Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

Entre a performance política e os crimes da Usina no Rio Xingu

mepr

A história se repete como farsa das direções encasteladas no falso consenso. As Ligas Camponesas, indo a reboque do presidente que não assumiu e depois não confrontou embora bombachudo fosse, não elevaram o nível de conflito quando houve a possibilidade. Oito anos de Luiz Inácio, e o Belo Monte de estrume joga na vala a credibilidade dos que não rompem com os grilhões do governo do agro-negócio

25 de abril de 2010, da Vila Setembrina do espelho d’água da Barra da Laguna do Mar de Água Doce, Bruno Lima Rocha

Está difícil produzir análise política e não esbarrar no marketing eleitoral. A pressão é grande e a tendência é que abandonemos a caixa de ferramentas (o instrumental teórico-metodológico) para nos ater a prognósticos e probabilidades de aproximação do “humor” do eleitorado. A eleição é um momento crucial na definição de poder, mas a dimensão da política não pode se resumir a corrida eleitoral. Através de debates formais e conversas informais, consultas e polêmicas de todo tipo, dezenas de pessoas vêm me perguntando a respeito dos marcos estratégicos do país. Um incontestável marco passa pelo modelo de desenvolvimento e a forma de geração de energia correspondente.

enviar •
imprimir •

A cada semana me esforço para marcar uma posição que não seja aderente ao individualismo metodológico. Assim, intento transmitir um texto analítico que seja direto, não performático e com mirada estratégica. Ou seja, entendo que o analista deve exercer a honestidade intelectual e tornar explícitos tanto o seu ponto de vista (as premissas), como a sua predição (o que é recomendado fazer). Neste sentido, entendo que observar não passa necessariamente a me ater às performances dos dois candidatos favoritos, Dilma Roussef (PT-RS) e José Serra (PSDB-SP). É difícil falar de temas de fundo quando o que se quer debater é a superfície. Sinceramente, aqui não é o caso.

Como se sabe, não adoto uma posição explícita de preferência entre as candidaturas e isso obedece a um raciocínio lógico. Repito aqui que o espaço de um artigo de opinião não comporta a totalidade do tema, mas sim pode indicar um caminho para construir um discurso de tipo público e que vá além das urnas. Diante das emergências, é fundamental apresentar as pautas correspondentes. Para exemplificar o que digo, basta um tema polêmico. Um deles passa pela concepção de desenvolvimento e a utilização de recursos hídricos.

A noção de energia no Brasil é o represamento de rios. Assim, a usina é uma estampa do desenvolvimento a todo custo do Brasil, do mesmo modo que até hoje a China é movida a carvão. Diante dessa associação de modelos e projetos, fica muito difícil não fazer a correlação de interesses. Nos porões do BNDES se aprova uma represa que é um crime ecológico, um atentado contra nossa soberania e o pior dos usos dos recursos hídricos. Diante desse fato criminal, passando por cima inclusive das bases e normativas legais da legislação de meio ambiente, escorando-se em artifícios do tecnicismo jurídico e da formação de consórcios mais que suspeitos e todos ancorados no dinheiro da população sob o usufruto do Estado, nos damos conta da falta de alternativa política pela falta de projeto de longo prazo.

Um projeto de poder vindo debaixo, organizado socialmente e não rifado, sem estar à mercê do campo de alianças com os oligopólios nacionais, a banca e o baixo clero do Congresso seria possível se fosse gestado há oito anos. No momento, o desespero do emprego da tática do voto útil, mesmo diante de uma derrota contundente como a de 3ª 20 de abril quando se aprova a construção da Usina de Belo Monte, é um atestado de falência das instâncias orgânicas dos movimentos populares ou o golpe tramado por direções encasteladas que se ancoram nas relações pessoais de tipo amiguismo ou exagero da mística em detrimento da saudável crítica e discrepância política.

E agora, com que cara as lideranças de movimentos populares que ainda crêem na balela ou loucura coletiva do conceito de “governo em disputa” irão afirmar a defesa de e necessidade de um “apoio crítico” da continuidade de Luiz Inácio e sua trupe?! Isso não quer dizer e nem sequer associar a crítica ao vice-reinado do tucano Henrique Meirelles e dos crimes ambientais e societários como a transposição das águas do Rio São Francisco e outras propostas ensandecidas, com um apoio tácito ao tucanato oficial de Serra e Cia. na São Paulo de Piratininga. Justo ao contrário, até porque mudar e transformar a sociedade debaixo para cima está muito além de um acórdão eleitoral, entre alianças nefastas, interesses espúrios e sandice tática.

A condição de criar um novo pólo de poder passa por uma visão de protagonismo e dianteira na política, desatrelando os projetos estratégicos do povo em movimento (ex: a defesa dos recursos hídricos, das formas de vida tradicionais e da semente nativa) do governo de turno. Parece que nunca aprendemos no Brasil as lições das histórias dos países hermanos.

Na Bolívia, logo após a Guerra do Gás (2003) quando o povo de El Alto e de La Paz expulsou o gringo presidente, Gonzalo Sánchez de Lozada (o Goni), as coordenações de movimentos populares deram um ultimato de 120 dias para o então recém empossado vice-presidente que assumira, o empresário midiático Carlos Mesa. Antes dos quatro meses correspondentes, as forças sociais organizadas para a emancipação das maiorias tomavam as ruas e faziam valer seu programa de reivindicações. O tecido social-produtivo era atado na ação popular e não em negociações estranhas ou manobras jurídicas. Acreditem, até a vitória eleitoral de Evo Morales à frente do MAS é fruto desse protagonismo não-instrumentalizável. A constituição boliviana atual e sua pluralidade jurídica-política é a colheita da semente da autonomia das instâncias do povo diante do aparato oficial de intermediação. Há escolhas para fazer e preços a pagar. O da omissão política no campo popular é a represa que a tudo mata, alagando a Amazônia e retomando as mazelas do período do Milagre Econômico da Ditadura!

Diante dessa lição da história e da luta política, após o crime de Belo Monte, como não defender um projeto popular para além da democracia indireta dos representantes profissionais e gestores do Estado a serviço dos oligopólios?

Este artigo foi originalmente publicado no portal do Instituto Humanitas Unisinos (IHU)






« voltar