Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

A “credibilidade” das pesquisas eleitorais


A geni dos institutos de pesquisas, Carlos Augusto Montenegro, presidente do Ibope e dublê de cartola do Botafogo de Futebol e Regatas. Homem ousado, não arrisca chafudar a imagem do próprio instituto após errar tanto ao executar um mecanismo de “precisão”.



O debate sobre o efeito das pesquisas de intenção de voto no desfecho das disputas eleitorais é longo e mal resolvido. Enquanto o Brasil busca fiscalizar as condições técnicas de realização das análises, outros países proíbem a divulgação de resultados na proximidade das eleições. É fato inegável. Pesquisas são estimativas, porque não se mede opinião de fora instantânea, mas somente um retrato automático da influência.

O próprio campo científico da política questiona a exatidão dos levantamentos de opinião. Sem entrarmos em falsas polêmicas de pesquisas quantitativas X pesquisas qualitativas, o fato é que não um rigor e precisão de opinião imediata sem o mesmo grupo e controle. Opinião Publica é um tema de fundo na política e na comunicação, e não serão as pesquisas para governador ou presidente que irá sanar estas dúvidas.

Até o momento, esta prática vem sobrevivendo às críticas diante de uma margem de erro “relativamente” controlada. No Rio Grande do Sul, contudo, os desencontros dos resultados dos estudos e das urnas, a exemplo da eliminação do candidato Rigotto, abalam a credibilidade das análises eleitorais. Quando a margem ultrapassa um imite determinado, toda a pesquisa fica invalidada.

Para compreender as causas deste fenômeno, é necessário observar as mudanças recentes no comportamento dos eleitores, desencantados com a política institucional após os escândalos de corrupção no governo federal, e o jogo de interesses envolvido na divulgação dos estudos nos veículos da grande mídia. A maioria dos eleitores deixou de decidir o seu voto nas últimas semanas ou nos últimos minutos, orientados pelos resultados das pesquisas e pela cultura do “voto útil”. Isso porque a descrença dos brasileiros os torna menos suscetíveis à influência dos meios de comunicação e ao processo de fabricação da opinião pública. Trata-se de um efeito que só poderia ser identificado com pesquisas qualitativas de profundidade, em contrapartida a superficialidade quantitativa das atuais pesquisas de opinião.

Ainda assim, o estrago é grande.

Em períodos eleitorais, mais do que em outros, os grupos de mídia têm preferências políticas expressas implicitamente na publicação dos resultados. São informações politicamente contaminadas distribuídas a partir de um discurso de isenção. Ainda assim, supondo que os resultados estejam sempre corretos – dentro da margem de erro correspondente a cada instituto de pesquisa –, resta uma enorme possibilidade de enquadramentos dos resultados. Ou seja, a divulgação sempre privilegiará um determinado índice dos resultados, favorecendo um candidato e prejudicando outro, indicando quedas e subidas ou a tendências inseridas nas margens de erro sujeitas às diversas interpretações.

Pesquisas equivalem, em uma campanha política, a um atentado a bomba com efeitos retardados e imediatos.

enviar •
imprimir •






« voltar