Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial












































Coluna Além das Quatro Linhas •


Além das quatro linhas – edição de 20 de setembro de 2010

pensamentos presentes

A rivalidade dentro de campo não pode e nem deve se transformar para reforço do argumento chauvinista de torcedores semi- profissionais devidamente manipulados por cartolas “desinteressados”. Todo cuidado é pouco.

Dijair Brilhantes & Bruno Lima Rocha

Sirvam nossas façanhas de modelo a toda terra! Mas, quais delas?

O dia 20 de setembro é marca da proclamação da República Rio-grandense no primeiro ano da maior guerra civil “brasileira”. Trata-se de um marco inquestionável na história do Rio Grande do Sul, a Revolução Farroupilha, ou a Guerra dos Farrapos, sendo que o partido farroupilha era de linha liberal moderada e se espraiava por algumas províncias do Império Luso-brasileiro. Muito se fala e pouco se entende desta epopéia. Não bastam as críticas economicistas, o problema é de fundo e se relaciona com a identidade de nação e regionalidade. Não por acaso, a maior influência para a Farroupilha vinha da Província Cisplatina independente e livre da ocupação luso-brasileira. A única chance de vitória militar para o estado-maior composto por liberais monarquistas e republicanos escravagistas vinha da minoria ancorada nos “exaltados”, a ala liberal radical que vencia as batalhas de a caballo, mas não as ganhava nos bastidores da política.

enviar •
imprimir •

Muito tempo se passara e ainda insistimos em substituir a história pelo folclore. Bem ou mal, a guerra (as guerras) fizera deste estado o que é hoje: a “menos pior” divisão de renda do Brasil, um código de valores ainda ancorados na idéia de luta justa e de defesa de causas e lados, e uma noção difusa de tradições (pouco originais em muitos casos) e que reproduz o inverso do gaúcho platense, peleador, indomável, inimigo da cerca e da propriedade, mais índio do que patrício, mais gaudério que povoeiro e, diga-se de passagem, por influência da colônia de povoamento, o arquétipo coletivo de um povo batalhador, que luta por seus objetivos e se orgulha da história (desde que o povão não compreenda muito de nada) e honra suas tradições. De um jeito ou de outro, para além dos galpões, a coisa se manifesta no dia a dia de quem não vivencia o “tradicionalismo” (com o perdão de Martín Fierro, pois aqui o puseram numa fábula agro-pastoril onde não há pampa sem patrão e nem destino errante sem capataz!) através do futebol!

Neste sentido, de forma alguma há um sentimento de superioridade a qualquer outro estado deste país chamado Brasil, apenas há um prazer em viver por estes pagos, prazer este devidamente realçado pela mídia da Província do Eucalipto e do Fundopem (baita mamata!). Não resta pretensão de separatismo (até porque a alta hierarquia do MTG proíbe esta posição) e nem sequer se adentra no tema do federalismo para além da redistribuição fiscal. Ao que parece, afora panela de ferro e carreteiro de charque, a bravura altaneira não corresponde na grande política, como seria de esperar com o povo nas ruas das cidades-pólo e capitais a exigir moratória unilateral da agiotagem de banqueiros avalizados por seus fiadores de Brasília. Na ausência das guerras pelas quais vale à pena pelear, resta defender o pago no cantar do hino republicano como um despertar popular no meio da cancha patrocinada, do ataque da especulação imobiliária e da cartolagem sem trégua lançando-se a cargos de deputado estadual e federal (como dizia o torcedor do Fluminense Chico Buarque: “malandro de gravata e capital, malandro candidato a malandro federal”).

Sejamos justos e pouco críticos um dia por fim. No futebol a coisa ainda pega, até porque a dupla Gre-Nal abafa o bola do interior e polariza a audiência das rádios AM replicada em suas versões piratas no FM (sem autorização da Anatel para reproduzir a mesma programação em duas freqüências distintas). O orgulho dos boleiros vem de longa data e culturalmente temos a fama de “bairristas”. Isto não é visto como defeito, e sim como virtude; sempre devidamente aproveitada pelas empresas a investir em nichos de mercado de gaúchos (a Oi, filha de Carlos Jereissati com Sérgio Andrade e agora retro-alimentada pela Portugal Telecom, que o diga!). Mas, nem tudo são espinhos no dia a dia da Província. O cidadão brasileiro em geral não se sente parte de uma coletividade maior como aqui. O sentimento que atravessa o estado é de pertencer a algo, mesmo que nessa carroça as melancias se confundam com a indumentária e os trejeitos do latifúndio. Mas, se todos amassem seu estado como os gaúchos, é de certo, viveríamos num país melhor. Pelo menos isso.

