Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

Duplo discurso do PT e a hipocrisia no Fórum Social Mundial de 2016


Nesta altura do momento político, restam poucas alternativas para quem ainda se posiciona à esquerda do partido de governo e de seus aliados stalinistas e trabalhistas.

19 de janeiro de 2016, Bruno Lima Rocha

Tem horas que mesmo para pessoas experientes – ou pretensamente com experiência política como este analista aqui escrevendo – o cinismo político surpreende. Dizem na Espanha, e entendo ser o dito válido aqui também, é que há uma diferença fundamental entre o Partido Progressistas (PP, a direita política pós-franquista) e o Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) no que tange a ações repressivas e medidas anti-populares. O primeiro, bate e retira direitos sorrindo, com júbilo de prazer recordando o período do generalíssimo Francisco Franco. Já o segundo, de um dos ídolos de Fernando Henrique Cardoso (FHC), o ex-premiê Felipe González, bate e arrebenta assim como retira direitos e pactua com o demônio na forma de capital industrial ou financeiro, mas na frente das câmaras derrama “lágrimas de crocodilo”. No Brasil do lulismo, o PSOE daqui é o Partido dos “Trabalhadores” (PT). O exemplo que trago abaixo, já deveras repercutido em redes sociais da província, materializa a analogia.

enviar •
imprimir •

Na tarde desta 3ª 19 de janeiro, escutei como de hábito o melhor programa político do rádio rio-grandense, transmitido por emissora centenária. Presentes como convidados estavam um vereador pelo PT da capital da província, o engenheiro de origem ítalo-brasileira. Escutá-lo falar diante de um microfone que é um canhão, tergiversando a respeito da correlação de forças do governo de coalizão é ter uma aula de cinismo político. Perguntado por uma das condutoras do programa do porquê do veto de Dilma a auditoria da dívida pública, recebemos uma espécie de lição de aplicação do pensamento gramsciano vulgar. O edil simplesmente não respondeu e ficou se esquivando de qualquer autocrítica, colocando na conta do governo de coalizão a covardia política e a traição sistemática aos interesses das maiorias.

Realmente o problema político na interna do partido de governo é maior do que se imagina. Agora, nesta semana de revivido Fórum Social Mundial Temático (FST), a ex-esquerda e os então esperançosos da virada democrática de 2001 se veem no dilema de sempre. Se dizem ainda “pessoas que acreditam”, fazem presepada durante eventos como o enfraquecido FST – afinal, como falar de poder das pessoas e vontade das maiorias e uma democracia democratizada quando nenhuma mudança estruturante foi feita no Brasil após mais de 12 anos de governo dos ex-reformistas?!

Apresentar resultados sócio-econômicos sem garantia de continuidade é como antever a tragédia anunciada já vivida pela Europa do Sul – e por nós mesmos latino-americanos – por tantas vezes. Para completar o absurdo, o mesmo político profissional do partido de governo, na frente do muito capaz sociólogo português Boaventura de Souza Santos tentou fazer pose de “radical”. Não podia ser mais ridículo. Boaventura caracterizou o governo Dilma como de direita e não houve resposta. Nesta altura do momento político, restam poucas alternativas para quem ainda se posiciona à esquerda do partido de governo e de seus aliados stalinistas e trabalhistas. Sugiro algumas

– Caracterizar o PT como sendo o PSOE espanhol, o que não é elogio algum.

– Rogar, debater e de forma fraterna debater com os militantes e filiados petistas que ainda têm algum sistema de crenças em um mundo igualitário a partir da luta popular e afirmar o óbvio: “tal e qual a carcomida social-democracia europeia, quem assegura a legitimidade do burocrata e do corrupto é a militância que ainda constrói o tecido social dos oprimidos”, portanto, abandonem esta caravela furada e optem por canoas de caiçaras e pescadores nativos;

– Denunciar e dar combate a todas as políticas deste governo de direita, não entrando na balela que “a correlação exige”, ou as “condições não estão dadas”; não estão dadas agora porque não foram construídas em doze anos, jamais estarão presentes em cinco ou dez anos se não forem construídas a partir de agora.

– Por fim, combater o cinismo político de centro-esquerda e construir uma base argumentativa e de mobilização abaixo, com democracia direta e bem à esquerda da política.






« voltar