Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial












































Coluna Além das Quatro Linhas •


Coluna Além das Quatro Linhas – semana de 25 de outubro de 2010

estadao

Pelé é setentão propaganda de grandes corporações. A última dele foi associar sua imagem ao patrocinador da Copa Libertadores, o banco Santander. Esta jogada comercial e marqueteira, eleva às últimas conseqüências o absurdo simbólico de ter um banco espanhol como patrocinador da competição dos próceres latino-americanos.

Dijair Brilhantes & Bruno Lima Rocha

Os 70 anos do “rei”

A rodada do último final de semana foi em homenagem ao ‘rei’ Pelé. Em todos os jogos, havia referências aos 70 anos daquele que foi considerado o atleta do século e disparado, o mais completo boleiro da história (dentro de campo).

Dentro das quatro linhas Pelé foi um gênio. Pode-se questionar a qualidade dos adversários, já que o craque da camisa 10 possuía um físico avantajado e uma disciplina de atleta quando ainda reinava a boemia (Garrincha que o diga!). Mas nenhum jogador de alta qualidade chegou próximo dos 1248 gols marcados por ele (obs: dizem que Arthur Friedenreich, o mago negro e filho de alemães do aristocrático Paulistano teria marcado mais golos que o moço de Três Corações, mas não foram contabilizados). Mesmo na seleção brasileira da copa de ‘70, (considerada a melhor de todas) Pelé foi destaque na conquista do tri-campeonato mundial.

enviar •
imprimir •

Nem tudo são flores, ainda mais quando temos memória e referência ao milésimo gol e os controversos trabalhos junto a UNICEF. O Deus que a mídia do centro do país tentou criar está longe de cativar o coração dos brasileiros. Apenas no Santos (clube de coração do rei) o ex-atleta é idolatrado. Em grande parte dos estádios do Brasil, o “rei do futebol” já ouviu vaias quando era espectador. Bom de bola e ruim de sociedade.

Quando passou a atuar além das quatro linhas, Edson Arantes do Nascimento passou a ser muito contestado. Como ministro dos esportes de FHC, criou a lei do passe livre. Lei essa que aumentou consideravelmente a crise financeira dos clubes brasileiros, e enriqueceu mais os empresários dos atletas, já que estes passaram a ser os novos donos dos craques da bola.

Pelé também teve seu nome ligado a um desvio de dinheiro da UNICEF em 2002. Ele, o próprio, que ao fazer seu milésimo gol, no Maracanã e contra o Vasco, implorou ajuda as “criancinhas”. A empresa Pelé Sports Inc. (de propriedade do rei) teria recebido cerca de USS 700 mil dólares da UNICEF para realização de um evento que não ocorreu, e o dinheiro não foi devolvido. Pelé acusou o seu ex-sócio Hélio Viana pela movimentação do dinheiro. Tirou da reta e, seguindo a tradição do país do fontismo e das boatarias, ficou por isso mesmo.

Quando resolve falar “a coisa” piora muito. As vésperas da copa de 2002 ele apontou quase um dezena de favoritos para o título, e deixou a seleção brasileira (que viria a ser a campeã daquele ano) de fora, causando revolta entre atletas, comissão técnica, e torcedores.

Pelé em campo foi gênio, já fora dele, deixa muito, mas muito, a desejar.


Uma década sem vencer Gre-nal

No Rio Grande do Sul o clássico Gre-nal, vai muito além de 90 minutos. Na semana que precede o clássico, não há assunto que não termine no grande duelo. Vizinhos conversam sobre o tempo, as eleições, mas no fim o “papo” acaba nesse que é um dos maiores clássicos do Brasil, sendo disparada, a maior rivalidade futebolística tupiniquim. Como diz o técnico Celso Roth, “aqui no Rio Grande do Sul tudo é super valorizado”. A lenda dos gre-nais que o digam.

Tem razão o treinador colorado. Perder um Gre-nal pode mudar o rumo dos clubes da dupla, derrubando ídolos e atirando cartolas vitoriosos em temporário ostracismo (detalhe é que a cartolagem é como um fantasma, sempre paira e volta, assombrando a democracia interna e as finanças das agremiações). Voltando ao mundo da bola em sentido estrito, o próprio Roth sofreu na pele a importância dada ao clássico. Em 2009 quando ainda treinava o Grêmio e fazia ótima campanha na Copa Libertadores, foi demitido após uma má seqüência de resultados em jogos contra o arqui-rival Internacional.

A sina do técnico hoje consagrado, mas que na década de ’90 era maldosamente apelidado de “Felipinho” (em alusão ao Felipão Scolari, sua inspiração), continua. No último dia 7 de outubro, Celso Juarez Roth completou uma década sem vencer um Gre-nal. Foram 9 jogos, 7 deles pelo Grêmio e 2 pelo Internacional. Mesmo sendo gaúcho, o professor Roth parece não ter a “fórmula” de vencer o tão disputado clássico Gre-nal. Periga de sair campeão do mundo FIFA em dezembro e ainda assim vai ter de aturar repórter da província lembrando a amarga estatística.


Os últimos clássicos da década

A rodada do último fim de semana (sábado 23 e domingo 24 de outubro) foi “quente”, marcada por clássicos emocionantes, e mudanças consideráveis na tabela. Após sete jogos sem vencer, o Corinthians de técnico novo (Tite) venceu o Palmeiras de Felipão por 1x0, e ficou a um ponto da liderança. No Engenhão, Vasco e Flamengo (este que já foi considerado o clássico dos milhões) fizeram um jogo morno e ficaram no 1x1. Resultado esse que se repete no meio de semana, entre o Flamengo do Capitão Léo e o Corinthians do ex-presidente Alberto Dualib (!). Em Porto Alegre Grêmio e Internacional realizaram um dos melhores Gre-nais dos últimos anos, embora tenham empatado em 2x2. A polêmica ficou por conta do quinto árbitro que teria comemorado o pênalti marcado (corretamente) a favor do Internacional. O vídeo com a imagem percorreu o Brasil nesta segunda-feira e nos faz lembrar que o profissionalismo também tem muito de varzeano, em suas piores características, como o árbitro caseiro, o juiz amigo e a pressão externa.

Mas, nada foi mais emocionante que o clássico mineiro. Jogando no Parque do Sabiá, em Uberlândia, região do Triângulo Mineiro com torcida única (a do Cruzeiro) devido as condições de segurança, o Atlético-MG venceu por 4 x 3, sendo 3 gols do folclórico atacante Obina. O galo mineiro saiu da zona de rebaixamento após 21 rodadas (ufa!). Já a raposa caiu para o segundo lugar com 54 pontos mesmo número de pontos do Fluminense o ainda “novo” líder.

Dijair Brilhantes é estudante de jornalismo & Bruno Lima Rocha é editor do portal Estratégia & Análise






« voltar