Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

Delfim, Lula e o centro da política


Delfim, conselheiro de Lula, reforça a velha política de crescimento econômico dos seus tempos de Ministro da Fazenda na ditadura militar: aumentar o bolo cada vez mais. Dividir? Depois ele pensa nisso.

4a, 25 de dezembro de 2007; Vila Setembrina dos Farrapos

No domingo dia 23 de dezembro, o jornal Zero Hora trouxe uma entrevista com Antonio Delfim Netto. Nas páginas 10 e 11, o repórter Moisés Mendes decorreu sobre sua conversa ao telefone com um dos conselheiros do ex-líder sindical Luiz Inácio da Silva. Li e reli a matéria e me veio à mente uma afirmação que considero falsa. Segundo as palavras do ex-ministro de Emílio Garrastazu Médici, ele se posiciona no “centro”. Por esta lógica, no Brasil não existe direita. Digo mais, a ausência de direita assumida, permite a confusão ideológica, escamoteando legendas de “esquerda” que governam por direita. É o caso de Lula.

Discordo profundamente da idéia de ausência de polarização ideológica.. No Brasil temos direita sim. Pode-se afirmar a existência de uma direita hegemônica, pregando o neoliberalismo através de receituário macroeconômico que não passa de política financeira. Os demais projetos rendem subserviência a esta primeira. É por isso que na essência, não existe diferença entre os projetos desenvolvimentistas capitaneados por Dilma Roussef, e as críticas internas feitas por José Serra durante o segundo mandato de Fernando Henrique. Este consenso de “maturidade política” é tão forjado quanto os produtos piratas campeões de venda nas ruas do Centro de Porto Alegre.

enviar •
imprimir •

O motivo deste tema para o último artigo do ano é porque o economista Delfim Netto afirmou justamente o oposto durante a entrevista. Na página 11, o criador da maxidesvalorização do cruzeiro (em 1983), apresenta uma pérola:

“Esse negócio de esquerda e direita não passa de sinal de trânsito. Todo mundo viu onde termina a esquerda. Em geral no buraco. A direita também no buraco. De forma que é melhor ficar no centro.”

Estas palavras provêm de uma das maiores autoridades econômicas do Brasil, professor da USP e um dos cérebros da ditadura. Portanto, não é presumível que sejam proferidas dentro de uma pretensão acadêmica ou teórica-analítica. Como saem da boca de erudito e não tem rigor algum, formam parte de um enredo que é pura peça de propaganda política. Eis que o homem que foi ministro da Fazenda, da Agricultura e do Planejamento servindo a ditadura antes, durante e após o AI-5 não é de direita. Se Delfim Netto não é de direita, então não existe direita no país.

É outro fenômeno de nossos tempos. A trajetória política fica encoberta mediante uma simples declaração. Por mágica, o passado se apaga ou torna-se fato indesejável. Personagens são reconfigurados e o país perde a memória. Romeu Tuma deixa de ser o cérebro da máquina repressiva cujo braço era Sérgio Paranhos Fleury e torna-se o “Xerife do Brasil”. O então presidente José Sarney, deixara de ser da UDN, da Arena e do PDS e governa pela aliança “democrática”. Um que outro político defende a ditadura e o período de exceção, mas são mais caricatos do que orgânicos. Isto é típico de um país desconhecedor da própria história. Sem memória, o futuro é o passado.

Retornando às pérolas de Delfim, a seguinte chama ainda mais atenção: “Continua essa idéia de que ser de esquerda é elegante e ser de direita é pernicioso. Por quê? Porque são estereótipos que foram inventados.” Ou seja, aspirações humanas surgem no discurso do homem responsável direto pelo endividamento brasileiro como chavões. Responde ao seu próprio estereótipo – aliás, mais que merecido – com outro. Ele está no “centro”, seja lá o que isso queira dizer. Já o patrimônio simbólico da classe trabalhadora tem de conviver com o criador do Milagre e uma de suas criaturas, Lula, jogando no mesmo time. Isto porque, mesmo governando com o estigma e a marca eleitoral de “esquerda”, o governo de Luiz Inácio assegura a mesma correlação de forças em todos os setores e eixos de poder no Brasil. Traduzindo, é um governo de direita.

