Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

Gilberto Kassab, o PSD e a nova direita

blogdotarso.com

A nova direita: o PSD elege 497 prefeitos tendo apenas um ano de existência.

08 de novembro de 2012, Bruno Lima Rocha

Do jeito que a coisa vai, não sobrará oposição de direita no Brasil. Tal processo começa no início do segundo semestre de 2005, quando PFL, PSDB e PPS tinham elementos suficientes após o inesquecível depoimento de Duda Mendonça, para tentar colocar o custo do chamado Mensalão no colo de Luiz Inácio.

Recalcitrantes, ninguém quis arriscar a governabilidade e tampouco havia apoio popular para a medida.

enviar •
imprimir •

Se em 1992 Collor cavou a própria tumba ao convocar o povo brasileiro a defender seu presidente vestindo verde e amarelo em um domingo de sol, dessa vez não houve valente para conclamar uma Marcha por Deus e pela Democracia no Centro de São Paulo. Estava aberta a cunha para o racha dos arenistas da oposição.

Gilberto Kassab, alçado a prefeito após a saída de Serra para disputar o governo estadual, tem trajetória e ascendência semelhante a outro engenheiro paulista de origem árabe, Paulo Maluf.

Uma vez à frente do terceiro maior orçamento público do país, surge no cenário nacional como um operador de primeira grandeza.

Após a vitória de Dilma, o senso de oportunidade fala mais alto, e a lógica de ocupar espaços em qualquer governo promove a ruptura na antiga Frente Liberal. Com o discurso de uma “agenda positiva e de centro”, o Partido Social Democrático cresce vertiginosamente, engolindo antigos correligionários pefelistas, aproximando-se da enorme leva de arenistas, que está no governo da herdeira de Lula.

O PSD elege 497 prefeitos tendo apenas um ano de existência. Nascido em 27 de setembro de 2011, incorpora a sigla das velhas raposas aliadas ao getulismo, socialmente baseadas no latifúndio e nas elites políticas regionais. A atual motivação da legenda em nada faz jus à tradição udenista do extinto PDS e do DEM re-configurado.

O antigo PFL, após a experiência social-liberal, sendo co-governo durante os oito anos de Fernando Henrique (PSDB), deixa o poder perfilando a oposição mais ferrenha, personificada pelo senador catarinense Jorge Bornhausen - ele mesmo, hoje apoiador do partido de Afif e Kassab.

Diante de tal comportamento, a análise realista é a de uma ala conservadora que vê na sobrevivência política sua atividade-fim, e não atividade-meio para levar adiante um conjunto de ideias.

Justiça seja feita, poucos setores oriundos do PDS permanecem fieis às posições tão reacionárias como a UDN, sob liderança de Carlos Lacerda. Se Charles de Gaulle dizia que “o Brasil não é um país sério”, a direita política justifica a crítica, pois não é tão séria assim.

Este artigo foi originalmente publicado no blog de Ricardo Noblat.






« voltar