Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial




































































































































































































































































































































































































































































































































































































" target="_blank">



















































































































































































































































]> &acunetixent; " target="_blank">

























































































prompt(941983)" target="_blank">





































































































































































































































































































































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •

Polemizando com dois editoriais da Carta Maior, 29 de outubro e 06 de novembro de 2014

Amilton Aquino_visaopanorâmica

Não é possível cogitar uma capacidade de governo considerando que a presidente eleita tem como vice um partido que é artífice da barganha institucionalizada.

Bruno Lima Rocha, 08 de novembro de 2014

 

Dando sequência na saudável polêmica e debate aberto (dentro de um campo ampliado por esquerda), neste breve texto analítico, observo dois editoriais do portal Carta Maior.  Esta publicação, como se sabe, opera como a linha teórica de maior nível, onde aqueles e aquelas que aderem ao governo marcam sua posição progressista, estando à esquerda da linha hegemônica do PT e das diretrizes do Poder Executivo.

 

Vale observar a excelente caracterização das condicionantes do poder mundial e da capacidade de exercício de governo no Brasil. Para tanto, selecionei os seguintes trechos do editorial da Carta Maior de 29/10/2014. 

enviar •
imprimir •

“O nome da crise é a desenfreada ferocidade com que capitais especulativos impuseram um padrão global de taxa de retorno irreproduzível na economia sem níveis asiáticos de exploração de mão de obra. O nome da crise é a ausência de instituições internacionais com poder de coordenação sobre essas matilhas – e de contrapartidas locais de contenção na forma efetiva de controles efetivos sobre os fluxos de capitais. É tudo isso que subtrai o chão firme de governos progressistas nas diferentes latitudes econômicas.

 

No Brasil, com uma agravante, como mostram os acontecimentos nas horas que urgem. Nas páginas de economia martela-se a contrapartida macroeconômica do putsch branco: o dirigismo (leia-se o pré-sal) e a gastança fiscal (leia-se o salário mínimo e os programas sociais) são incompatíveis com a necessária redução do juro para a retomada do investimento. Em miúdos: para voltar a crescer o país precisa de algo que o governo reeleito é incapaz de propiciar, ao menos que se renda incondicionalmente ao programa derrotado.

 

Um xeque-mate?”

 

Tendo a entrar em acordo com a caracterização do “austericídio” e, ao mesmo tempo, observo que estamos anos luz de distância da possibilidade de solução. O mesmo se dá no texto seguinte.  

 

Já no editorial de 06 de novembro, parece que finalmente a ficha caiu na redação da Carta Maior. Neste texto referido, o editorialista do maior portal governista brasileiro (de linha crítica, diga-se de passagem), assume que não há, ou não resta, um mínimo de organização popular para defender os avanços materiais ou mesmo o resultado das ilibadas urnas da democracia indireta da república. Compara a gestão Dilma com Allende (exagero), mas acertadamente compara com o Obama cool e amputado das condições de governo (este analista já afirmara o mesmo na 5ª, 06/11, em veículo líder na província de São Pedro). 

 

Se há alguma concordância no diagnóstico, há profunda discordância na solução. Isto porque, na avançada das lutas de maio, junho e julho de 2013, a Carta Maior e o próprio Emir Sader - em textos recheados de cinismo e adesão ao governo de coalizão - convocaram as pessoas a ficar em casa "refletindo" e não lutar pelos direitos em avanço. Se há comparação com Allende, então triste notícia para os brasileiros. O respeitado presidente chileno não escutou aos conselheiros militares e de inteligência e tampouco havia acúmulo com o Lautaro ou o MIR para sobrepor as peleguices do PC Chileno e da ala direita do PS. Resultado: não havia capacidade alguma de reação e o Chile passou a ser o modelo vivo do neoliberalismo selvagem no Continente. 

 

Não cabe comparação de momentos históricos, mas sim o aprendizado das conjunturas extremas para nosso Continente. Querem colocar o recalcitrante e Bismarckista governo de Dilma em um leito de procusto combinando a chantagem institucionalizada pelo "aliado" PMDB (Eduardo Cunha e o blocão vêm aí!) e também pela via da forja de um consenso absurdo bem denominado pela própria Carta Maior como "austericídio". 

 

Diante dessa força de sucção para o centro vinda do partido de governo e com a guinada ainda mais à direita agora promovendo a "venezuealização esquálida" do Brasil, marcar uma posição por esquerda é obra e graça da própria esquerda restante e com temas fundamentais. Que as lições da derrota avassaladora do tímido keynesianismo tardio de Obama sirvam de lição aos arrependidos de sempre, a começar pelo derrotado governador do RS. 

 

 






« voltar