Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

O congresso do PT que nada decidiu a não ser manter os mesmos rumos sem rumo


A solução dada pelo partido de governo para o governo de coalizão é guinar à direita e hipotecar a sua própria base restante.

15 de junho de 2015, Bruno Lima Rocha

Tendo como pano de fundo o 5º Congresso Nacional do PT, Bruno Lima Rocha, jornalista e cientista político, professor de Relaões Internacionais, afirma "o lulismo vai deixar uma sequela ideológica difícil de ser superada tanto nesta agrupação política como na sociedade brasileira".

Segundo ele, "superar o paradigma do pacto de classes e do minimalismo vai exigir profunda autocrítica e radicalidade através das bases sociais mobilizadas".

enviar •
imprimir •

Eis o artigo.

Vejo a chamada acima como algo que beira o absurdo embora seja mais do que previsível. O 5º Congresso Nacional do PT realizado em Salvador foi uma ampla vitória do lulismo e da luta pela sobrevivência política, abrindo mão de quase tudo para seguir fazendo quase nada.  Os governos petistas da Bahia, além de recuperarem uma parte considerável dos carlistas (partidários e afilhados políticos de Antônio Carlos Magalhães, ACM ou “Toninho Malvadeza”) também pouco ou nada fizeram no sentido de uma justiça histórica contra o racismo estrutural da terra de Marighella, Bimba e Pastinha. O local é exemplar para realizar um congresso, pois  materializa um estado onde a ex-esquerda se coliga com  parte da oligarquia local.

Voltando ao Planalto e observando a composição de gabinete do segundo mandato marcado pelo terceiro turno, a manobra de Dilma trazendo elementos de confiança da DS para sua assessoria direta freou a maior crítica na interna da legenda, cabendo aos ex-igrejeiros da Articulação de Esquerda espernear como minoria quase irredutível vinda do Rio Grande do Sul.  Interessante é o reposicionamento de Tarso Genro, que a meu ver, mais opera como um protagonista de si mesmo do que como uma nova proposta partidária. Se levada às últimas consequências, a necessidade de superar o rentismo e vir a ter um maior vínculo militante levaria ou a uma fratura do partido de governo ou ao rompimento da coalizão que equilibra o segundo mandato de Dilma materializando a divina e triste música de João Bosco e Aldir Blanc, “O Bêbado e o Equilibrista”.

Cabe, de fato, uma severa crítica ideológica ao abandono da ideia básica das esquerdas dentro do partido de governo. Se a autocrítica passa pelo comando de Tarso Genro, já é notável que o caminho não é  de longo alcance. Quem se lembra da atuação de Tarso à frente do Piratini vai identificar como o mesmo perdeu o controle do aparelho policial e jogou calúnias sem fim contra a esquerda realmente existente no RS. Não é de espantar do congresso do equivalente ao PSOE brasileiro. Para os desavisados, ao comparar o PT com o PSOE não faço elogio algum; poderia compará-lo ao PASOK grego estaria  na mesma vala comum. O PSOE é ex-partido social-democrata espanhol, responsável, dentre outros crimes históricos, pelo Pensionazo de 2011, o pacto social junto da Izquierda Unida para retirada de direitos de aposentados e desempregados no Estado Espanhol. Por mais sofisticada que seja, e ainda que contenha elementos interessantes de crítica ao capital financeiro, se a crítica vem de políticos como Tarso é difícil que esta resulte em quase nada além de continuísmo – atravessada por linguagem rebuscada - e mais derrota ideológica.

A tristeza que se abate - e reforço que esta é sincera e sem ironia -, é saber que as lideranças dos movimentos que interessam, os setores que ainda têm envergadura e poder de mobilização para alterar a correlação de forças neste país - como MST e MTST-, tendem a reproduzir o duplo discurso e a lenga-lenga do "apoio crítico". Assim, terminam por responsabilizar a equipe econômica isentando o padrão de alianças e a coalizão oligárquica motivada por um pacto de classes.  O efeito perverso da leitura vulgar de Grasmci legitima as piores práticas em Brasília como “guerra de posições”. Quando tudo é tática não há estratégia, só oportunismo e sem um amplo espaço político para acumular forças. Na ausência de projeto de longo prazo, só sobrevive à prática cotidiana e talvez as boas condutas.

