Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História, memória e historiografia.

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial
















































NIEG •
Núcleo Interdisciplinar de Estudos sobre a Globalização Transcultural e a Cultura do Capitalismo •

Dívida Pública – qual é, afinal, a sua origem?

diplomatique.org.br

Os neoliberais defendem enxugar os gastos públicos para colocar recursos nos bancos

10 de julho, coletivo NIEG

"Recorrendo a uma analogia, imaginemos que o banco central de um país seja uma torneira, os bancos comerciais, outra, e a economia, uma banheira. A primeira torneira, dentro do sistema atual, existe simplesmente para suprir a necessidade da outra, que por sua vez enche a banheira de água. Se a água não continuar correndo da segunda torneira (consequentemente da primeira também), a banheira esvazia e a economia entra em colapso. Logo, a segunda torneira deve manter-se sempre aberta", explica o Núcleo Interdisciplinar de Estudos da Globalização Transnacional e da Cultura do Capitalismo (NIEG), no artigo que descreve a origem da dívida pública.

Segundo o NIEG, "aqui está a contradição do sistema: ele precisa se manter em dívidas para funcionar. Os juros precisam continuar existindo e retroalimentando a segunda torneira, de forma a mantê-la aberta. Os impostos pagos pela população e pelas empresas acabam por retornar a água para a primeira. Logo, para que os juros continuem a existir, pessoas, empresas e governos precisariam continuar a emprestar dinheiro dos bancos privados".

enviar •
imprimir •

Muito se ouve falar, pouco se sabe. A questão é que a origem da dívida pública está muito longe dos olhos do povo, mas está intrinsicamente ligada às suas contas e empréstimos bancários. A situação é tal que sempre que cidadãos ou empresas realizam empréstimos de capital em um banco, contribuem também para o aumento da dívida pública de seus países. Contudo, o que se apresenta para nós como um paradoxo, possui, na realidade, uma lógica de funcionamento bastante simples, que tem cerne e gênese em agentes econômicos privilegiados do mundo capitalista: os bancos privados.

Cada país possui um banco central, cujo papel principal seria abastecer o Estado com o capital do qual necessita para manter o bem estar da sociedade e a estabilidade da economia. Por vezes, porém, principalmente por questões políticas, esse poder é usado para gerar vantagens. Políticos emprestam do banco mais capital do que o suportado, ocasionando inflações.

Para evitar tais situações, assinou-se entre os países europeus em 2007 o Tratado de Lisboa, cujo artigo 123 proíbe empréstimos de capital, por parte dos bancos centrais, aos Estados europeus. Segundo o artigo: “é proibida a concessão de créditos [...] pelo Banco Central Europeu ou pelos bancos centrais nacionais dos Estados-Membros, [...] em benefício de instituições, órgãos ou organismos da União, governos centrais, autoridades regionais, locais, ou outras autoridades públicas”.

A criação de tal lei embasava-se simplesmente na afirmação de que países não possuíam capacidade o suficiente para lidarem com empréstimos junto a seus bancos centrais.

Esse tratado relegou aos bancos centrais a posição de simples reguladores do capital, pois já não os era permitido emprestá-lo. Deste modo, os governos passaram a recorrer à única alternativa que lhes foi deixada: tomar empréstimo dos bancos privados. Tais bancos possuem uma elevada capacidade de criação de moeda, visto que lhes é permitido dispor para empréstimo um número seis vezes maior do valor real que possuem em cofre – por mais que na prática esse valor acabe sendo bem maior –, o que também lhes confere a capacidade de lançar capital não só para os governos, mas também para empresas e cidadãos. Os juros de bancos privados são, entretanto, altíssimos, fazendo com que os devedores paguem um valor muito superior ao que lhes foi emprestado. Isso os obriga a contrair novas dívidas para que possam quitar as antigas, as novas dívidas possuem novos juros, causando uma “bola-de-neve” de crescimento infinito.

Muitas vezes, porém, a reserva de crédito da qual os bancos privados dispõem não é suficiente para suprir toda a demanda do país. O valor permitido para empréstimo é regulamentado pelas taxas de reservas bancárias, que permitem que o crédito emprestado atinja no máximo seis vezes o valor disposto em cofre. Aqui nos deparamos com a questão mais paradoxal de toda lógica de funcionamento do sistema: na medida em que os bancos privados não dispõem de capital o suficiente, é permitido a eles recorrer aos bancos centrais. Ou seja: emprestam moeda dos bancos centrais para então emprestá-los ao governo, às empresas e aos cidadãos. A economia, em vez de ser suprida com moeda do banco central, é alimentada somente com dinheiro de bancos privados, que emprestam dos primeiros.

Recorrendo a uma analogia, imaginemos que o banco central de um país seja uma torneira, os bancos comerciais, outra, e a economia, uma banheira. A primeira torneira, dentro do sistema atual, existe simplesmente para suprir a necessidade da outra, que por sua vez enche a banheira de água. Se a água não continuar correndo da segunda torneira (consequentemente da primeira também), a banheira esvazia e a economia entra em colapso. Logo, a segunda torneira deve manter-se sempre aberta. Aqui está a segunda contradição do sistema: ele precisa se manter em dívidas para funcionar. Os juros precisam continuar existindo e retroalimentando a segunda torneira, de forma a mantê-la aberta. Os impostos pagos pela população e pelas empresas acabam por retornar a água para a primeira. Logo, para que os juros continuem a existir, pessoas, empresas e governos precisariam continuar a emprestar dinheiro dos bancos privados.

A origem da dívida pública é uma simples equação de poder. Bancos privados vão continuar a existir e a segunda torneira não fechará até que seja substituída pela primeira – num modelo de manutenção e maior controle do Estado. A banheira continua a aumentar, porém o espaço que está tomando é limitado, ainda mais se considerarmos que a falta de pagamento de taxas e impostos, cada vez em maior quantidade e maior valor por conta da “farsa com o nome de crise”, em meio a um profundo desemprego, impede que as pessoas possam pagar os empréstimos e as taxas governamentais, não enchendo a principal torneira da relação e impedindo o funcionamento regular do mercado.

Não vai ser alimentando um setor bancário que a solução aparecerá. Afinal, enquanto “bons” recursos são passados para a banca, esta segue infestando o mercado de títulos podres, que caem nas mãos da população, que se endivida e acaba por gerar um bloqueio na circulação de recursos que, na prática, não existem.

Nota: as pessoas interessadas em participar do Núcleo Interdisciplinar de Estudos da Globalização Transnacional e da Cultura do Capitalismo (NIEG) podem nos encontrar todas as quintas-feiras, a partir das 18 horas, na sala do Grupo de Pesquisa Cepos (ao qual o Núcleo pertence), 3A318, 3º andar do Centro 3 (prédio A), Ciências da comunicação, Unisinos.

O telefone de contato é o geral da Unisinos (51 3591-1122) no ramal 1320, pedindo para falar com Bruno, Anderson, Ivan ou Diovana, sempre a partir das 14 horas (2ª a 6ª).

Ressaltamos que todos os textos desta coluna são de autoria coletiva, sendo responsabilidade do conjunto dos membros do NIEG-CEPOS. E-mail: nieg.cepos@gmail.com – www.grupocepos.net

*Texto originalmente publicado no site do Instituto Humanitas Unisinos (IHU).






« voltar