O orgulho gaúcho – ou gaucho - passa por aqui

Não se pode negar, o orgulho gauchesco passa sim pelo futebol. Vivemos em um estado onde tudo beira ao extremo, principalmente a rivalidade Gre-Nal. Rivalidade que ficou mais acirrada após o ano de 2006 quando o Internacional conquistou sua primeira Copa Libertadores (repararam como não colocamos o nome do patrocinador?!) e o título mundial. Desta forma, quase se iguala ao feito que o maior rival Grêmio orgulhou-se por longos 23 anos por ser o único do estado a ter os dois títulos. Neste ano corrente, com a segunda vitória na Libertadores, o colorado equipara com os gremistas em termos internacionais (com o perdão do trocadilho infame). Faltava para o time do Menino Deus tal feito, afinal tiveram um grande elenco nos anos 70, cheio de glórias e conquistas, um tri campeonato brasileiro, e um octacampeão gaúcho. Mas faltava ganhar algo fora do Brasil, e a partir de 2006 (passada a baixaria de 2005) vieram duas primeiras conquistas para além do país e a rivalidade ganhou uma proporção impossível de explicar em poucas linhas.

Já o Grêmio é conhecido por feitos épicos. Dois dos maiores exemplos constam na história tricolor. A “guerra” de La Plata na Argentina em 1983 (sendo que jogar na capital da Província de Buenos Aires sempre foi coisa de herói ou louco), ano da conquista da primeira Copa Libertadores, e a recente Batalha dos Aflitos no Recife em 2005, quando a imortalidade foi comprovada diante de milhões de telespectadores. Neste pedaço do mundo onde antes a Pampa corria livre até quase a Patagônia, a paixão aumenta, os clubes crescem com seus feitos, e o Brasil tende a se orgulhar de ter dois clubes campeões mundiais em um mesmo estado. Além disso, o futebol gaúcho ainda conta com 4 Copa Libertadores, 2 Recopas , 1 Copa Sulamericana, 5 títulos brasileiros, 6 copas do Brasil. Trata-se de um bom currículo para uma unidade da “federação” que conta apenas com dois times na primeira divisão do futebol nacional. Os mineiros que o digam.


Exagero santista, ou como reforçar um comportamento equivocado

Semana passada, na vitória do Santos sobre o Atlético-GO, outra vez o atacante santista Neymar foi manchete na maioria dos jornais do Brasil. Infelizmente não por sua genialidade em campo, mas por um bate boca em público com o técnico Dorival Junior. O mais novo milionário do futebol brasileiro parece desconhecer o sentido da palavra hierarquia, e que seu “monstruoso’ salário não o deixa livre para fazer o que bem entender dentro de campo. Assim ao menos esperávamos, até que a cartolagem toma uma espinafrada (este termo retiramos da cartola do mágico sem coelho!) dos patrocinadores associados no contrato do atacante da baixada santista e a diretoria do clube bi-campeão do mundo (1962-1963) tem um comportamento varzeano.

O problema passa pela estrutura de gestão. O Santos Futebol Clube, como todos os outros clubes brasileiros, tem um regime presidencialista, e todos os funcionários do clube cumprem ordens. Em tese, porque o problema é que uns são mais iguais do que os outros. E isso dá raiva, e muita. É certo, Neymar não foi o único a cometer exageros, pois o técnico do clube goiano Renê Simões disse em entrevista que estávamos criando um “monstro” no futebol brasileiro.

Tal declaração é no mínimo exagerada. Chamar o atacante santista de monstro mais parece despeito e choro de perdedor. Este termo pode ser dado para a moral da bandidagem, exercida, por exemplo, pelo ex-goleiro do Flamengo o qual não merece nem mesmo ter seu nome citado. O mesmo pode ser dito de diretorias de certo clube carioca (o maior endividado do país, quem será?) que escalara diretores de torcida organizada para a gerência de futebol e, quando o time estava mal ou em crise, fechavam “saunas” para uma confraternização coletiva. O “menino da Vila” está longe disso, ao menos por enquanto.

Concordamos que Neymar é um jovem de talento promissor. Mas, os mimos dados ao atleta o estão prejudicando em sua curta carreira. É preciso frear a Kombi destrambelhada ladeira abaixo, pois as declarações e atitudes pendem para o lado negativo (e estes “fatos noticiosos” dão audiência e vendem jornal). Para quem imagina estarmos exagerando, vejamos o caso de Adriano, o “ex-imperador”. Precisa falar mais? Agora a babaquice do piá deslumbrado derruba um técnico vitorioso e que dera jeito num time complicado. Dorival Júnior ganhou o Paulistão desse ano e a Copa do Brasil. Agora, com o “professor“ fora, Robinho mais maduro de volta à Europa, a tendência é um time em frangalhos, refém dos caprichos do craque e de quem paga seu salário. Quanto tempo vai durar a liderança de Ganso dentro de campo?

Neymar não é Pelé; até porque Pelé em campo é muito melhor do que Edson Arantes do Nascimento, que o diga a UNICEF e as criancinhas do Brasil. Quem avisa amigo é; se bobear vem aí a mais nova mala marrenta e desestabilizada do futebol brasileiro.

Dijair Brilhantes é estudante de jornalismo, Bruno Lima Rocha é editor do portal Estratégia & Análise

 






« voltar