A presença de tucanos em postos estratégicos do governo assegura essa continuidade. O caso mais conhecido é de Henrique Meirelles, como regente do Banco Central e à frente do Copom. Outro tucano, ganhando destaque recente é Ronado Sardenberg, presidente da Anatel. Capitaneando a nau da convergência e abrindo espaço para a presença de transnacionais na produção de conteúdo, o ex-chefe de inteligência do primeiro mandato de FHC tem importância cada vez maior. Outra forma de assegurar a configuração de direita do governo, além dos tucanos e do baixo clero da base “aliada”, é a lista de

Arenistas dentro e ao lado do Planalto. Neste time, Delfim Netto é o craque, mas não é o único.

Na área sensível da inteligência pouco ou nada foi mudado. O ex-Diretor Geral da Polícia Federal, Paulo Lacerda, hoje dirigindo a Abin, é homem de confiança de Romeu Tuma. Seria o mínimo de sensibilidade e tato político evitar a continuidade na política econômica e no controle do aparato repressivo. Ocorreu justo o oposto. Entendo que com este co-governo de ex-desafetos políticos, fica completa a transição política no Brasil. Isto porque a política é uma interseção da economia e da ideologia, e vice-versa. Ninguém apaga seu passado político, por mais que o esconda. Renegar é como trair; e a traição é parte da política profissional. O economista de São Paulo é tão responsável pelo horror da ditadura quanto o foi Orlando Geisel ao comandar o estado de guerra interna. Delfim Netto é um ícone.

É mais significativa sua aliança com Lula do que a presença de Márcio Fortes, homem da cota de Severino Cavalcanti (PP), no Ministério das Cidades. De certo modo, o ex-metalúrgico é um pouco cria do criador do Milagre. Delfin promoveu a dívida e compartilhou em parte dos planos do Brasil Potência. Roeu a corda duas vezes. A linha dura militar acreditou neste projeto, mas perdeu a luta interna. Delfim pegou “exílio” na embaixada brasileira na França e depois voltara para servir no governo Figueiredo, onde quem dava as cartas eram os “sorbonistas”, com Golbery manejando as cordas. Ficou ao lado dos vencedores e enterrou seu Milagre com uma pá de cal. Nunca custa lembrar que o arrocho salarial foi fator de mobilização ainda mais forte do que a Anistia e a redemocratização. Assim, os peões foram para as ruas contra Delfin. Hoje, a grande liderança popular da Abertura governa ao lado de seu maior inimigo. Quem traiu?

Voltando à matéria, Delfim joga confetes para todos os lados. Elogia os governos de São Paulo, de Minas, da Bahia e do Rio Grande. Compara-os com o governo Central, dizendo literalmente: “O governo está realmente privatizando tudo o que pode, fazendo concessões, acelerando investimentos do PAC”. Enquanto isso, reconhece que as verbas da CPMF dificilmente iriam para a sáude, e ainda se fossem, não solucionariam o problema crônico do SUS. Rasgando elogios aos planos e metas de desenvolvimento subordinado ao capital financeiro, o ex-candidato a deputado federal pela legenda de Orestes Quércia dá a entender que não existe saída por fora da ciranda financeira e do “ajuste austero”. Existe sim

Esta é apenas mais uma afirmação falaciosa. É algo tão absurdo quanto dizer que Delfim Netto não é de direita, mas de “centro”. É tão errado quanto concluir que um governo que paga quase R$ 17 milhões de juros por hora possa ser de esquerda.

Artigo originalmente publicado no blog de Ricardo Noblat.






« voltar