Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

A mídia eletrônica na política do Rio Grande


A Praça da Matriz é um alvo seguro de 9 entre 10 publicações especializadas que circulam pela Província de São Pedro. A mídia eletrônica faz parte desse contingente.

3ª, 24 de abril de 2007, Vila Setembrina dos Farrapos, Continente de São Sepé

O episódio da queda do ex-secretário de segurança pública do Rio Grande do Sul pode ser um belo estudo de caso. O objeto de análise que proponho não é o perfil de Enio Bacci (PDT-RS), dos delegados da Polícia Civil ou dos denunciantes. Queria trazer uma observação acurada da ferramenta internet na forma atual de fazer política. E, simultaneamente, arriscar analogias com a mídia impressa de duas ou três décadas atrás.

enviar •
imprimir •

Registrado está na história do Brasil às situações onde a mídia operou como um agente político. Não se trata de crítica, mas de constatação. Na semana da queda do campeão de audiência do estado, o escândalo foi outro. Vítor Vieira e seu portal Vide Versus simplesmente falaram aquilo que é de conhecimento público. Na era da desinformação, a edição dos enunciados é tão importante como a forma de proferi-los.

O eixo da denúncia passou pela constatação de que o delegado de Polícia Civil gaúcha, Luís Carlos Ribas, respondia a processo na Justiça Federal. Ou seja, a crise e o problema seriam fáceis de evitar. Bastaria com que Enio não o chamasse da Prefeitura para a Secretaria de Segurança Pública. Não quero com isso dizer que alguém processado seja condenado a priori. Longe disso. Mas, para impedir a fumaça, é preciso que não haja fogueira.

A mala direta com mais de 91.000 emails foi se referindo ao caso como o mar batendo no rochedo. Foi necessário um momento propício para que a denúncia de um processo judicial se tornasse ferramenta de trabalho político. E por quê? Pelo simples fato de que a verdade factual por si só não basta.

Uma mentira repetida mil vezes tem a chance de se tornar uma meia verdade. Mas, uma verdade inconclusa e parcial torna-se uma idéia pensável. Este conceito não é meu, mas de Noam Chomsky. Assim, quando no 1º escalão da área mais sensível de qualquer governo estadual do Brasil, não se pesquisa a vida pregressa nem a folha corrida no Judiciário, algo está errado.

Quando este erro é reiterado pela omissão da grande mídia, por interesses vários, é fatal que a mesma seja furada. Eis o ocorrido. Menores cotas de patrocínio e publicidade pode implicar em maior recuo, jogando na defensiva, ou então o diferencial. Não por acaso o lema do finado semanário Pasquim era: “O rato que ruge!” Na esteira do comportamento passivo e pouco crítico da maioria dos jornalistas brasileiros, em geral (me perdoem as exceções) o que se nota é a cobertura adesista.

Dezenas de âncoras de rádios de noticias do Rio Grande eram fãs de carteirinha de Enio Bacci. Mas, como jornalistas diplomados e com registro profissional, o mínimo que deveriam fazer era verificar a origem das denúncias. Bastava um colaborador com carteira da OAB e estava solucionado o “mistério”. Entre a prática chapa branca e o fontismo, por uma semana, o governo do estado parou.

Por motivos diversos, incluindo um grau de barganha ávida por mais cargos, o PDT se solidarizou com seu secretário mais popular e debandou do governo de Yeda, Ariosto, Carlos Crusius, Aod, Schüller e cia. Sem nenhum problema, o partido de tradição brizolista, salta do Piratini ao Planalto com grande desenvoltura. Juntou-se a fome com a gula. Com mais popularidade do que a mandatária, Bacci caiu, abdicando momentaneamente da possibilidade de investimento a largo prazo para que os herdeiros políticos de Leonel de Moura Brizola retornem ao governo do Rio Grande.

A internet e os colunistas mais conhecidos, reproduzem um impacto outrora atribuído à extinta Folha da Tarde. O editor da Revista Voto, Afonso Licks, uma das penas mais inteligentes e éticas do Rio Grande, me explicou o papel do veículo. O ágil vespertino circulava entre os corredores do poder do Estado, no meio do funcionalismo. Entre o Centro Administrativo e a Praça da Matriz, um terço dos formadores de opinião com caneta forte recebiam o produto do antigo Grupo Caldas Jr. A Folha da Tarde era temida.

Considerando que a mídia impressa perde agilidade para os meios eletrônicos, o temor passou para o jornalismo na internet. É certo, cada vez mais o colunismo substitui a reportagem. Mas, ainda que lavado, o discurso jornalístico, disparado por uma mala direta poderosa, munida com informações factíveis, segue causando destroços. Enio Bacci que o diga.

Artigo originalmente publicado no blog de Ricardo Noblat






« voltar