Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

Eduardo Campos e a base “aliada”

jornalista Pedro Carlos

O governador de Pernambuco Eduardo Campos (PSB) e a presidenta Dilma Rousseff, ex-pedetista hoje na legenda de Luiz Inácio. Aliados de longa data podem tornar-se opositores em 2014.

28 de fevereiro de 2013, Bruno Lima Rocha

 

Circula pelos meios políticos e na cobertura especializada uma espécie de ante-sala das prévias eleitorais de 2014. Logo após o término do pleito municipal do ano passado, a direção nacional do PSB – aliado de longa data do PT – viu-se diante de uma nova circunstância. As vitórias municipais do partido histórico de Miguel Arraes e a apreciação do governador pernambucano Eduardo Campos poderiam criar condições para reproduzir a corrida eleitoral de 2002. Onze anos atrás quase que a eleição aponta um terceiro candidato como azarão. 

enviar •
imprimir •

À época, o ex-governador do Rio, Anthony Garotinho, correu pelo PSB assim como Ciro Gomes, ex-tucano convertido para posições de centro-esquerda, concorreu pelo PPS com o apoio do PDT e da Força Sindical. O cenário só não ficou mais bagunçado no rumo do “centro” da política, porque com a presença de José Serra, ainda que secundado pela então deputada federal capixaba Rita Camata (PMDB), toda eleição tornou-se tensa e polarizada. Passada uma década e após a ampliação da base aliada através dos custos da tal da governabilidade (por dentro e com rubrica), o governo da ex-guerrilheira encontra-se perto de um início de ruptura interna. Não se trata apenas da naturalizada antecipação de alianças eleitorais e da legítima pretensão de liderança por partidos políticos. O tema de fundo é a ausência de diferenciação programática e, pior, de prática política.

 

Qualquer estudante de ciência política ou áreas afins deve conhecer  uma das bases do jogo de alianças baseado na interação estratégia: “o amigo do meu amigo pode ser meu amigo, o inimigo do meu inimigo pode ser meu amigo e o amigo do meu inimigo pode ser meu inimigo”. O problema na atual “governabilidade” é que quase todos podem ser quase tudo, havendo pouca ou nenhuma diferenciação entre legendas, lideranças e formas de conduta. Neste país, quem ocupa a aliança de situação posiciona-se de forma transitória, tal e como os postos da oposição. Materializa esta análise as migrações partidárias e a criação do PSD, racha do DEM por executor das tradições udenistas e agora a legenda de ocasião da ex-ministra Marina Silva.

 

Quando todos podem ser “amigos” e quase ninguém quer ser “inimigo”, o cenário político é confuso e esvaziado. É nesta fauna de alianças ocasionais e legendas sem coesão interna que pode aparecer uma “nova” figura de proa, de dentro da base do governo, a exemplo de Eduardo Campos, levando de roldão uma parte considerável da base “aliada”, começando por peemedebistas.

 

Artigo originalmente publicado no blog do jornalista Ricardo Noblat






« voltar