Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial












































Coluna Além das Quatro Linhas •


Reflexões após o 2 x 0 na Austrália


Juarez Soares, jornalista autor do bordão: “cada enxadada uma minhoca”, cuja enxada atingiu-o em cheio nas tantas demissões sofridas pela censura dos empresários do esporte

Quando este boletim eletrônico for enviado, o resultado final que consta no cabeçalho do artigo já estará superado. Isto porque, a estréia já passou e hoje, domingo, a seleção jogou – mal – contra a Austrália, vencendo por 2 x 0. Quem se recordar do time de Carlos Alberto Parreira na Copa de 1994 verá que não se trata de nenhuma novidade.

enviar •
imprimir •

Feito o nariz de cera, esta Nota é para lembrar que todos somos filhos de Deus, e este tem vários times e países. Um deles, o Brasil, nos faz sofrer sendo, que era para termos somente alegrias – de dentro das 4 linhas. Do lado de fora, bem, não preciso ser repetitivo ao extremo do cansaço, basta que todos leiam a edição da Caros Amigos com o jornalista Juca Kfouri na capa. Vale à pena, tanto pelas denúncias e investigações como nos apontamentos das falhas sistêmicas do futebol e do universo do esporte brasileiro.

Nesta Nota lúdica e saudosista, pouco analítica reconheço, gostaria de lembrar de Juarez Soares. Duramente atacado por Mário Jorge Lobo Zagalo, sendo que o próprio Velho Lobo tem culpa do cartório. Embora gênio do campo e do banco, é péssimo propagandista, treinador conservador e chapa branca. A mentalidade tacanha ou subserviente de muitos profissionais do futebol levam ao desespero diversos jornalistas esportivos com capacidade de trabalho que vai além do próprio futebol.

O mesmo desespero que temos quando nos deparamos com a seleção mal escalada, desmotivada, com os jogadores mais preocupados com as cotas de patrocínios do que qualquer outra coisa. No universo da censura futebolística, não é apenas proibido e complicado falar de Boris Berezovsky, do laranja Kia e das transações absurdas de jogadores cujos montantes sequer passaram pelo Banco Central. Do jeito que a coisa vai, mais um pouco ninguém mais vai poder reclamar do Ronaldo de Bento Ribeiro. Isto porque a mesma patrocinadora da seleção comprou uma das cotas de anúncio da nave mãe em seu “jogo bonito”.

Naturalizamos a tudo isso como se fosse algo “normal”, tão normalizado está quanto o jabá eletrônico que abunda na cobertura especializada dos meios convergentes. Falta faz a singela contra-explicação para nosso ufano-favoritismo absoluto:

“jogo é jogado e lambari é pescado”






« voltar