Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

A ocupação de Wall Street e a luta simbólica

occupywallst.org

A coalizão e o apoio de sindicatos e fortes associações civis, encorpa o movimento originalmente composto por estudantes e indignados. Pouco a pouco, o movimento social no coração da besta Imperial redescobre a si mesmo e a potência das raízes radicais da democracia americana.

07 de outubro de 2011, da Vila Setembrina, Bruno Lima Rocha

Se algo é essencial em qualquer estrutura de domínio, além de forjar o consentimento da maioria silenciosa, é afirmar símbolos comuns. Os ícones representam mais que a si mesmos, sendo síntese de uma proposta civilizatória. Para o capitalismo praticado em escala global e propagado através dos Estados Unidos, o epicentro do poder está no número 11 de Wall Street, cidade de Nova York, onde se localiza a Bolsa de Valores (NYSE). A ocupação simbólica deste espaço geográfico pode não ter conseqüências políticas diretas, mas representa um soco no fígado do capital financeiro.

enviar •
imprimir •

É curioso observar como a ação começa. Tem momentos em que a vida imita a arte, ou ao menos, as versões mais agitadas desta. Numa passagem do filme Capitalismo: uma história de amor (2009) de Michael Moore, o diretor enrola a entrada da sede Bolsa de Valores de Nova York com fita de isolamento para cenas de crime, e antes tenta executar uma prisão – como cidadão – da diretoria da empresa de seguros AIG. Obviamente que Moore é reprimido e chega até a apanhar da segurança privada. De tão relevante, a idéia permaneceu.

Na edição de 13 de julho, o grupo de ativistas culturais Adbusters.org publica na contracapa do número 97 de sua revista impressa uma convocatória para que, no dia 17 de setembro, milhares de cidadãos estadunidenses ocupassem a Wall Street, reproduzindo em Nova York um momento como da Praça Tahrir, de Cairo, capital do Egito. Para espanto dos proponentes e desespero dos entusiastas da especulação financeira, 5000 pessoas marchavam neste dia, atendendo a convocatória despretensiosa. De lá para cá, o movimento segue ativo, espalhando-se por outras cidades da superpotência e defrontando-se com a espiral do silêncio da mídia corporativa deles e, como era de se esperar, uma escalada repressiva.

A revolta das pessoas com um nível de informação razoável é saber que as máximas: “grande demais para falir” (too big to fail) e “grande demais para ir preso” (too big to jail), são simplesmente reais. Isto foi demonstrado em reportagens de fôlego por centros de jornalismo cidadão como Propublica.org e IwatchNews.org. Neste bojo, documentários como Trabalho Interno (Charles Ferguson, 2010) e o predecessor sobre a falência fraudulenta da empresa de energia Enron (Alex Gibney, 2005) sedimentaram um terreno mais que fértil para a revolta cidadã.

Diante dos efeitos nefastos que a “fraude com nome de crise financeira” vem causando, não se pode desconsiderar a acumulação de forças que um ato como a ocupação de Wall Street traz consigo.

Este artigo foi originalmente publicado no blog do jornalista Ricardo Noblat

Obs1: o portal Estratégia & Análise, com a modéstia e a tenacidade de sempre, soma-se às palavras de Noam Chomsky, empunhando lanças contra o gangsterismo do capital financeiro e seus asseclas midiáticos.

Obs2: diante do dever de ofício e do posicionamento junto às barricadas do pensamento crítico, membros deste portal participam de um esforço do Grupo de Pesquisa Cepos (Comunicação, Economia Política e Sociedade) em decifrar e denunciar a “fraude com nome de crise” e tomaram a iniciativa de fundar, dentro do Grupo, o Núcleo Interdisciplinar de Estudos da Globalização Transnacional e da Cultura do Capitalismo (NIEG). Posicionamo-nos ao lado dos 99% mirando nas teses e enunciados fraudulentos dos 1% dominantes.






« voltar