Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

A celeuma em torno do programa de governo do PT

bahianoticias

O presidente nacional da legenda de Dirceu, Genoíno e Cardozo, o também José, este Eduardo Dutra, vê-se emparedado entre o que restara do programa partidário original e a sobrevivência com a aliança junto aos fisiológicos profissionais para vencer o outro grupo de poder que se posiciona ainda mais à direita do que seus aliados de segundo governo Luiz Inácio.

15 de julho de 2010, da Vila Setembrina do Rio Grande de São Sepé, do Continente de Libres, Artigas y Valientes, Bruno Lima Rocha

Mal terminou a Copa do Mundo e o país se depara com o clima de uma campanha em busca de fatos geradores. Na ausência de uma diferenciação ideológica profunda entre os candidatos favoritos a disputa fica morna, girando em torno de eixos comuns. Embora distintos em matizes menores, tanto José Serra (PSDB-DEM), como Dilma Roussef (PT-PMDB) e Marina Silva (PV) são condicionados pela compreensão média de um eleitor ainda pautado pela mídia. É por isso que o esforço dos candidatos se parece ao modo de produção das indústrias culturais de consumo amplo. Todos têm de diferenciar entre si e assemelhar-se à compreensão mediana pautada pelo senso comum. Se os concorrentes forem idênticos, a escolha resume-se a pouco mais que aleatoriedade. Já se um destes destacar-se na média palatável pagará um preço por demais elevado para candidatos que nem sequer são de esquerda.

enviar •
imprimir •

Nesse sentido, compreendo a linha de comunicação política adotada por Dilma como sendo a de pagar o menor preço possível por suas propostas. Para a herdeira de Luiz Inácio, o melhor dos mundos é seguir distribuindo renda e reduzindo a extrema pobreza mediante o ingresso de mais camadas da população para o mundo dos direitos e do consumo. Já o preço do acesso de setores de classes C e D, é atenuado pelo incremento do modelo de plataforma de exportação de produtos primários; de posturas sólidas e conservadoras na opção preferencial pelos bancos; e no aumento paulatino da presença do Estado na economia, agindo também como fiduciário de fusões e incorporações generosamente irrigadas pelo Tesouro Nacional. Ao propor-se a administrar esse conflito interno inerente da política poli-classista concretizada através de uma aliança com o maior partido do Brasil, a legenda de José Eduardo Dutra vê-se emparedada. De um lado, o que restara de seu sentido de crenças com legítimas origens na esquerda de base com inspiração católica e reformista. De outro, a escolha pela tal da governabilidade, traçada já em 2002 na Carta ao Povo Brasileiro.

Entendo que toda a celeuma em torno do programa de governo do PT é o reflexo deste conflito da democracia de candidaturas e não programática. Para se governar no Brasil sem modificar a balança desigual de distribuição de poder, é preciso atravessar algumas barreiras exercidas pelos detentores de capacidade de veto. Estas barreiras podem ser institucionais, como os poderes constituídos; ou estão na capacidade de imposição de agenda, como é o caso dos líderes do oligopólio dos meios de comunicação em escala industrial. A banca, o latifúndio e os conglomerados industriais foram co-beneficiados no governo de Lula. Mas, nem por isso se identificam com seu mandato e menos ainda com a sucessora. De quatro em quatro anos, mais valem os vínculos e identidades ideológicas do que os balancetes positivos acumulados.

Do ponto de vista do capital, a precaução em relação ao programa original do partido de governo é ideologicamente lúcida. Primeiro, porque alerta entre os pares que o fiel da balança da aliança Dilma e Michel Temer é a legenda controlada por José Sarney e Renan Calheiros; isto considerando que eles e seus correligionários “responsavelmente” rejeitaram um programa que atentava contra seus interesses. Segundo, porque entende a necessidade de extirpar os últimos traços e suspiros socializantes contidas no Programa Nacional de Direitos Humanos, evitando assim improváveis “surpresas”.

Este artigo foi originalmente publicado no blog de Ricardo Noblat






« voltar