Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial
















































NIEG •
Núcleo Interdisciplinar de Estudos sobre a Globalização Transcultural e a Cultura do Capitalismo •

Mutação econômica e da “força de trabalho” do capital financeiro

diplomatique.org.br

Wall Street mudou e o respeito às regras está cada vez mais à deriva

13 de junho, coletivo NIEG

Nas últimas décadas não apenas o mercado financeiro vem se modificando, de forma a se tornar determinante para a manutenção dos poderes constituídos, mas também todos que se envolvem sofreram ou estão sofrendo mudanças. É como uma bomba lançada a algum lugar, nunca se atinge apenas o alvo, estilhaços voam e espalham-se, alcançando a todos. Mudanças ocorrem o tempo todo, contudo, a mudança que abordaremos aqui será a de transformação do perfil do profissional que atua nessa área especialmente a partir da década de 1980 e que responde por parte do que ocorreu com a economia mundial de lá até aqui.

Até os anos 1970 – num forte reflexo das oligarquias, que existem antes mesmo do capitalismo – famílias ricas e influentes que dominavam a economia de determinando lugar, arranjam entre si casamentos, de forma a fortalecerem seu poder e dar continuidade à manutenção do poder dentre poucas famílias. Era, e ainda é, comum também fazerem casamentos entre primos, sempre visando o futuro econômico e estabilidade da família e dos negócios.

enviar •
imprimir •

Assim, os homens dessas famílias dominam a economia onde vivem, passando de pai para filho essa herança tanto física quanto abstrata, que carregam consigo desde que nascem, também de casamentos forjados pelo fogo capitalista, até o momento em que dão continuidade a essa linhagem.

O jogo que estabeleciam realmente era muito bom. Famílias que se aproveitavam dos casamentos para reforçar os laços entre grandes potências econômicas, por anos dominaram e constituíram a mais alta elite em diversos países, como é o caso de Portugal e da Grécia, onde poucos grupos/famílias controlam a economia a e a política.

Vamos tratar então da “força de trabalho” que faz movimentar o capital financeiro. Situemo-nos no tempo e no espaço. Anos 80, estamos em Wall Street, o coração do distrito financeiro nova-iorquino, onde o dinheiro nunca dorme e as pessoas vivem para alimentar essa “insônia” monetária. Surge então uma nova “raça” de aprendizes das finanças, que vem para desmoralizar e derrubar toda a história das influentes famílias da economia, o grupo de mentores e seletos escolhidos para atuar nos agentes financeiros.

O perfil é modificado justamente no período em que os mercados ganham mais liberdade para atuar, principalmente após as eleições de Reagan (Estados Unidos) e Thatcher (Reino Unido). Já não importa mais se o jovem é o primogênito de uma longa linhagem de grandes nomes da economia, ou graduou-se nas melhores universidades dos Estados Unidos, o que vai estabelecer quem fica são as capacidades instintivas e destemidas de visualizar uma boa oportunidade, e arriscar, investir, não deixar passar uma excelente oportunidade para acumular dinheiro.

Outro fator que se tornando determinante para quem irá se aventurar neste jogo de milhões, é se o jovem fez um MBA (título de Masters of Business Administration) outorgado por escolas de administração. Isso os coloca à frente de outros possíveis interessados em atuar nesse ramo.

Para os grandes nomes que lidavam e dominavam a economia nessa época, foi algo aterrorizante. Jovens recrutados pelo sonho de vencer e sem medo de arriscar colocavam em risco toda uma estrutura construída ao longo de muito tempo, estabelecida através de ligações familiares, sempre visando à fortificação de seus negócios. Isso desencadeou uma corrida desenfreada de maneira a continuar no domínio do poder financeiro, o que trouxe à tona diversos delitos realizados por estes “trabalhadores” principalmente por serem especialistas em como “jogar”, mas não entenderam nada sobre as regulações e limites impostos ao mercado, o que ocasionou já neste período a falência de alguns bancos e algumas acusações de fraude e corrupção – com direito a suicídio de certos envolvidos.

Essa nova ordem de profissionais que desde então passou a atuar no mercado financeiro é formada por jovens graduados nas mais diferentes áreas do conhecimento. A maioria gosta da sua formação “original”, mas ao ter contato com o mundo dos negócios reconhecem o quão gratificante (no sentido literal da palavra) pode ser essa investida. Muitos buscam o mercado financeiro como uma oportunidade de conseguir juntar dinheiro e constituir realizações pessoais futuramente, mas acaba se tornando algo tão grande, fazendo com que esse simples jovem graduado passe a ter visibilidade e poder financeiro, que fica difícil de sair. Desta forma, há cada vez mais a inserção de aprendizes nessa área, que cativa capitalistamente seus envolvidos e torna-os mantenedores dessa rede monetária de intrigas, derrotas e vitórias.

Nota: as pessoas interessadas em participar do Núcleo Interdisciplinar de Estudos da Globalização Transnacional e da Cultura do Capitalismo (NIEG) podem nos encontrar todas as 5as, a partir das 18 horas, na sala do Grupo de Pesquisa Cepos (ao qual o Núcleo pertence), 3ª 318, 3º andar do centro 3 (prédio A), ciências da comunicação, Unisinos. O telefone de contato é o geral da Unisinos (51 3591 1122) no ramal 1320, pedindo para falar com Bruno, Anderson, Ivan ou Dijair, sempre a partir das 14 horas (2ª a 6ª). Ressaltamos que todos os textos desta coluna são de autoria coletiva, sendo responsabilidade do conjunto dos membros do NIEG-CEPOS. E-mail: nieg.cepos@gmail.com – www.grupocepos.net






« voltar