Caso houvesse mais democracia interna nestas bases, caso estas fossem menos controladas e mais politizadas – falo também no sentido autocrítico de quem conhece esta lida por dentro e como ex-organizador -  dificilmente as famílias e os  quadros médios seriam arregimentados para apoiar tamanha desfaçatez. O racha das mulheres do MST do RS, a gloriosa frente de mulheres com referentes históricos na luta de classes da Província de São Pedro, é o melhor exemplo dos efeitos maléficos deste reboquismo e excesso de manobra tática sem debate franco no nível estratégico. Sempre dá tempo de retomar o debate e oxigenar a militância, sempre e apesar das horrorosas práticas leninistas. Como analista, brasileiro e libertário afirmo sem nenhum tom professoral que é possível uma reorientação estratégica (basta observar o fenômeno PKK e sua democracia interna), mas é determinante uma – algumas – minoria(s) ativa(s) convicta da proposta.  

 

O governo de coalizão que governa por direita

A solução dada pelo partido de governo para o governo de coalizão é guinar à direita e hipotecar a sua própria base restante. O mais recente pacote de bondades, com a ampliação de infra-estrutura e logística buscando concessões privadas para portos, aeroportos, hidrovias, e ferrovias se dá através do BNDES. O banco de fomento vai liberar uma quantia aproximada de R$ 150 bilhões, exatamente o dobro do cortado pela “tesoura de Levy”, R$ 79 bilhões. Na ponta do lápis trata-se de uma escolha ainda ancorada no pacto de classes, sendo que o jogo do “ganha-ganha” (o fundamento do pacto lulista) está  esgotado. Temos no Brasil um déficit de R$ 8 milhões de moradias, algo que poderia ser solucionado com um investimento público de cerca de R$ 76 bilhões de reais ao ano, ao  longo de quatro anos. Esta é a agenda de reivindicação direta dos movimentos do direito à moradia e direito à cidade, algo bem distante do próprio Ministério das Cidades, e longe do núcleo duro do governo. Agora, de pires na mão, o governo abre novamente a chave do cofre cortando nos direitos básicos da população, e depois o partido de governo reclama quando apanha por esquerda.   

A constatação acima é observável com o aumento do custo de vida advindo do controle da mesma equipe econômica liberando os preços controlados no rumo inexorável do aumento inflacionário. Podemos citar dois exemplos: - a vergonhosa subida do preço das tarifas básicas de luz e telefonia, tudo para manter a margem das operadoras e concessionárias e assegurar as margens de lucros de suspeitíssimos concessionários de serviços públicos, como os conglomerados de telefonia e transferência de dados. Para quem duvidar convido a uma breve pesquisa a respeito da fusão da Brasil Telecom com a OI e a posterior saída da Portugal Telecom do negócio da Vivo Celular no Brasil. Não é razoável esperar um governo minimamente coerente quando ex-guerrilheiros e militantes de base convivem no mesmo gabinete com oligarcas fisiológicos, líderes empresariais e Chicago Boys de carteirinha.  Quando as decisões de governo são analisadas sem preconceito, observamos o óbvio.  As medidas mais contundentes evidenciam a pior faceta do Estado capitalista, quando este aparece como forma jurídico-política da dominação de classes. Esta, no caso brasileiro, é condicionada pela roubalheira institucionalizada do rentismo com a impagável e imoral dívida pública e seus operadores.

Para quem enxerga exagero nesta afirmação convido a leitura dos informes públicos tanto da Operação Lava-Jato como da Operação Zelotes, assim como as razões evidentes da retirada do HSBC do Brasil e suas operações criminalizadas em todo o mundo, incluindo a lista de depositários do HSBC na Suíça (Swissleaks) e o caso da agência central do mesmo banco em Nova York e a lavagem de dinheiro de cartéis mexicanos.

Nesta breve análise, tendo como pano de fundo o 5º Congresso Nacional do PT, concluo que o lulismo vai deixar uma sequela ideológica difícil de ser superada tanto nesta agrupação política como na sociedade brasileira. Superar o paradigma do pacto de classes e do minimalismo vai exigir profunda autocrítica e radicalidade através das bases sociais mobilizadas.






« voltar