Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

Repsol: palmas para a Argentina

Terra

Mais do que uma ação de governo, a estatização da YPF representa a soberania do povo argentino sobre o capital estrangeiro.

20 de abril de 2012, Bruno Lima Rocha

A (re)-nacionalização da empresa Yacimientos Petrolíferos Fiscales (YPF) foi uma ação correta. O equivalente a Petrobrás argentina, privatizada a preços ínfimos e cuja compra fora com moeda podre foi retomada através do controle acionário por parte do Poder Executivo.

E, ao contrário do que por aqui foi veiculado sobre a espanhola Repsol, “dona” da YPF S.A., esta petrolífera não é necessariamente uma investidora.

Pouco ou nada foi realizado após sua aquisição no meio da farra de pizza com champanhe (em 1993), característica dos governos de Carlos Saul Menem. Aliás, foi o não cumprimento de metas contratuais o que oportunizara a presidente Cristina Kirchner executar uma vontade política das maiorias eleitorais da Argentina.

enviar •
imprimir •

Só é possível compreender a dimensão das medidas de Cristina se houver algum conhecimento a respeito do significado para a sociedade argentina, tanto da Era Menem em geral, como da YPF em particular.

A petrolífera dos hermanos teve sua primeira versão no governo Hipólito Yrigoyen, no ano de 1922. Entre 1928 e 1930 a YPF se concretiza como empresa de petróleo, mas ainda sem o monopólio, e enfrentando a pressão da Standard Oil e da Shell.

A ação das transnacionais dera resultado, sendo fator determinante para o golpe de Estado de 1930. Como de hábito, um dos idealizadores do empreendimento nacional, a exemplo de Enrique Mosconi, renuncia ao seu cargo à frente da YPF e morre no ostracismo em 1940.

É somente em 1949 que o monopólio é assegurado, já no primeiro governo peronista. Isto dura até o auge da Era Menem, quando o Partido Justicialista (PJ) abandona as posições históricas.

Não é mensurável para nós os desmandos e a corrupção dos oito anos de Menem (1989-1998), o fracasso da Aliança (com De la Rúa) e os quase dois anos de governo tampão de Duhalde (2002-2003).

Se comparados com a Argentina, o livro de Amaury Ribeiro (Privataria Tucana, Geração Editorial, 2011) é um conto de fadas. Assim, retomar o controle nacional, respeitando as vontades manifestas pela maioria dos argentinos, é o mínimo que se espera de um governo eleito. Senão, seria apenas a cópia dos gerentes anteriores.

Para além das acusações de populismo e de ocultar uma “crise”, qualquer pessoa que conheceu a Argentina das décadas anteriores, sabe que hoje há tudo, menos crise!

É preciso entender que os argentinos foram saqueados nos anos ’90, derrotaram um projeto neoliberal através de uma rebelião popular (dezembro de 2001) e exigem medidas de retomada do patrimônio.

Este artigo foi originalmente publicado no blog do jornalista Ricardo Noblat.






« voltar