Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

Conflitos e direitos indígenas no Brasil atual

uolnoticias

Terenas se recusam a acatar ordem do Judiciário e decidem fazer valer seus direitos, materializando a tensão existente entre os modelos do agro brasileiro e a ancestralidade dos povos originários.

06 de junho de 2013, Bruno Lima Rocha

 

O assassinato do brasileiro de nacionalidade Terena, Oziel Gabriel, ocorrido no município de Sidrolândia (MS) no último dia 30 de maio, é outro episódio de um conflito permanente que boa parte do Brasil urbano insiste em negar. Para além da luta pelo controle das terras ancestrais, o que está em jogo é a condição da sociedade brasileira em comportar outras formas de vida coletiva.

enviar •
imprimir •

Infelizmente, nosso país não tem uma massa de população originária, equivocadamente ainda chamada de indígena. Se tivéssemos o perfil demográfico de países como México, Colômbia, Peru, Bolívia e Equador, certamente um episódio como o ocorrido na fazenda Buriti resultaria em clamor nacional.

 

Não foi o primeiro e nem tampouco será o último embate entre os produtores rurais – em especial os empresários do setor primário – e as nações indígenas. Na mesma região, outro conflito de terras levara a episódios de suicídio coletivo da nação Guarani-Kaiowá. Simultaneamente, a tensão no canteiro da Usina de Belo Monte demonstra que a disputa pela posse da terra, além do uso do solo, põe em jogo as condições de existência e preservação destas culturas.

 

Para compreender a disputa, basta consultar rapidamente algumas bandeiras da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB). Em suas demandas básicas, incluem-se demarcação imediata das terras indígenas; aprovação do Novo Estatuto dos Povos Indígenas, o que implica em frear as PECs e leis complementares que atentam contra os direitos reconhecidos na Constituição de 1988; aplicação da Convenção 169 (OIT) e da Declaração da ONU assegurando consulta prévia e democrática a respeito de decisões que afetam os direitos indígenas; e, co-participação em instâncias oficiais mediante representação paritária nas instâncias decisórias destes direitos.

 

A própria APIB eleva o status desta luta, pois ao gerar a auto-representação, ultrapassa a condição de tutela e delegação indireta através de entidades como o Conselho Indigenista Missionário (CIMI) e as contradições permanentes na Fundação Nacional do Índio (FUNAI). As bandeiras desta Articulação reivindicam a existência e o pleno desenvolvimento como nações dentro de um Estado nacional criado a partir do genocídio de quem aqui vivia e seqüestro para escravidão dos afro-descendentes.  

 

Acertar estas contas não é fácil e nem barato. Logo após os povos indígenas brasileiros aprimorarem sua auto-organização, a partir de 2005, puseram em cheque os projetos de desenvolvimento e produtividade a todo custo.

 

 

Artigo originalmente publicado no blog do jornalista Ricardo Noblat






« voltar