Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

Eleições no Equador e o fantasma de Arbenz


Álvaro Noboa, empresário bananero, vira do 1º para o 2º turno com vantagem em relação a Rafael Correa, candidato mais à esquerda, embora ainda flertando com o social-liberalismo.



O sistema mundo, falsamente apelidado de “comunidade internacional” está com suas atenções voltadas para um país com grandes riquezas naturais. Apesar de rico em vários produtos, dentre elas as clássicas bananas e petróleo, mais da metade de sua população vivendo na pobreza, o Equador. O motivo é a realização de eleições que podem pender as forças na América Latina a favor de política anti-EUA. Isto pode significar um arco de aliança mais próximo dos presidentes da Venezuela, Hugo Chávez, e da Bolívia, Evo Morales.

Nove milhões de equatorianos foram às urnas no último dia 15 para escolher um novo presidente e vice-presidente, renovar o Legislativo, designar os deputados andinos e votar os conselheiros, vereadores e outras autoridades locais. Nenhum dos treze candidatos à presidência atingiu 40% dos votos, condição para vencer o primeiro turno. O eleito será o oitavo líder do país em um período de dez anos, já que o povo destituiu seus três últimos presidentes do poder e apenas três completaram seus mandatos desde 1979.

O primeiro turno contou com uma votação tranqüila, mas a apuração causou protestos no país. Sob responsabilidade da empresa brasileira E-Vote, a contagem dos votos deveria ser concluída no próprio dia das eleições, mas foi suspensa com 70% das urnas apuradas devido a um suposto colapso no sistema de computador. Observadores externos, como representantes da Organização dos Estados Americanos (OEA), acompanharam o processo sob a alegação de garantir a transparência do pleito. A Corte Suprema Eleitoral do Equador cancelou o contrato de US$ 5 milhões (R$ 10.6 milhões) com a empresa brasileira no dia seguinte à votação.

Correa X Noboa

Com posturas notoriamente contrárias, disputam à presidência do país, no próximo dia 26 de novembro, o milionário pró-Estados Unidos Álvaro Noboa, do Partido Renovador Institucional Ação Nacional, e o esquerdista Rafael Correa, do movimento Aliança País. Eles deixaram para trás outros favoritos como León Roldós, da aliança Rede Ética Democracia e Esquerda Democrática, e a única mulher candidata, Cynthia Viteri, do Partido Social Cristiano. Gilmar Gutiérrez, irmão do ex-presidente destituído Lucio Gutiérrez, foi a surpresa das eleições. Embora pouco cotado, conseguiu terminar na quarta colocação, na frente de Viteri e quase empatado com Roldós.

O Equador deverá escolher no segundo turno entre um candidato que se opõe ao Tratado de Livre-Comércio com os Estados Unidos e critica os organismos internacionais de crédito e o presidente americano, George W. Bush, como Correa, e outro com um pensamento completamente oposto. Noboa não é apenas contrário a quase tudo que Correa defende, especialmente no campo das relações internacionais, mas é taxativo em assegurar que não manterá relações com Cuba ou Venezuela, cujo presidente, Hugo Chávez, é amigo pessoal do candidato esquerdista equatoriano. Correa, que se define como um homem de esquerda, mas não de uma esquerda marxista, e sim de uma esquerda cristã, é tachado por Noboa de comunista, enquanto o multimilionário se diz um liberal e um enviado de Deus. Contudo, ambos coincidem em afirmar que manterão a dolarização, um esquema econômico pelo qual o Equador abriu mão de sua moeda, em 2000, para adotar o dólar americano.

Correa, que é ex-ministro de economia e finanças do atual governo, prometeu suspender acordos de livre comércio com os Estados Unidos, reescrever a Constituição para fortalecer os poderes do presidente, revisar os contratos do Equador com as companhias de petróleo (inclusive a Petrobrás) e conquistar uma "revolução dos cidadãos". Noboa, bem-sucedido empresário exportador de bananas que tenta chegar à presidência pela terceira vez, prometeu construir casas e criar empregos para levar os pobres do Equador à classe média e dar apoio ao livre mercado, assinando um tratado de livre comércio com os Estados Unidos. Além disso, distribui computadores, cadeiras de roda e remédios para a população e usa a Bíblia em seus comícios.

É preciso uma reflexão de fundo. Qualquer semelhança entre o estilo de fazer política de Noboa e o engenheiro agrônomo Alberto Fujimori, não será mera coincidência. A importância é o fato do povo equatoriano se acostumar a derrubar governos eleitos, em especial aqueles que praticam duplo discurso e depois baixam decretaços como este que dolariza a economia. Lástima que a primeira medida, embora combatida, tende a sedimentar na estrutura de controle do país. O lastro econômico entra como contraponto forte, e aí joga a função estratégica da aliança acenada por Chávez.

A maior virtude pode virar o maior problema. Chávez perdeu uma eleição no Peru e, de acordo com a contra-ofensiva das oligarquias locais, pode vir a ser derrotado novamente no Equador. Ironia maior seria perder, literal e novamente, para uma nova versão da United Fruit Co. Jacobo Arbenz pode vir a morrer novamente.

Pesquisa e redação de Camila Reinheimer

Revisão de Bruno Lima Rocha

enviar •
imprimir •






« voltar