da Verdade, então um subproduto da pugna entre o ministro de Direitos Humanos e o ex-ministro da Justiça de FHC (Nelson Jobim, ministro da Defesa de Lula e ex de Dilma), esta vivia duas vergonhosas atribuições, da qual se livrara de uma.

A primeira vergonha, parcialmente suplantada, é simples. Esta comissão conhecida entre os ativistas da Memória Histórica como a da “meia verdade”, tinha de observar os crimes contra os direitos humanos a partir de todo o período da democracia pós-Vargas (conhecido equivocadamente como ciclo “populista”, iniciado em 1946) até a promulgação da Constituição de 1988.

enviar •
imprimir •

Agora ao menos o foco será o período da ditadura militar (1964-1985) e o alvo das investigações serão os agentes do Estado (formais e irregulares), negando assim a reprodução da teoria dos dois demônios.

Ora, por mais que as viúvas da ditadura gritem, ou então o fã clube da tigrada e os saudosistas dos porões reclamem, o problema é simples. O Estado deve salvaguardar, sob a tutela da lei, aos seus cidadãos, mesmo que estes sejam dissidentes armados ou da delinqüência comum.

Tanto era necessária a base legal que durante o governo Médici, estabeleceu-se o Estado de Guerra Interna, o qual era regido por uma série de leis marciais, boa parte destas arquitetada pelo comando da repressão capitaneado pelo general Orlando Geisel (irmão de Ernesto Geisel) e braço direito do presidente natural de Bagé.

Já a segunda vergonha não é responsabilidade dos membros da Comissão da Verdade e sim deste governo (como continuidade do anterior) que em nada se empenha para punir os genocidas e criminosos de lesa-humanidade. Em toda a América Latina temos militares assassinos condenados, sendo que na Argentina e Uruguai, gabinetes inteiros de governos ditatoriais, incluindo membros castrenses e civis, estão presos.

No Brasil, houvesse o emprego da popularidade de um ex-preso sindical (Lula) e uma ex-presa política (Dilma), poderíamos ter um clamor popular e rever a Lei de Anistia, já que os crimes de tortura, seqüestro, desaparição forçada, dentre outras barbaridades, não prescrevem.

Mas, o que esperar de gente que, envergonhada, arrependida, caricata de seu próprio passado, opta por aliar-se com as oligarquias recheadas de arenistas? Alegam que este é o custo da governabilidade e não convém mexer no vespeiro do passado. Não é conveniente para quem?

Este artigo foi originalmente publicado no blog de Ricardo Noblat.






« voltar